Globalização e Processamento de Alimentos: Consumo Alimentar no Nordeste Brasileiro

Catarine Santos da Silva, Marilia de Carvalho Lima, Cintia Chaves Curioni, Poliana Coelho Cabral, Veronica Ileana Hidalgo Villareal, Flávio Luiz Schieck Valente, Pedro Israel Cabral de Lira, Malaquias Batista Filho

Resumo


Introdução: O atual modelo globalizado de produção de alimentos acarreta homogeneização na alimentação, com diminuição no consumo de alimentos in natura e grande participação de ultraprocessados. Objetivo: Investigar os fatores associados ao consumo alimentar de adultos, considerando os níveis de processamento de alimentos. Métodos: Estudo transversal com adultos no estado de Pernambuco que avaliou o consumo alimentar e variáveis socioeconômicas, demográficas, segurança alimentar e outras relacionadas ao modo e prática de aquisição de alimentos. Foi utilizado questionário de frequência alimentar para investigação do consumo, com divisão dos alimentos conforme o nível de processamento, com posterior análise através de escores. Avaliou-se a associação entre consumo alimentar e variáveis explicativas através dos testes “U” de Mann Whitney e Kruskal Wallis, com aplicação, neste último caso, do teste “U” de Mann Whitney a posteriori. Foram consideradas estatisticamente significantes associações com valor de p<0,05. Resultados: Foram entrevistados 1.066 adultos, cuja maioria possuía baixa escolaridade, baixa renda, com participação em programa de transferência de renda e em situação de insegurança alimentar. Essas variáveis mostraram associação com o consumo de determinados grupos alimentares. Também foram observadas diferenças no consumo conforme características como local de moradia, sexo, faixa etária, modo de aquisição de alimentos, local de compra e hábito de leitura do rótulo. Conclusões: Diante do contexto globalizado de estímulo aos industrializados, aspectos como gênero, condições econômicas, local de moradia, ambiente e práticas de compra de alimentos podem se mostrar como protetores para maior consumo de alimentos minimamente processados ou de risco para o consumo de ultraprocessados.


Palavras-chave


Consumo alimentar. Processamento de alimentos. Aquisição de alimentos. Alimentação.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Moreira SA. Alimentação e comensalidade: aspectos históricos e antropológicos. Cienc Cult 2010; 62(9):23–6. Available from: http://cienciaecultura.bvs.br/pdf/cic/v62n4/a09v62n4.pdf

Canesqui AM, Garcia RWD. Antropologia e Nutrição: um diálogo possível. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ; 2005. 306 p.

Guerra LD da S, Cervato-Mancuso AM, Bezerra ACD. Alimentação: um direito humano em disputa - focos temáticos para compreensão e atuação em segurança alimentar e nutricional. Cien Saude Colet 2019; 24(9):3369–94. https://doi.org/10.1590/1413-81232018249.20302017

Brasil. Guia alimentar para a população brasileira. 2 ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2014. 156 p.

Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura F, Organização Pan-Americana da Saúde O. América Latina e o Caribe - Panorama da Segurança Alimentar e Nutricional: Sistemas alimentares sustentáveis para acabar com a fome e a má nutrição. 2016. 42 p. Available from: http://www.fao.org/3/a-i6977o.pdf

Nestle M. Uma verdade indigesta: como a indústria alimentícia manipula a ciência do que comemos. São Paulo: Elefante; 2019. 368 p.

Jaime PC. Pandemia de COVID19: implicações para (in)segurança alimentar e nutricional. Cien Saude Colet 2020; 25(7):2504–2504. https://doi.org/10.1590/1413-81232020257.12852020

Ribeiro-Silva R de C, Santos MP, Campello T, Aragão É, Guimarães JM de M, Ferreira A, et al. Implicações da pandemia COVID-19 para a segurança alimentar e nutricional no Brasil. Rev Ciência Saúde Coletiva 2020; 1:1–20. https://doi.org/10.1590/1413-81232020259.22152020

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa de orçamentos familiares 2017-2018: análise da segurança alimentar no Brasil/ IBGE, Coordenação de Trabalho e Rendimento. - Rio de Janeiro : IBGE, 2020. 65 p.

Furlan-Viebig R, Pastor-Valero M. Desenvolvimento de um questionário de freqüência alimentar para o estudo de dieta e doenças não transmissíveis. Rev Saude Publica 2004; 38(4):581–4. https://doi.org/10.1590/S0034-89102004000400016

Moubarac J-C, Parra DC, Cannon G, Monteiro CA. Food Classification Systems Based on Food Processing: Significance and Implications for Policies and Actions: A Systematic Literature Review and Assessment. Curr Obes Rep 2014; 25;3(2):256–72. https://doi.org/10.1007/s13679-014-0092-0

Monteiro CA, Levy RB, Claro RM, Castro IRR de, Cannon G. A new classification of foods based on the extent and purpose of their processing. Cad Saude Publica 2010; 26(11):2039–49. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2010001100005

Brasil. Estudo Técnico N.°01/2014 Escala Brasileira de Insegurança Alimentar - EBIA: análise psicométrica de uma dimensão da Segurança Alimentar e Nutricional. Brasília: Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome; 2014. 1–15 p.

