DA MEDALHA AO PÓDIO DA VIDA: A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE E REPRESENTATIVIDADE DA MULHER NEGRA NO ESPORTE

Autores

DOI:

https://doi.org/10.12957/riae.2024.73817

Palavras-chave:

Mulher Negra, Identidade Negra, Lei 10.639, Prática Pedagógica.

Resumo

A representatividade da mulher negra, na sociedade brasileira, reverbera o (re)conhecimento do seu “eu” para além dos estereótipos impostos, expressos pelo processo de constituição da identidade negra, estabelecida por meios dos constructos sociais tecidos pelas lutas, conquistas e movimentos coletivos estabelecidos pela valoração da igualdade das relações sociais étnico raciais.  No entrelace das relações étnico-raciais e o papel da mulher negra nessa sociedade, objetivou-se analisar as possibilidades de práticas pedagógicas antirracistas, por meio de produções cinematográficas as quais viabilizam situações para o (re)pensar da formação humana. Adotou-se como fonte primária o filme “King Richard: Criando Campeãs” com foco no trato pedagógico para implementação da Lei n. 10.639/2003 na educação básica em relação à representatividade da mulher negra no esporte. Amparada nos pressupostos metodológicos da pesquisa qualitativa, com base na análise de conteúdo, foram elegidas as categorias hegemonia e contradição, elencadas a partir de suas relações com as subcategorias “identidade negra”, “mulher negra no esporte” e “reconhecimento social da mulher negra”. A fotografia apresentada no filme, indicam narrativas que possibilitam, por meio de debates reflexivos, o repensar da formação humana, caminhos didático-pedagógicos para a reconstrução dos imaginários sociais, saberes e conhecimentos antirracistas e valorização da mulher negra no ambiente esportivo e fora dele. 

Biografia do Autor

Catarina Messias Alves, Universidade Estadual de Maringá

Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Estadual de Maringá (PPE/UEM). Graduada em Educação Física pela Universidade Estadual de Maringá - Habilitação Licenciatura. Integra o Grupo de Estudos e Pesquisa em Educação, Educação Física e Políticas Educacionais (GEEFE). Desenvolve pesquisas na área das relações étnico raciais dialogando com a educação física, educação e formação.

Vania de Fátima Matias de Souza, Universidade Estadual de Maringá

Graduada em Pedagogia pela Faculdade Estadual de Educação Ciências e Letras de Paranavaí (2000). Graduada em Educação Física pela Universidade Estadual de Londrina (2000). Mestre em Educação Física pelo Programa de Pós-Graduação Associado em Educação Física da Universidade Estadual de Maringá e Universidade Estadual de Londrina (2009). Doutora em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Estadual de Maringá (2014). Professora Adjunta do Departamento de Educação Física da Universidade Estadual de Maringá. Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Estadual de Maringá. Professora do Mestrado Profissional em Educação Física associado entre Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho e Universidade Estadual de Maringá. Chefe da Divisão de Estágios da Universidade Estadual de Maringá (ETG/DEG/PEN) de 2020-abril/2021. Assessora da Diretoria de Ensino da Universidade Estadual de Maringá no período de 2021 a 2022. Orientadora do Programa Residência Pedagógica - Subprojeto Educação Física da Universidade Estadual de Maringá (2018-2022). Coordenadora Institucional do Programa Residência Pedagógica (2022-2024). Líder do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação, Educação Física e Políticas Educacionais (GEEFE/CNPq). Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação Física Escolar, atuando principalmente nos seguintes temas: formação inicial, estágio, identidade profissional, trabalho docente, formação profissional e políticas públicas.

 

Referências

ALMEIDA, Silva. Racismo estrutural. São Paulo: Pólen Produção Editorial LTDA, 2019.

AUTOR 1. Da hegemonia aos estereótipos do ser professor: os enlaces do preconceito no cotidiano formativo. Research, Society and Development, v. 11, n. 3, p. e35311326567-e35311326567, 2022. Disponível em: <https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/26567>. Acesso em: 15 fev. 2023.

BRASIL. Resolução CNE/CP n. 02/2015 de 1º de julho de 2015. Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior. 2015.

