ABISMAR-SE E ESCREVER-SE

Fábio Camargo

Resumo


Este artigo recorta trechos do Diário, de cartas e de romances de Lúcio Cardoso, para discutir a invisibilidade da sexualidade do autor para a crítica brasileira. Visto durante muito tempo como um escritor católico e intimista, chega a hora de discutirmos algo que não se quer discutido, que se quer silenciado: a sexualidade do escritor percebida em sua escrita. O artigo trabalha sob a perspectiva da crítica biográfica, que aponta para a possibilidade de se juntar em um mesmo espaço a biografia do autor e sua produção literária, sem reduzir uma à outra, mas tomando as duas esferas como conectadas. Desse modo o autor em análise é refletido em sua escrita ao mesmo tempo que reflete sobre ela em sua produção. Tomamos por base a homossexualidade de Lúcio Cardoso, vista por ele como uma monstruosidade em seu tempo, como um ponto de indecidibilidade para ele mesmo e como essa questão aparece na escrita de seus romances e novelas.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/pr.2014.14115

Pensares em Revista no Diadorim Pensares em Revista na BASE Pensares em Revista no Diadorim Pensares em Revista no Google Scholar Pensares em Revista no Latindex Pensares em Revista no Livre Logo do Periódicos CAPES

 

R. Dr. Francisco Portela, 1470 - Patronato, São Gonçalo - RJ, CEP: 24435-005