ACESSIBILIDADE NA CIBERCULTURA: USOS DO AUDIOVISUAL COMO DISPOSITIVO DE INCLUSÃO DE SURDOS NA PANDEMIA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.12957/riae.2022.69657

Palavras-chave:

Cibercultura, Acessibilidade, Surdez, Libras, Pandemia.

Resumo

O presente texto objetiva pensar ações, usos e exemplos de conteúdo audiovisual acessível para surdos. Compreendendo a cultura contemporânea como perpassada pelo universo da Cibercultura (LEMOS, 2003; LEVY, 1999; SANTOS, 2014), das redes sociais da internet, dos dispositivos e indivíduos hiperconectados (TAVARES, 2020), faz-se necessário garantir o acesso a todos. Nesse aspecto, é importante destacar que o ambiente cibercultural se constitui também como espaço de lutas e empoderamentos, em que se busca, cada vez mais, a garantia de acesso à internet como um direito humano básico. A pandemia do Coronavírus, que restringiu a circulação de pessoas, e fez com que os inúmeros eventos que antes aconteceriam de maneira presencial, passassem a ser realizados remotamente, acabou por contribuir favoravelmente à produção de conteúdos audiovisuais acessíveis. É nesse contexto que se desenvolve o levantamento documental aqui apresentado. Por meio de uma pesquisa documental descritiva na cibercultura, observou-se e buscou-se materiais audiovisuais com acessibilidade para surdos. Como resultado, destacamos que, embora não exista um modelo único e pré-definido que garanta efetivamente a acessibilidade, contribuem elementos como o tamanho da janela, a sinalização adequada ao perfil do público-alvo, a possibilidade de inclusão de intérpretes surdos e a possibilidade de planejamento prévio à execução (em oposição à inserção posterior da janela de tradução) permitindo assim uma integração maior com a cena ou layout desejado. Para demonstrar os resultados, foram elencados dados que procuraram evidenciar exemplos mais, ou menos, favoráveis no sentido de garantir acesso efetivo ao conteúdo apresentado.

Referências

ALVES, Nilda. Decifrando o pergaminho: os cotidianos das escolas nas lógicas das redes cotidianas. In: Oliveira, Inês. B.; Alves, Nilda (Orgs.). Pesquisa nos/dos/com os cotidianos das escolas. Petrópolis: DP et Alii, 2008, p. 15-38.

ANCINE. Instrução Normativa 116. Brasil, 2014. Disponível em: https://antigo.ancine.gov.br/pt-br/legislacao/instrucoes-normativas-consolidadas/instru-o-normativa-n-116-de-18-de-dezembro-de-2014. Acesso em: 12 ago. 2022.

ANDRADE, N.; CALDAS, A.; ALVES, N. Os movimentos necessários às pesquisas com os cotidianos - 'após muitas conversas acerca deles'. In: Oliveira, I.; Peixoto, L.; Süssekind, M. L. (Orgs). Estudos do cotidiano, currículo e formação docente: questões metodológicas, políticas e epistemológicas. Curitiba: CRV, 2019, p. 1945.

BEDIN, Dhenifer; BALDO, Michele Foresti. Os Clássicos da Literatura Infantil Contados em Língua Brasileira de Sinais. 2017. 20 f. TCC (Graduação) - Curso de Licenciatura em Pedagogia, Universidade Federal da Fronteira Sul (Uffs), Chapecó, 2017. Disponível em: https://rd.uffs.edu.br/bitstream/prefix/1518/1/BALDO%20e%20BEDIN.pdf. Acesso em: 13 ago. 2022.

BRASIL. Lei nº 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 20 dez. 2000. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L10098.htm>. Acesso em: 20 jul. 2022

________. Decreto n.º 5.296, de 2 de dezembro de 2004. Regulamenta as Leis nos 10.048, de 8 de novembro de 2000, que dá prioridade de atendimento às pessoas que especifica, e 10.098, de 19 de dezembro de 2000, que estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 3 dez. 2004. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2004/Decreto/D5296.htm>. Acesso em: 20 jul. 2022.

