Qualidade da dieta de idosas não institucionalizadas de uma capital do sul do Brasil: baixo consumo de gorduras saturadas, sódio, cereais integrais e de gorduras cardio-protetoras

Luciana Peixoto Franco, Sandra Patricia Crispim, Maria Eliana Madalozzo Schieferdecker

Resumo


Introdução: A população idosa é suscetível às alterações no estado nutricional devido aos fatores relacionados às modificações socioeconômicas e fisiológicas; porém, estudos que avaliaram a situação alimentar atual de idosos no Brasil ainda são escassos. Objetivo: Avaliar a qualidade da dieta de idosas não institucionalizadas de uma capital do sul do Brasil. Métodos: Trata-se de um estudo de caráter transversal, com 174 idosas selecionadas por conveniência. A avaliação do consumo alimentar foi realizada por meio de registro alimentar de três dias. Avaliou-se a qualidade da dieta por meio do Índice de Qualidade da Dieta – Revisado (IQD-R) adaptado para a população brasileira. Resultados: Verificou-se que 56,9% (n=99), 40,8% (n=71) e 2,3% (n=4) das participantes apresentaram dieta que “necessita de modificação”, dieta “saudável”, e dieta “inadequada”, respectivamente. A pontuação média obtida por meio do IQD-R foi de 62,5 (± 9,6), com mínimo de 30,2 pontos e máximo de 84,9 pontos. Na análise do consumo dos grupos alimentares, constatou-se baixa pontuação de gordura saturada (9,96±0,50), mono e poli-insaturada (1,08±2,21), cereais integrais (1,7±1,54), sódio (7,31±2,27), e maior pontuação para o grupo de cereais totais (4,61±0,54). Conclusão: A maioria das idosas avaliadas necessitam de melhoria na qualidade da dieta, com ênfase no consumo de cereais integrais e gorduras mono e poli-insaturadas, porém com ingestão adequada de gordura saturada e sódio.


Palavras-chave


Envelhecimento. Saúde do idoso. Consumo de Alimentos. Nutrição do idoso.

Texto completo:

PDF PDF (English)


DOI: https://doi.org/10.12957/demetra.2021.50419

e-ISSN: 2238-913X


Esta revista está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.