BISCOITOS ENRIQUECIDOS COM FARELO DE LINHAÇA MARROM (LINUM USITATISSIUMUN L.): VALOR NUTRITIVO E ACEITABILIDADE

Camila Coutinho de Moura, Nathalia Peter, Bianca de Oliveira Schumacker, Lúcia Rota Borges, Elizabete Helbig

Resumo


A incorporação de ingredientes a produtos de panificação tem crescido em função da preocupação com a saúde dos consumidores. A busca por uma alimentação saudável está cada vez mais presente na população, devido ao aumento da prevalência das doenças crônicas não transmissíveis. Em função disso, a indústria de alimentos tem desenvolvido produtos enriquecidos que de alguma forma possam contribuir com a saúde dos consumidores, evitando assim a ocorrência de doenças relacionadas à alimentação inadequada. A semente de linhaça marrom (Linum usitatissimum L.) é um ingrediente alimentar com potencial de uso em função de suas características benéficas, agregando valor nutricional aos alimentos. Com este estudo, objetivou-se formular biscoitos salgados com diferentes proporções de farelo de linhaça marrom e avaliar sua composição físico-química, cor e características sensoriais. Os biscoitos foram elaborados com a adição de diferentes concentrações de farelo de linhaça marrom, adição de 5% (F5) e 20% (F20), relacionados com o controle elaborado com farinha de trigo. Estes foram avaliados quanto a sua composição química, coloração, parâmetros físicos e aceitação sensorial. Os biscoitos elaborados com adição de farelo de linhaça marrom apresentaram maior teor de proteínas, resíduo mineral, fibras e umidade, comparados aos biscoitos elaborados com farinha de trigo sem adição de linhaça e coloração mais escura, e boa aceitação sensorial.

DOI 10.12957/demetra.2014.6899


Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Wildman REC. Nutraceuticals: a brief review of historical and teleological aspects. In: Wildman REC. Handbook of nutraceuticals and functional foods. Boca Raton: CRC; 2001. p. 1-12.

Cui WS. Flaxseed: a functional food for the 21 st century. Canad. Chem. News.1998; 50(5):19-20.

Morris DH. Essential nutrients and other functional compounds in flaxseed. Nutr. Today. 2001; 36(3):159-162.

Marques AC. Propriedades funcionais da linhaça (Linum usitatissimum L.) em diferentes condições de preparo e de uso em alimentos. [Dissertação] Santa Maria: Universidade Federal de Santa Maria; 2008.

Figuerola F, Muñoz O, Estévez AM. La linaza como fuente de compuestos bioactivos para la elaboración de alimentos. Agr. Sur. 2008; 36(2):49-58.

Turatti JM. Óleos vegetais como fonte de alimentos funcionais. Óleos & Grãos. 2000; 56:20-7.

Yuan YV, Rickard SE, Thompson LU. Short-term feeding of flaxseed or its lignan has minor influence on in vivo hepatic antioxidant status in young rats. Nutr. Res. 1999; 19(8):1233-1243.

Prasad K. Dietary flax seed in prevention of hypercholesterolemic atherosclerosis. Atherosclerosis. 1997; 132(1):69-76.

Hussain S, Anjum FM, Butt MS, Khan MI, Asghar A. Physical and sensoric attributes of flaxseed flour supplemented cookies. Turk J. Biol. 2006; 30:87-92.

Araújo JMA. Química de alimentos: teoria e prática. 3ª ed. Viçosa: UFV; 2004.

Maciel LMB, Pontes DF, Rodrigues MCP. Efeito da adição de farinha de linhaça no processamento de biscoito tipo cracker. Alim. Nutr. 2008; 19(4):385-392.

Association of Official Analytical Chemists. Official methods of analysis of the Association of Official Analytical Chemists. 16ª ed. Arlington, VA: AOAC; 1995.

Bligh EG, Dyer WJ. A rapid method of total lipid extraction and purification. Can. J. Biochem. Physiol. 1959; 37(8): 911-917.

Carvalho CL, Mantovani DMB, Carvalho PRN, Moraes RM. Análises químicas de alimentos. Campinas: Instituto de Tecnologia de Alimentos; 1990. 121 p. Manual técnico.

Minim VPR. Análise sensorial: estudos com consumidores. Viçosa: Editora UFV; 2006.

Comissão Nacional de Normas e Padrões para Alimentos. Resolução 12/78 – Alimentos e bebidas: 47 padrões de identidade e qualidade. In: Associação Brasileira das Indústrias de Alimentação. Compêndio de resoluções da CNNPA. São Paulo: ABIA; 1978.

Teixeira E, Meinert EM, Barbetta PA. Análise sensorial de alimentos. Florianópolis: Editora UFSC; 1987.

Oliveira TM, Pirozi MR, Borges JTS. Elaboração de pão de sal utilizando farinha mista de trigo e linhaça. Alim. Nutr. 2007; 18(2):141-150.

Heinemann RB, Costa NMB, Cruz R, Pirozi MR. Valor nutricional da farinha de trigo combinada com concentrado protéico de folha de mandioca. Rev. Nutr. 1998; 11(1):51-57.

Borges JTS, Pirozi MR, Paula CD, Ramos DL, Chaves JBP. Caracterização físico-química e sensorial de pão de sal enriquecido com farinha integral de linhaça. B. CEPPA. 2011; 29(1):83-96.

Maciel LMB. Utilização de farinha de linhaça (Linum usitatissimum L.) no processamento de biscoito tipo “cracker”: características físico-químicas, nutricionais e sensoriais [Dissertação]. Fortaleza: Universidade Federal do Ceará; 2006.

Alpaslan M, Hayta M. The effects of flaxseed, soy and corn flours on the textural and sensory properties of a bakery product. J. Food Quality. 2006; 29(6):617-627.

Assis LM, Zavareze ER, Radünz AL, Dias ARG, Gutkoski LC, Elias MC. Propriedades nutricionais, tecnológicas e sensoriais de biscoitos com substituição de farinha de trigo por farinha de aveia ou farinha de arroz parboilizado. Alim. Nutr. 2009; 20(1):15-24.

Esteller MS, Lannes SCS. Parâmetros complementares para fixação de identidade e qualidade de produtos panificados. Cienc. Tec. Alim. 2005; 25(4):802-806.




DOI: https://doi.org/10.12957/demetra.2014.6899

e-ISSN: 2238-913X


Esta revista está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.