________. Decreto Legislativo nº 186, de 9 de julho de 2008. Brasília: Diário Oficial da União. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/CONGRESSO/DLG/DLG-186-2008.htm>. Acesso em: 20 jul. 2022.

________. Decreto nº 6.949, de 25 de agosto de 2009. Brasília: Diário Oficial da União. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/decreto/d6949.htm>. Acesso em: 20 jul. 2022.

________. LEI no. 12.343, de 2 de dezembro de 2010. Institui o Plano Nacional de Cultura - PNC, cria o Sistema Nacional de Informações e Indicadores Culturais - SNIIC e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/l12343.htm>. Acesso em: 20 jul. 2022.

________. Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015. Brasília: Diário Oficial da União. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13146.htm>. Acesso em: 20 jul. 2022.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano: 1. as artes de fazer; 16ª Ed. Tradução de Ephraim Ferreira Alves. – Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.

CERTEAU, M. de. A invenção do cotidiano: artes de fazer. 20ª ed. Petrópolis: Vozes, 2013.

LEBEDEFF, T. B. “Práticas de letramento na pré-escola de surdos: reflexões sobre a importância de contar histórias.” In: THOMA, A. S.; LOPES, Maura Corcini. A Invenção da Surdez: Cultura, alteridade, identidade e diferença no campo da educação. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2004.

LEBEDEFF, T. B. Aprendendo a ler “com outros olhos”: relatos de oficinas de letramento visual com professores surdos. Cadernos de Educação. Pelotas, FaE/PPGE/UFPel, v. 36. p. 175-195, maio/agosto 2010.

LEMOS, A. Cibercultura: alguns pontos para compreender a época, in LEMOS, A. &

CUNHA, P. Olhares sobre a cibercultura. Porto Alegre: Sulina, 2003.

LÉVY, Pierre. Cibercultura. 1. ed. São Paulo: Editora 34, 1999.

MACEDO, Roberto Sidnei. Multirrefrencialidade: o pensar de Jacques Ardoino em perspective e a problemática da formação. In: MACEDO, Roberto Sidnei; BARBOSA, Joaquim Gonçalves; BORBA, Sérgio (Orgs.). Jacques Ardoino e a Educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2012.

Morin, E. Os sete saberes necessários à educação do futuro. 2ª ed., São Paulo: Cortez, Brasília, DF: UNESCO, 2000.

NEVES, José Roberto de Castro. O Mundo Pós-Pandemia. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2020.

SANTOS, E. Pesquisa-formação da Cibercultura. Santos Tirso, Portugal: whitebooks, 2014.

SANTOS, E. Pesquisa-formação na cibercultura. Teresina: EDUFPI, 2019.

TAVARES, Mariane Beline. O contemporâneo hiperconectado: realidade aumentada e seus usos nas redes sociais e nos videogames. 2020. 209 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Ciência da Comunicação, Universidade de São Paulo (Usp), São Paulo, 2020. Disponível em: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/27/27154/tde-05032021-120846/publico/MarianeBelineTavares.pdf. Acesso em: 12 ago. 2022.

Downloads

Publicado

07-12-2022

Como Citar

COLACIQUE, Rachel Capucho; GONÇALVES, Leonardo Conceição; AMARAL, Mirian Maia do. ACESSIBILIDADE NA CIBERCULTURA: USOS DO AUDIOVISUAL COMO DISPOSITIVO DE INCLUSÃO DE SURDOS NA PANDEMIA. Revista Interinstitucional Artes de Educar, [S. l.], v. 8, n. 3, p. 630–648, 2022. DOI: 10.12957/riae.2022.69657. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/riae/article/view/69657. Acesso em: 15 jun. 2024.