AVALIAÇÃO QUANTITATIVA DOS COPOS DESCARTÁVEIS E RESTOS ALIMENTARES GERADOS PELOS USUÁRIOS DE UM RESTAURANTE UNIVERSITÁRIO NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Clara Lira Araujo, Fernanda Marinho Pires, Maristela Soares Lourenço, Lúcia Rosa Carvalho

Resumo


O estudo teve como objetivo quantificar os resíduos sólidos gerados pelos usuários de um restaurante universitário no Estado do Rio de Janeiro. Foi realizada a pesagem dos restos alimentares dos pratos e avaliado o consumo (em unidades) dos copos descartáveis no período de janeiro a junho de 2016. Na metade do estudo, fez-se uma sensibilização, com material educativo, sobre sustentabilidade com os usuários, visando reduzir a geração desses resíduos sólidos. Aplicou-se um questionário semiestruturado para identificar os motivos da geração dos restos alimentares descartados. Verificou-se a utilização de 52.896 unidades de copos descartáveis no mês de janeiro e foram geradas 20,8 toneladas de restos alimentares dos pratos em seis meses. Após a etapa de sensibilização, observou-se redução de 34,9% dos restos alimentares e o fornecimento de copos descartáveis foi interrompido. A maioria dos entrevistados respondeu que “às vezes” (51,1%) deixa alimento no prato e 55,3% destacaram que o principal motivo para este ato foi por não ter gostado de alguma preparação alimentar do cardápio. Alguns fatores podem contribuir para a rejeição das preparações servidas, como o fornecimento de refeições de pouca qualidade, que causam baixa aceitação dos usuários. A sensibilização e a educação ambiental podem alterar de forma positiva o consumo de alimentos, evitando, assim, seu desperdício. Concluiu-se que os dados obtidos podem ser utilizados para a tomada de decisão dos gestores para os ajustes do planejamento, o modo de preparo dos alimentos e o gerenciamento adequado dos resíduos sólidos.

DOI: 10.12957/demetra.2018.31306

 


Palavras-chave


Resíduos Sólidos. Alimentação Coletiva. Desperdício de Alimentos. Gestão de Resíduos. Serviços de Alimentação.



DOI: https://doi.org/10.12957/demetra.2018.31306