Valente FLS. Evolution on Food and Nutrition Governance and the Emergence of Multistakeholderism. Development 2018; 61(1–4):68–83. https://doi.org/10.1057/s41301-018-0198-x

Diaz-Méndez C, García-Espejo I. O potencial da sociologia da alimentação para estudar os efeitos da globalização alimentar. In: Cruz FT da, Matte A, Schneider S, editors. Produção, consumo e abastecimento de alimentos: desafios e novas estratégias. 1st ed. Porto Alegre: Editora da UFRGS; 2016. p. 25–51.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa de orçamentos familiares 2017-2018: análise do consumo alimentar pessoal no Brasil / IBGE, Coordenação de Trabalho e Rendimento. - Rio de Janeiro: IBGE, 2020. 120 p.

Criado EM. Las tallas grandes perjudican seriamente la salud. La frágil legitimidad de las prácticas de adelgazamiento entre las madres de clases populares. Rev Int Sociol 2010; 68(2):349–73. https://doi.org/10.3989/ris.2008.03.05

Canella DS, Louzada MLDC, Claro RM, Costa JC, Bandoni DH, Levy RB, et al. Consumption of vegetables and their relation with ultra-processed foods in Brazil. Rev Saude Publica 2018; 52:50. https://doi.org/10.11606/S1518-8787.2018052000111

Sperandio N, Rodrigues CT, Franceschini S do CC, Priore SE. Impacto do Programa Bolsa Família no consumo de alimentos: estudo comparativo das regiões Sudeste e Nordeste do Brasil. Cien Saude Colet 2017; 22(6):1771–80. https://doi.org/10.1590/1413-81232017226.25852016

Cotta RMM, Machado JC. Programa Bolsa Família e segurança alimentar e nutricional no Brasil: revisão crítica da literatura. Rev Panam Salud Pública 2013; 33(1):54–60. doi: 10.1590/s1020-49892013000100008.

Lignani J de B, Sichieri R, Burlandy L, Salles-Costa R. Changes in food consumption among the Programa Bolsa Família participant families in Brazil. Public Health Nutr 2011; 14(5):785–92. doi:10.1017/S136898001000279X

Martins APB, Levy RB, Claro RM, Moubarac JC, Monteiro CA. Participacao crescente de produtos ultraprocessados na dieta brasileira (1987-2009). Rev Saude Publica 2013; 47(4):656–65. https://doi.org/10.1590/S0034-8910.2013047004968

Ell E, Oliveira e Silva D, Nazareno ER de, Brandenburg A. Concepções de agricultores ecológicos do Paraná sobre alimentação saudável. Rev Saude Publica 2012; 46(2):218–25. https://doi.org/10.1590/S0034-89102012005000020

Batista LMG, Ribeiro SMR, Santos RHS, Araújo RMA, Ribeiro AQ, Priore SE, et al. Percepção de agricultores familiares do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) sobre o significado de fazer parte do PAA e a sua compreensão sobre conceitos relacionados à alimentação, nutrição e saúde. Saude e Soc. 2016; 25(2):494–504. https://doi.org/10.1590/S0104-12902016150258

Machado PP, Claro RM, Martins APB, Costa JC, Levy RB. Is food store type associated with the consumption of ultra-processed food and drink products in Brazil? Public Health Nutr. 2018;21(1):201–9. doi:10.1017/S1368980017001410

Bezerra IN, Moreira TMV, Cavalcante JB, Souza A de M, Sichieri R. Food consumed outside the home in Brazil according to places of purchase. Rev Saude Publica 2017; 51(suppl 1):200s-211s. https://doi.org/10.1590/S0034-89102013000700006

Lindemann IL, Silva MT da, César JG, Mendoza-Sassi RA. Leitura de rótulos alimentares entre usuários da atenção básica e fatores associados. Cad Saúde Coletiva 2016; 24(4):478–86. https://doi.org/10.1590/1414-462x201600040234

Machín L, Aschemann-Witzel J, Curutchet MR, Giménez A, Ares G. Does front-of-pack nutrition information improve consumer ability to make healthful choices? Performance of warnings and the traffic light system in a simulated shopping experiment. Appetite 2018; 121:55–62. https://doi.org/10.1016/j.appet.2017.10.037

Mendonça R de D, Lopes MS, Freitas PP, Campos SF, Menezes MC de, Lopes ACS. Monotony in the consumption of fruits and vegetables and food environment characteristics. Rev. saúde pública. 2019; 53:63. https://doi.org/10.11606/S1518-8787.2019053000705.

Costa BVL, Freitas PP, Menezes MC, Guimarães LMF, Ferreira LF, Alves MSC et al. Ambiente alimentar: validação de método de mensuração e caracterização em território com o Programa Academia da Saúde. Cad. Saúde Pública. 2018; 34(9): e00168817. https://doi.org/10.1590/0102-311x00168817




DOI: https://doi.org/10.12957/demetra.2021.63180

e-ISSN: 2238-913X


Esta revista está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.