O viver, o sentir e o comer: estudo com adolescentes de uma escola particular localizada em região metropolitana

Fernanda Roberta Daniel da Silva Portronieri, Mirian Ribeiro Baião, Annah Barbara Pinheiro dos Santos, Gloria Valeria da Veiga

Resumo


Introdução: A Educação por Pares é uma importante estratégia para promoção de saúde em adolescentes pois permite a troca de conhecimentos entre pessoas do mesmo perfil. A realização de uma fase exploratória para projetos desta natureza é fundamental para produzir conhecimento da realidade a ser pesquisada e ter uma compreensão da problemática dos grupos com os quais se trabalhará. Objetivo: descrever a fase exploratória de um estudo de intervenção por meio da educação por pares visando conhecer as concepções de adolescentes sobre o comer e alimentar-se, exercita-se e a relação com o corpo e a família. Métodos: Realizaram-se cinco grupos focais, com 8 a 12 participantes em cada, com alunos do ensino fundamental de uma escola particular do município do Rio de Janeiro. Utilizou-se, como referencial técnico, a Análise de Conteúdo Temática, fundamentada na perspectiva interpretativista. Resultados: O debate entre os jovens apontou falta de confiança, privacidade e liberdade; exagero das cobranças e frustração por não conseguirem corresponder. O desejo de emagrecer, diminuir barriga, ganhar massa muscular e ter maior estatura foi enfático. Reconheceram sofrer pressões para atingir um padrão corporal. Costumavam comer arroz, feijão, alguma proteína, batata, evitavam o refrigerante e cediam às “besteiras”. A atividade física pareceu não fazer parte da rotina, mas problemas de saúde motivavam esta pratica. Conclusão: Por meio da escuta prévia dos sujeitos a uma intervenção, a complexidade do objeto de estudo se revela. Embora uma abordagem completa das questões tenha sido difícil, foi possível desenvolver estratégias educativas mais próximas da realidade e problemas dos adolescentes a partir desta fase exploratoria.


Palavras-chave


Educação em saúde. Adolescente. Grupos focais.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


-Enes CC, Slater B. Obesidade na adolescência e seus principais fatores determinantes. Rev. Bras. Epidemiol. 2010; 13 (1):163-171. https://doi.org/10.1590/S1415-790X2010000100015.

- Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009. Analise do Consumo Alimentar Pessoal no Brasil. Rio de Janeiro: IBGE; 2011.

- Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa de Orçamentos Familiares 2017-2018. Analise do Consumo Alimentar Pessoal no Brasil. Rio de Janeiro: IBGE; 2020.

-Barbosa Filho VC. Campos W. Lopes AS. Epidemiology of physical inactivity, sedentary behaviors, and unhealthy eating habits among Brazilian adolescents. Cien Saude Colet. 2014; 19(1): 173-194. https://doi..org/10.1590/1413-81232014191.0446.

-Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009. Antropometria e estado nutricional de crianças, adolescentes e adultos no Brasil. Rio de Janeiro: IBGE; 2010.

-NCD Risk Collaboration (NCD-RiskC). Worldwide trends in body mass index, underweight, overweight, and obesity from 1975 to 2016: a pooled analysis of 2416 population –based measurement studies in 128,9 million children, adolescentes, and adults. Lancet.2017;390:2627-2642.

-Bair CE, Kelly NR, Serdar KL, Mazeo SE. Does the Internet function like magazines? An exploration of image-focused media, eating pathology, and body dissatisfaction. Eat Behav. 2012; 13( 4):398-401. https://doi.10.1016/j.eatbeh.2012.06.003.

-Tiggemann M, Slater A. NetGirls: The Internet, Facebook, and body image concern in adolescent girls. Int J Eat Disord. 2013; 46(6): 630-633. https://doi.org/10.1002/eat.22141.

-Stice E, Shaw H, Marti CN. A meta-analytic review of eating disorder prevention programs: encouraging findings. Ann Rev Clin Psychol. 2007; 3:207-231. https://doi. 10.1146/annurev.clinpsy.3.022806.091447.

