CRIANÇAS NEGRAS COM DEFICIÊNCIA: (RE)COLOCANDO QUESTÕES A PARTIR DAS INTERSECCIONALIDADES

Autores

DOI:

https://doi.org/10.12957/riae.2023.73796

Palavras-chave:

crianças, infâncias, interseccionalidades.

Resumo

A relação desigual existente em nosso país entre pessoas negras e não negras afeta adultos e crianças, inclusive as com deficiência. Por esse motivo, é preciso romper com perspectivas homogeneizadoras de “infância” e de “criança” enquanto categorias universais, compreendendo-as em sua historicidade e em seus diferentes contextos sociais. Assim, o presente artigo objetiva (re)colocar a questão do ensino da história e cultura afro-brasileira, especificamente no que se refere à escolarização das crianças negras com deficiência, tensionando o debate que já vem ocorrendo e ampliar as questões colocadas, a partir dos Estudos da Infância, da Deficiência e do Feminismo Negro. Desse modo, compreende-se a urgente necessidade de inclusão da interseccionalidade nas discussões e políticas relacionadas às infâncias, à inclusão escolar e às relações étnico-raciais. É fundamental questionar o silenciamento de vozes de crianças negras com deficiência nas produções acadêmicas, bem como problematizar as condições de violência em que muitas delas estão submetidas. Assim, será possibilitada a ampliação do alcance da Lei nº 10.639, para além da inclusão de conteúdos programáticos em disciplinas específicas e da promoção de comemorações alusivas.

Biografia do Autor

Saimonton Tinôco, Universidade Federal da Paraíba

Curioso por conhecer as questões do desenvolvimento e da aprendizagem nos humanos, começou ensinando às crianças e há algum tempo se dedica à formação docente na Universidade Federal da Paraíba (UFPB), Campus II - Areia. Entende que a Ciência, sozinha, não dá conta de respostas, por isso tem se aproximado da Arte e da Filosofia enquanto campos de estudo que dialogam com a Educação. É graduado em Pedagogia (UFRN) e tem doutorado em Educação Especial (UFSCar). 

Fernanda Cristina de Souza, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia

Professora do Curso de Pedagogia do Centro de Formação de Professores da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (CFP/UFRB). Mestre e Doutora em Educação pela Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (FEUSP), na linha de pesquisa "Educação Especial". Possui pesquisas inscritas na área da educação, com ênfase na educação infantil, infância e educação especial. Tem especialização em Educação Especial e graduação em Pedagogia. Atuou como orientadora pedagógica em centros de educação infantil na prefeitura municipal de Sorocaba (SP) e como professora e coordenadora do curso de Pedagogia do Instituto Federal de São Paulo (IFSP) - câmpus Presidente Epitácio.

Referências

ADICHIE, Chimamanda Ngozi. O perigo de uma história única. Trad. Julia Romeu. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

ALMEIDA, Silvio. Racismo estrutural. Pólen Produção Editorial LTDA: São Paulo, 2020.

AUTO 1.

BENTO, Cida. O pacto da branquitude. São Paulo: Companhia das Letras, 2022.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Básica. Resolução n° 5, de 17 de dezembro de 2009b. Fixa as diretrizes curriculares nacionais para a educação infantil. Disponível em: <http://www.seduc.ro.gov.br/portal/legislacao/RESCNE005_2009.pdf>. Acesso em: 15 mai. 2021.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CP nº 1, de 27 de outubro de 2020 - Dispõe sobre as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Continuada de Professores da Educação Básica e institui a Base Nacional Comum para a Formação Continuada de Professores da Educação Básica (BNC-Formação Continuada). Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=164841-rcp001-20&category_slug=outubro-2020-pdf&Itemid=30192. Acessado em: 28 fev. 2023.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CP nº 2, de 20 de dezembro de 2019 - Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial de Professores para a Educação Básica e institui a Base Nacional Comum para a Formação Inicial de Professores da Educação Básica (BNC-Formação). Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=135951-rcp002-19&category_slug=dezembro-2019-pdf&Itemid=30192. Acessado em: 23 fev. 2023.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm. Acessado em: 20 fev. 2023.

BRASIL. Decreto 10.502, de 30 de setembro de 2020. Institui a Política Nacional de Educação Especial: equitativa, inclusiva e com aprendizado ao longo da vida. Diário Oficial da União, Brasília, DF. Edição 189, p. 6, out. 2020.

BRASIL. Decreto n° 6.949, de 25 de agosto de 2009. Promulga a Convenção sobre os Direitos das pessoas com deficiência e seu protocolo facultativo, assinados em Nova York, em 30/03/2007. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 26 ago. 2009a, p. 3. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/decreto/d6949.htm>. Acesso em: 15 mai. 2021.

BRASIL. Lei 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 16 jul. 1990.

BRASIL. Lei n. 11.645/2008, de 10 de março de 2008. Altera a lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996, modificada pela lei n. 10.639, de 9 de janeiro de 2003, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena”. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 11 mar. 2008.

BRASIL. Lei nº 10.639, de 9 de janeiro de 2003. Altera a lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-brasileira”, e dá outras providências. Disponível em: Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/l10.639.htm. Acessado em: 20 fev. 2023.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular: educação é a base. Brasília: MEC, 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília: MEC, 2008.