BRASIL. Resolução CNE/CES n° 6 de 18 de dezembro de 2018. Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Graduação em Educação Física. 2018.

BRASIL. Resolução CNE/CP nº 2 de 20 de dezembro de 2019. Diário Oficial da União, v. 1, p. 87 a 90-87 a 90, 2019.

BRASIL. Presidência da República. Lei 10.639 de 9 janeiro de 2003. Altera a Lei 9.394 de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira” e dá outras providências.

BRASIL, MEC. Base nacional comum curricular. Brasília-DF: MEC, Secretaria de Educação

Básica, 2017.

CARNEIRO, Sueli. Enegrecer o feminismo: a situação da mulher negra na América Latina a partir de uma perspectiva de gênero. Racismos contemporâneos. Rio de Janeiro: Takano Editora, v. 49, p. 49-58, 2003. Disponível em: <https://www.patriciamagno.com.br/wp-content/uploads/2021/04/CARNEIRO-2013-Enegrecer-o-feminismo.pdf>. Acesso em: 15 fev. 2023.

CARNEIRO, Sueli. Escritos de uma vida. Pólen Produção Editorial LTDA, 2019.

COSTA, Luciana Miranda; SOUSA, Raissa Lennon Nascimento. O outro do outro: Serena Williams e a construção da imagem da mulher negra na mídia. Aturá-Revista Pan-Amazônica de Comunicação, v. 3, n. 1, p. 87-102, 2019. Disponível em: <https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/atura/article/view/6660>. Acesso em: 20 fev. 2023.

COUTO, Mia. Venenos de Deus, remédios do diabo. Editora Companhia das Letras, 2008.

AUTOR 2. Notandum, n. 54, p. 1-17, 2020. Disponível em: <https://periodicos.uem.br/ojs/index.php/notandum/article/view/52799>. Acesso em: 20 fev. 2023.

EDMONDSON, Jacqueline. Venus and Serena Williams: A Biography. Greenwood Publishing Group, 2005.

FELIPE, Delton Aparecido. Brasil–África: a formação docente para o ensino de história e cultura afro-brasileira e africana como estratégia de uma educação antirracista. Revista eletrônica de educação, v. 14, p. e3372087-e3372087, 2020. Disponível em: <https://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/3372>. Acesso em: 15 fev. 2023.

GOMES, Nilma Lino. Educação e identidade negra. Aletria: revista de estudos de literatura, v. 9, p. 38-47, 2002. Disponível em: <https://periodicos.ufmg.br/index.php/aletria/article/view/17912>. Acesso em: 21 fev. 2023.

KHAN, Farieda. Anyone for Tennis? Conversations with black women involved in tennis during the apartheid era. Agenda, v. 24, n. 85, p. 76-84, 2010. Disponível em: <https://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/10130950.2010.9676325>. Acesso em: 21 fev. 2023.

KING RICHARD: CRIANDO CAMPÃES. Direção: Reinaldo Marcus Green. Produção Tim White; Trevor White; Will Smith. Estados Unidos: Warner Bros Pictures, 2021. 1 HBO MAX. (145 min).

PACHECO, Ana Cláudia Lemos. Mulher negra: afetividade e solidão. Edufba, 2013.

RICHARDSON, Roberto Jarry et al. Pesquisa social: métodos e técnicas. São Paulo: atlas, 1985.

TROYNA, Barry; CARRINGTON, Bruce. Education, racism and reform. Routledge, 2012.

Downloads

Publicado

09-01-2024

Como Citar

ALVES, Catarina Messias; MATIAS DE SOUZA, Vania de Fátima. DA MEDALHA AO PÓDIO DA VIDA: A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE E REPRESENTATIVIDADE DA MULHER NEGRA NO ESPORTE. Revista Interinstitucional Artes de Educar, [S. l.], v. 10, n. 1, p. 212–227, 2024. DOI: 10.12957/riae.2024.73817. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/riae/article/view/73817. Acesso em: 20 jul. 2024.

Edição

Seção

DOSSIÊ - 20 ANOS DA LEI 10.639: CONVERSAS CURRICULARES ENTRE SABERES, PRÁTICAS E POLÍTICAS ANTIRRACISTAS