-Carta de Ottawa Primeira conferência internacional sobre promoção da saúde Ottawa, novembro,1986. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/carta_ottawa.pdf. Acesso em: 27 out 2020.

-Sícoli JL, Nascimento PR. Promoção da saúde-concepções, princípios e operacionalização. Interface. 2003; 7(12):101-122. https://doi.org/10.1590/S1414-32832003000100008.

-Chaves ACP, Bezerra EO, Pereira MLD, Wolfgang W. Conhecimentos e atitudes de adolescentes de uma escola pública sobre a transmissão sexual do HIV. Rev Bras Enferm. 2014; 67(1):48-53. https://doi.org/10.5935/0034-7167.20140006.

-Brasil. Lei nº 13.666/2018, de 16 de maio de 2018. Altera a Lei nº 9.394 de 20 de dezembro de 1996 (Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional), para incluir o tema transversal da educação alimentar e nutricional no currículo escolar. Maio, 2018.Disponivel em https://www2.camara.leg.br/legin/fe d/l ei/2018/lei-13666-16-maio-2018-786690-publicacaooriginal-155573-pl.html. Acesso em: 30 out 2020.

-Ramos FP, Santos LAS, Reis ABC. Educação alimentar e nutricional em escolares: uma revisão de literatura. Cad Saúde Pública. 2013; 29(11):2147–2161. https://doi .org/10.1590/0102-311x00170112.

-Ciryno EG,Pereira MLT. Trabalhando com estratégias de ensino-aprendizado por descoberta na área da saúde: a problematização e a aprendizagem baseada em problemas. Cad. Saúde Pública. 2004; 20(3):780-788.

-Santos KB, Murta SG. Influência dos pares e educação por pares na prevenção à violência no namoro. Psicologia: Ciência e Profissão. 2016; 36(4):787-800. https://doi. 10.1590/1982-3703000272014.

-Mwale M, Muula AS. Systematic review: a review of adolescent behavior change interventions [BCI] and their effectiveness in HIV and AIDS prevention in sub-Saharan Africa. BMC Public Health, 2017; 17(1):718. https://doiI.org/10.1186/s12889-017-4729-2.

-Rose-Clarke K. Bentley A, Marston C, Prost A. Peer-facilitated community-based interventions for adolescent health in low-and middle-income countries: A systematic review. Plos One. 2019; 14(1):e0210468. https://doi.org/10.1371/journal.pone.0210468.

-Baldissera A. Pesquisa-ação: uma metodologia do “conhecer” e do “agir” coletivo. Sociedade em Debate. 2001; 7(2):5-25.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento. Pesquisa qualitativa em saúde. 9ª edição revista e aprimorada. 2006, São Paulo: Hucitec; p. 406.

-BARDIN, L. Análise de conteúdo. 1979, Lisboa: Edições 70.

-Gomes R. A análise de dados em pesquisa qualitativa. In: Minayo MCS, Deslandes SF, Gomes R. 2016. Pesquisa social: teoria, método e criatividade, Editora Vozes.

-Schwandt TA. Interpretativismo, hermenêutica e construcionismo social. In: Denzin, N K, Lincoln YS. O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. 2006, Porto Alegre: Artmed 193-217pp.

-Almeida G, Valentini NC, Berleze A. Perceptions of competence in a study with children and adolescents from elementary school. Movimento, Revista da Escola de Educação Fisica da UFRGS. 2009; 15(1):1-21.

-Wagner A, Falcke D, Silveira LMBO, Mosmann CP. A comunicação em famílias com filhos adolescentes. Psicol Estud. 2002; 7(1):75-80. https://doi.org/10.1590/S1413-73722002000100010.

-Wagner A, Carpenedo C, de Melo LP, Silveira PG, Estratégias de Comunicação Familiar: A Perspectiva dos Filhos Adolescentes. Psicologia: Reflexão e Crítica. 2005; 18(2): 277-282.

