O PUERPÉRIO E SUA DIMENSÃO SOCIOCULTURAL NA PERSPECTIVA DE MULHERES MORADORAS DA REGIÃO DE MANGUINHOS - RIO DE JANEIRO, RJ

Mirian Ribeiro Baião, Marta Santos, Beatriz Della Líbera, Raphaela Machado

Resumo


Introdução: o puerpério, popularmente identificado por resguardo, é definido como o período posterior ao parto, que dura cerca de quarenta dias e se constitui em uma fase de intensas mudanças biopsicossociais na vida da mulher. O exercício do cuidado integral e da atenção à saúde das puérperas implica no entendimento de suas crenças para a vivência desse momento. Objetivo: retratar sentidos e significados de crenças, prescrições e interdições durante o puerpério por mulheres urbanas socialmente vulneráveis. Métodos: estudo qualitativo, fundamentado na perspectiva interpretativista. Dados construídos por entrevistas semiestruturadas, gravadas e transcritas literalmente. Análise realizada com base em estudo de conteúdo, modalidade temática, adaptada. Resultados e Discussão: grupo de estudo constituído por mulheres jovens e adolescentes, a maioria com ensino fundamental incompleto, dedicada ao lar e vivendo com o companheiro. O resguardo representa um período de ameaça à saúde e à vida da mulher, a qual deve permanecer afastada de esforço físico e atividade sexual. Implica na necessidade de apoio físico e emocional por parte da família ou pessoas próximas. A mulher é encorajada a optar por comida leve: frango, arroz, verduras e frutas, evitando comida pesada, carregada ou reimosa. Para produzir leite bom e suficiente: leite, mate, cerveja e líquidos. Conclusão: o resguardo é um processo biológico, histórico, social, emocional e cultural. Faz-se necessário compreender os diferentes aspectos que delimitam práticas e atitudes, com vistas ao alcance do equilíbrio entre preceitos socioculturais e científicos, proporcionando às mulheres a vivência do resguardo com serenidade e confiança.

DOI: 10.12957/demetra.2013.6562


Texto completo:

PDF PDF (English)


DOI: https://doi.org/10.12957/demetra.2013.6562