ATUAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE APOIO ESCOLAR JUNTO AOS ESTUDANTES COM DEFICIÊNCIA DURANTE A PANDEMIA DA COVID-19

Autores

DOI:

https://doi.org/10.12957/riae.2022.69871

Palavras-chave:

Educação Inclusiva, Profissional de apoio, Cuidadores, Pandemia.

Resumo

Esta pesquisa tem como objetivo conhecer a atuação dos profissionais de apoio junto aos estudantes com deficiência da Educação Básica durante o período de isolamento social imposto pela pandemia do COVID-19, na opinião desses profissionais. Relacionando teoricamente aos aspectos educacionais e do desenvolvimento humano abordados na Psicologia Histórico-Cultural, de acordo com Vygotsky (1997), outros autores da mesma perspectiva e sob os ditames da Lei Brasileira de Inclusão nº13.146/15, e em especial no período de distanciamento social que a pandemia do Covid-19 impôs à toda sociedade.  Particularmente, em relação às escolas, sejam públicas ou privadas, os prejuízos aos estudantes têm sido reportados em várias dimensões. Este estudo consiste numa pesquisa descritiva, quanti e qualitativa desenvolvida por meio da aplicação de um questionário virtual voltado aos Profissionais de apoio/Cuidadores escolares. Participaram 62 Profissionais de apoio que atuavam em escolas da Educação Básica em todo o território nacional. Nos resultados e discussão deste estudo apresenta-se primeiramente, o perfil dos profissionais de apoio e na sequência as categorias temáticas: Atuação antes da pandemia, Durante o período de isolamento físico e Planejamento profissional para a volta às aulas. Conclui-se que poucos cuidadores permaneceram em contato com o estudante que atendiam e suas famílias no período pandêmico. Fato que pode ter ocasionado restrições às orientações e informações referentes aos cuidados com a higiene do estudante e sua família, podendo ocasionar reflexos na saúde, que poderia ter sido realizada de forma remota pelo cuidador após receber formação adequada, disponibilizada pelas redes de ensino, sobre a temática.

Biografia do Autor

Fernanda Matrigani Mercado Gutierres de Queiroz, Universidade Federal da Bahia - Faculdade de Educação

Doutorado em Psicologia Escolar e do desenvolvimento Humano pela USP. Mestrado em Educação pela UNESP, Campus de Marília. Profª Adjunta da Faculdade de Educação da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Area de Educação Especial de Tecnologia Assistiva.

Andréa Carvalho Ramos, Professora Titular da rede municipal de ensino de São Paulo.

Pedagoga, Especialista em Educação Especial Inclusiva em Surdocegueira e Deficiências Múltiplas Sensoriais pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e Psicopedagogia Clínica e Institucional pelo Centro Universitário Sant’Anna. Transcritora, ledora, audiodescritora e guia intérprete de deficientes visuais e surdocegos. Professora Titular da rede municipal de ensino de São Paulo.

Márcia Helena da Silva Melo, Professora Associada do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo (USP).

Professora Associada do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo (USP). Atua no campo da Prevenção cujos trabalhos discutem o ciclo de pesquisa em prevenção na temática da violência escolar, envolvendo professores da rede pública, família e equipamentos de atenção primária à saúde. Consultora de órgãos governamentais para avaliação de programas preventivos.

Referências

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Trad: L. de A. Rego & A. Pinheiro. Lisboa: Edições 70, 2011 (Obra original publicada em 1977).

BEZERRA, Giovani Ferreira. A Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva: A problemática do Profissional de Apoio à Inclusão Escolar como um de seus Efeitos. Rev. Brasileira de Educação Especial. Bauru, v.26, n.4, p.673-688, Out.-Dez., 2020. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-65382020000400673&tlng=pt. Acesso em 22 jan. 2001.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação Câmara de

Educação Básica. Resolução n.º 4, de 2 de outubro de 2009. Institui Diretrizes

Operacionais para o Atendimento Educacional Especializado na Educação Básica,

modalidade Educação Especial. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, p. 17,

out. 2009.

BRASIL. Nota Técnica nº 19/2010. Ministério da Educação. Brasília. 2010. Disponível em: https://lepedi-ufrrj.com.br/wp-content/uploads/2020/09/Nota-t%C3%A9cnica-n%C2%BA.-19-Profissionais-de-apoio.pdf Acesso em: 30 mar 2022.