-Schenker M, Minayo MCS. Fatores de risco e de proteção para o uso de drogas na adolescência. Ciên Saúde Colet. 2005; 10(3):707-717. https://doi.org/10.1590/S1413-81232005000300027.

-Braga PD, Molina MCB, Figueiredo TAMF. Representações do corpo: com a palavra um grupo de adolescentes de classes populares. Ciên Saúde Colet. 2010; 15(1):87-95. https://doi.:org/10.1590/S1413-81232010000100014.

-Anschutz D, Engels R, Leeuwe JV, Strien TV. Watching your weight? The relations between watching soaps and music television and body dissatisfaction and restrained eating in young girls. Psychol Health. 2009; 24(9):1035-50.https://doi. 10.1080/08870440802192268.

-Oliveira LL, Hutz CS. Eating disorders: the role of cultural aspects in the contemporary world. Psicol Estud. 2010;15(3):575-582.

-Rossi A, Moreira EAM, Rauen MS. Determinantes do comportamento alimentar: uma revisão com enfoque na família. Rev Nutr. 2008; 21(6):739-748. https://doi .org/10.1590/S1415-52732008000600012.

-Jackson T, Chen H. Sociocultural experiences of bulimic and non-bulimic adolescents in a school-based chinese sample. J Abnorm Child Psychol. 2010; 38(1):69-76. https://doi. 10.1007/s10802-009-9350-0.

-Simões D, Meneses RF. Auto-conceito em crianças com e sem obesidade. Psicologia: Reflexão e Crítica. 2007; 20(2):246-251. https://doi..org/10.1590/S0102-79722007000200010.

-Vilela JEM, Lamounier JA, Dellaretti Filho MA, Barros Neto JR, Horta GM. Transtornos alimentares em escolares. J Pediatr. 2004;.80(1):49-54. https://doi.org/10.2223/JPED.1133.

-Carvalho GX, Nunes APN, Moraes CL, Veiga GV. Insatisfação com a imagem corporal e fatores associados em adolescentes. Cien Saude Colet. 2020; 25(7):2769-2782. https://doi.org/10.1590/1413-81232020257.27452018.

-Haines J, Kleinman KP, Rifas-Shiman SL, Field AE, Austin SB. Examination of shared risk and protective factors for overweight and disordered eating among adolescents. Arch Pediatr Adolesc Med. 2010; 164(4):336-343. https://doi. 10.1001/archpediatrics.2010.19.

-Portronieri FRDS. O jovem, o comer e o perceber-se: concepções de alunos e professores sobre o corpo, a alimentação e a saúde em uma escola municipal do Rio de Janeiro. Dissertação de Mestrado. Núcleo de Tecnologia Educacional para a Saúde, UFRJ. Rio de Janeiro, 2010.

-Barbosa L. Feijão com arroz e arroz com feijão: o Brasil no prato dos brasileiros. Horiz Antropol. 2007; 13(28):87-116. https://doi..org/10.1590/S0104-71832007000200005.

-Lévi-Strauss C. The culinary triangle. Partisan Review. 1966; 33(4) (Fall 1966):586-595.

-Lévi-strauss C. Mitológicas I - O cru e o cozido, tr. Beatriz Perrone Moisés, R.J.: Cosac e Naify, 2004, 446pp.

-Lambert JL Batalha MO, Sproesser RL, Silva AL, Lucchese T. As principais evoluções dos comportamentos alimentares: o caso da França. Rev Nutr. 2005; 8(5):577-591. https://doi.org/10.1590/S1415-52732005000500001.

-Lelis C, Teixeira K, Silva N. A inserção feminina no mercado de trabalho e suas implicações para os hábitos alimentares da mulher e de sua família. Saude em Debate. 2012;36(95):523-532.

-Pinheiro ARO. A alimentação saudável e a promoção da saúde no contexto da segurança alimentar e nutricional. Saúde em Debate. 2005; 29(70):125-139.

