REFLEXÕES ACERCA DA LEI 10.639/03: ENTRE O SUJEITO E A EDUCAÇÃO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.12957/riae.2023.71487

Palavras-chave:

Educação negra brasileira, Lei 10.639/03, Práticas pedagógicas antirracista.

Resumo

O presente artigo tem como objetivo debater os desdobramentos acerca da lei 10.639/03 nas escolas ponderando a educação da população negra brasileira no século XX, a complexidade da noção de sujeito e a promoção de produções pedagógicas na área da história e cultura afro-brasileira e africana a fim de promover e expor novas possibilidades na luta antirracista. Então a construção deste artigo orientasse por uma reflexão filosófica que abrange temas como filosofia, educação e comunicação como ponto de partida para debater as produções africanas e afrodiaspóricas. A motivação para a construção do artigo surge a partir das reflexões acerca da lei 10.639/03 que vem sendo desenvolvido ao longo dos 20 anos desde sua implementação nas redes básicas de ensino no Brasil. Ao longo do debate o artigo estará dividido em quatro tópicos: 1) A educação da população negra brasileira no século XX: epistemologia hegemônica; 2) Complexidade entre sujeito e objeto: população negra brasileira; 3) A lei 10.639/03 no campo legislativo-jurídico e educacional: breves desdobramentos filosóficos; 4) Produções pedagógicas com respaldo da lei 10.639/03: possibilidades ressignificativas. Considero que proporcionar numerosas interpretações na área das questões étnico-raciais, contundentes com reflexões continuamente, mostra-se de suma importância para ampliação das epistemologias da população negra brasileira, de encontro com a luta antirracista.

Referências

BRASIL. Presidência da República. Lei nº 10.639, de 9 de janeiro de 2003. Altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira”, e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/l10.639.htm. Acesso em: 11 de nov. de 2022.

GONÇALVES, Maria Alice Rezende. O potencial educativo dos Museus Afrodigitais: instrumentalizando a construção de identidades e etnicidades. CASTRO, Maurício Barros de; SANTOS, Myrian Sepúlveda dos (Orgs.). Relações raciais e políticas de patrimônio. Rio de Janeiro: Beco do Azougue, 2016. p. 203-224.

GONÇALVES, Maria Alice Rezende; PEREIRA, Vinicius Oliveira (Orgs.). Propostas pedagógicas para o ensino de história e cultura africana e afro-brasileira. Rio de Janeiro: Outras Letras, 2015.

GONÇALVES, Mara Alice Rezende; RIBEIRO, Ana Paula Alves (Orgs.). Diversidade e sistema de ensino brasileiro. Rio de Janeiro: Outras Letras, 2014a.

_____. História e a cultura africana e afro-brasileira na escola. Rio de Janeiro: Outras Letras, 2014b.

GONÇALVES, Maria Alice Rezende; RIBEIRO, Ana Paula Alves. A questão Étnico-racial e o sistema de ensino brasileiro. GONÇALVES, Maria Alice Rezende; RIBEIRO, Ana Paula Alves (Orgs.) História e a cultura africana e afro-brasileira na escola. Rio de Janeiro: Outras Letras, 2014. p. 10 – 23.

JESUS, Fernando Santos de. O negro no livro paradidático. Rio de Janeiro: Gramma, 2017.

LIMA, Ivan Costa. História da educação do negro(a) no Brasil: pedagogia interétnica de Salvador. Curitiba: Appris, 2017.

MOORE, Carlos. Racismo & Sociedade: novas bases epistemológicas para entender o racismo. 2. Ed. Belo Horizonte: Nandyala, 2012.

NASCIMENTO, Abdias. O genocídio do negro brasileiro: processo de um racismo mascarado. 1 ed. São Paulo: Perspectivas, 2016.

NOGUERA, Renato. O ensino de filosofia e a lei 10.639. Rio de Janeiro: Pallas; Biblioteca Nacional, 2014.

PETIT, Sandra Haydée. Pretagogia: Pertencimento, Corpo-dança afroancestral e tradição oral africana na formação de professoras e professores, contribuições do legado africano para a implantação da lei n° 10.639/03. FORTALEZA: EdUECE, 2015.

SANTOS, Gislene Aparecida dos. A invenção do ser negro: um percurso das idéias que naturalizaram a inferioridade dos negros. São Paulo: Educ/Fapesp; Rio de Janeiro: Pallas, 2002.

SANTOS JÚNIOR, Marcos Borges dos; CORREA, Marco Aurelio da Conceição. Exu é sinônimo de ensino-aprendizagem: uma análise antropoeducacional. Revista Café com Sociologia, v.9, n. 1, p. 155-173, 2020. Disponível em: https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/1157/pdf. Acesso em: 11 de nov. de 2022.

_____. A ancestralidade oral: epistemologias africanas para uma educação antirracista. Revista África e africanidades, v. Xi, p. 1-18, 2018. Disponível em: http://africaeafricanidades.com.br/documentos/0090072018.pdf. Acesso em: 11 de nov. de 2022.

SODRÉ, Muniz. Claros e escuros: identidade, povo, mídia e cotas no Brasil. 3. Ed. Rio de Janeiro: Vozes, 2015.

_____. A ciência do comum: notas para o método comunicacional. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

_____. Reinventando a educação: diversidade, descolonização e redes. 2. Ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

_____. Reinventando a cultura: a comunicação e seus produtos. Petrópolis, RJ: Vozes, 1996.

Downloads

Publicado

20-11-2023

Como Citar

SANTOS JÚNIOR, Marcos Borges dos. REFLEXÕES ACERCA DA LEI 10.639/03: ENTRE O SUJEITO E A EDUCAÇÃO. Revista Interinstitucional Artes de Educar, [S. l.], v. 9, n. 2, p. 348–363, 2023. DOI: 10.12957/riae.2023.71487. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/riae/article/view/71487. Acesso em: 13 jul. 2024.

Edição

Seção

DOSSIÊ - 20 ANOS DA LEI 10.639: CONVERSAS CURRICULARES ENTRE SABERES, PRÁTICAS E POLÍTICAS ANTIRRACISTAS