BRASIL. Decreto nº7.611/2011, Promulgado pela Presidência da República, Dispõe sobre a educação especial, o atendimento educacional especializado e dá outras providências, Brasília, DF, 2011.

BRASIL. Presidência da República. Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015. Brasília, DF, 2015.

BRASIL. Ministério da Educação. Portaria N° 343, de 17 de março de 2020. Brasília, DF, 2020. https://www.in.gov.br/en/web/dou/-/portaria-n-343-de-17-de-marco-de-2020-248564376

BRASIL. Ministério da Educação. Orientações Educacionais para a Realização de Aulas e Atividades Pedagógicas Presenciais e Não Presenciais no contexto da Pandemia. Brasília, DF, 2020. http://portal.mec.gov.br/docman/julho-2020-pdf/148391-pcp011-20/file

BRASIL. Ministério da Educação. Reexame do Item 8 (orientações para o atendimento ao público da educação especial) do Parecer CNE/CP nº 11/2020, que trata de Orientações Educacionais para a Realização de Aulas e Atividades Pedagógicas Presenciais e Não Presenciais no contexto da Pandemia. Brasília, DF, 2020. http://portal.mec.gov.br/docman/setembro-2020-pdf/157681-texto-referencia-educacao-especial-revisao/file

BRASIL. Fundação Oswaldo Cruz. Impactos Sociais, Econômicos, Culturais e Políticos da Pandemia. Brasil, 2020. https://portal.fiocruz.br/impactos-sociaiseconomicos-culturais-e-politicos-dapandemia#:~:text=A%20pandemia%20de%20Covid%2D19,na%20história%20recene%20das%20epidemias

DRAGO, SILVANA LUCENA DOS SANTOS; OLIVEIRA, Anna. Augusta. Sampaio de. (2018). Auxiliar de vida escolar: análise do Projeto Rede do município de São Paulo. In: OLIVEIRA, Anna. Augusta. Sampaio de; PAIXÃO, Kátia de Moura Graça; PAPIM, Ângelo Antonio Puzipe (Org.). Educação Especial e inclusiva: contornos contemporâneos em educação e saúde. Curitiba. CRV, 2018, p. 111-135.

LOPES, Mariana Moraes. (2018). Perfil e atuação dos profissionais de apoio à inclusão escolar. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal de São Carlos. Campus São Carlos. Disponível em: https://repositorio.ufscar.br/handle/ufscar/9899. Acesso em: 22 jan. 2021.

GOMES, Claudia; BARBOSA, Altemir José Gonçalves. Inclusão escolar do portador de paralisia cerebral: atitudes de professores do ensino fundamental. Revista Brasileira de Educação Especial, Marília, v.12 n.1, jan./abr. 2006. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-65382006000100007&lng=pt&tlng=pt. Acesso em: 1 dez. 2020

MARTINS, Silvia Maria. O profissional de apoio na rede regular de ensino: a precarização do trabalho com os alunos da Educação Especial. (Dissertação de Mestrado).Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Educação, 2011

MENDES, Enicéia Gonçalves. A radicalização do debate sobre inclusão escolar no Brasil. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v.11 n.33, set./dez. 2006. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-24782006000300002. Acesso em: 1 dez. 2020.

AUTOR.

STAINBACK, Susan.; STAINBACK, Willian. Inclusão: um guia para educadores. Tradução Magda França Lopes. Porto Alegre: Artmed, 1999.

VYGOTSKI, Lev Semionovitch. Fundamentos da defectologia. Madrid: Visor, Obras Escogidas, v. 5. 1997.

Downloads

Publicado

07-12-2022

Como Citar

QUEIROZ, Fernanda Matrigani Mercado Gutierres de; RAMOS, Andréa Carvalho; MELO, Márcia Helena da Silva. ATUAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE APOIO ESCOLAR JUNTO AOS ESTUDANTES COM DEFICIÊNCIA DURANTE A PANDEMIA DA COVID-19. Revista Interinstitucional Artes de Educar, [S. l.], v. 8, n. 3, p. 723–741, 2022. DOI: 10.12957/riae.2022.69871. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/riae/article/view/69871. Acesso em: 13 jun. 2024.