- Harmon BE, Smith N, Pirkey P, Beets MW, Blake CE. The Impact of Culinary Skills Training on the Dietary Attitudes and Behaviors of Children and Parents. Am J Health Educ. 2015; 46(5):283-292. https://doi.org/10.1080/19325037.2015.1056862.

- Lavelle F, Spence M, Hollywood L, McGowan L, Surgenor D, McCloat A, et al. Learning cooking skills at different ages: a cross-sectional study. Int J Behav Nutr Phys Act. 2016; 13:119. https://doi.org/10.1186/s12966-016-0446-y.

-São Pedro ND, Araújo, MPN, Freitas MCS. Significados do comer no cotidiano de adolescentes: narrativas de estudantes com excesso de peso de uma instituição federal de ensino médio da cidade de Salvador, Bahia. Demetra: Alimentação, Nutrição e Saúde. 2016; 11(3):847-861.https://doi.org/10.12957/demetra.2016.22482.

-Mendonça CP, Anjos LA. Aspectos das práticas alimentares e da atividade física como determinantes do crescimento do sobrepeso/obesidade no Brasil. Cad. Saúde Pública. 2014; 20(3):698-709. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2004000300006.

-Santos CC, Ressel LB, Alves CN, Wilhelm LA, Stumm KL, Silva SC. A influencia da cultura no comportamento alimentar dos adolescentes: uma revisão integrativa das produções em saúde. Adolesc Saúde. 2012;9(4):37-43.

-Monteiro CA, Levy RB, Claro RM, Castro, IRR, Cannon G. Increasing consumption of ultra-processed foods and likely impact on human health: evidence from Brazil. Public Health Nutr. 2011; 14(1):5-13. https://doi.10.1017/S1368980010003241.

-Canella DS, Louzada MLC, Claro RM, Costa JC, Bandoni DH, Levy RB et al. Consumo de hortaliças e sua relação com os alimentos ultraprocessados no Brasil. Rev Saude Publica. 2018; 52(50):1-11. https://doi.org/10.11606/S1518-8787.2018052000111.

-World Health Organization 2014. Health for the World's Adolescents, a second chance in the second decade: summary. Geneva: World Health Organization. https://apps.who.int/iris/handle/10665/112750WHO; 2014.

-Mehtälä MAK, Sääkslahti AK, Inkinen ME, Poskiparta MEH. A socio-ecological approach to physical activity interventions in childcare: a systematic review. Int J Behav Nutr Phys Act. 2014; 11(1):22. https://doi.org/10.1186/1479-5868-11-22.

-Beets MW, Cardinal BJ, Alderman BL. Parental social support and the physical activity-related behaviors of youth: a review. Health Educ Behav. 2010; 37(5):621-644. http://www.ijbnpa.org/content/11/1/22.

-Edwardson CL, Gorely T. Parental influences on different types and intensities of physical activity in youth: A systematic review. Psychol Sport Exerc. 2010; 11(6):522-535. https://doi..org/10.1016/j.psychsport.2010.05.001.

-Cheng LA, Mendonça G, Farias Júnior JC. Physical activity in adolescents: analysis of the social influence of parents and friends. J Pediatr. 2014; 90(1):35-41. https://doi..org/10.1016/j.jped.2013.05.006.

-Trost SG, McDonald S, Cohen A. Measurement of general and specific approaches to physical activity parenting: a systematic review. Child Obes. 2013; 9(1):40-50. https://doi.10.1089/chi.2013.0027.

-Ramos CGC, Andrade RG, Andrade ACS, Fernandes AP, Costa DAS, Xavier CC et al. Contexto familiar e atividade física de adolescentes: cotejando diferenças. Rev Bras Epidemiol. 2017; 20(3):537-548. https://doi.org/10.1590/1980-5497201700030015.




DOI: https://doi.org/10.12957/demetra.2022.63607

e-ISSN: 2238-913X


Esta revista está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.