BRASIL. Resolução CNE/CP n. 2, de 20 de dezembro de 2019. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial de Professores para a Educação Básica e institui a Base Nacional Comum para a Formação Inicial de Professores da Educação Básica (BNC-Formação), 2019b. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=135951-rcp002-19&category_slug=dezembro-2019-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 20 fev. 2023.

BRASIL. Resolução No 2, de 22 de dezembro de 2017. Institui e orienta a implantação da Base Nacional Comum Curricular, a ser respeitada obrigatoriamente ao longo das etapas e respectivas modalidades no âmbito da Educação Básica. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, n. 245, p. 41-44, 22 dez. 2017.

CRENSHAW, K. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero, Estudos feministas, Florianopólis, v. 10, n. 1, p.171-189, 2002. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ref/v10n1/11636.pdf. Acessado em: 20 fev. 2023.

FIOCRUZ. Projeto “Nascer no Brasil”. Escola Nacional de Saúde Pública. Ensp/Fiocruz. 2017. Disponível em: https://nascernobrasil.ensp.fiocruz.br. Acessado em: 22 fev. 2023.

G1 BAHIA. Criança de 7 anos é morta a tiros no bairro do Curuzu, em Salvador; família alega tiroteio da polícia. Globo Notícias, 2020. Disponível em: https://g1.globo.com/ba/bahia/noticia/2020/11/08/crianca-e-morta-a-tiros-em-salvador.ghtml. Acessado em: 21 fev. 2023.

G1. Caso Miguel: a queda de menino do 9º andar que levou à condenação da patroa da mãe dele por abandono de incapaz. Globo Notícias, 2020. Disponível em: https://g1.globo.com/pe/pernambuco/noticia/2022/06/01/caso-miguel-a-queda-de-menino-do-9o-andar-que-levou-a-condenacao-da-patroa-da-mae-dele-por-por-abandono-de-incapaz.ghtml. Acessado em: 20 fev. 2023.

IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Censo demográfico do Brasil: 2010. Rio de Janeiro: IBGE, 2013. Disponível em: https://ftp.ibge.gov.br/Censos/Censo_Demografico_2010/metodologia/metodologia_censo_dem_2010.pdf. Acessado em: 21 fev. 2023.

IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Pessoas com Deficiência e as Desigualdades Sociais no Brasil. 2019. Rio de Janeiro: IBGE, 2019. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/populacao/34889-pessoas-com-deficiencia-e-as-desigualdades-sociais-no-brasil.html?=&t=sobre. Acessado em: 29 fev. 2023.

IPEA. INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA; FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA (Org.). Atlas da violência 2020. Brasília; Rio de Janeiro; São Paulo: IPEA; FBSP, 2020. Disponível em: https://www.ipea.gov.br/atlasviolencia/download/24/atlas-da-violencia-2020. Acessado em: 28 fev. 2023.

JOHN-BAPTISTE, Ashley. Educação: as centenas de crianças negras britânicas enviadas a escolas para pessoas com deficiência nos anos 60 e 70. BBC NEWS BRASIL, 2021. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/geral-57472104. Acessado em 21 fev. 2023.

LEAL, Maria do Carmo; GAMA, Silvana G. Nogueira; PEREIRA, Ana P. Esteves; PACHECO, Vanessa Eufrauzino; CARMO, Cleber Nascimento; SANTOS, Ricardo Ventura. A cor da dor: iniquidades raciais na atenção pré-natal e ao parto no Brasil. Cad. Saúde Pública, 33, 2017 • https://doi.org/10.1590/0102-311X00078816.

MAZZOTTA, Marcos José da Silveira. Educação especial no Brasil: história e políticas públicas. São Paulo: Cortez, 1996.

MIRANDA, Mattheus. Na BA, criança de 7 anos é morta durante tiroteio; família acusa policiais. UOL, 2020. Disponível em: https://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2020/11/09/crianca-de-sete-anos-e-morta-durante-troca-de-tiros-em-salvador. Acessado em: 20 fev. 2023.

PESSOTTI, Isaias. Deficiência mental: da superstição à ciência. São Paulo: EDUSP, 1984.

QVORTRUP, Jens. Nove teses sobre a “infância como fenómeno social”. Pró-posições, Campinas, v. 22, n. 1, p. 199-211, jan./abr. 2011.

ROSEMBERG, Fulvia. Educação infantil, classe, raça e gênero. Caderno de Pesquisa, n. 96, p. 58, fev. 1996.

UNICEF. O impacto do racismo na infância. Campanha “Uma infância sem Racismo”. 2020. Disponível em: https://www.unicef.org/brazil/media/1731/file/O_impacto_do_racismo_na_infancia.pdf. Acessado em: 23 fev. 2023.

Downloads

Publicado

20-11-2023

Como Citar

TINÔCO, Saimonton; SOUZA, Fernanda Cristina de. CRIANÇAS NEGRAS COM DEFICIÊNCIA: (RE)COLOCANDO QUESTÕES A PARTIR DAS INTERSECCIONALIDADES. Revista Interinstitucional Artes de Educar, [S. l.], v. 9, n. 2, p. 435–451, 2023. DOI: 10.12957/riae.2023.73796. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/riae/article/view/73796. Acesso em: 12 jul. 2024.

Edição

Seção

DOSSIÊ - 20 ANOS DA LEI 10.639: CONVERSAS CURRICULARES ENTRE SABERES, PRÁTICAS E POLÍTICAS ANTIRRACISTAS