DE PROFESSOR E MACUMBEIRO TODO MUNDO TEM UM POUCO: ANÁLISE DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DE NATURAIS E NATURALIZADOS NO SAMBA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.12957/riae.2022.66878

Palavras-chave:

Samba no pé, ensino-aprendizagem do samba, metodologia Sapuca, professor-cambono.

Resumo

O presente artigo tenciona uma investigação acerca do processo de ensino e aprendizagem do samba no pé carioca para aqueles que são “de fora” do meio do samba, aqui chamados de naturalizados. Para isso, propomos uma análise de como esse mesmo processo de ensino-aprendizagem do samba no pé carioca ocorre com as pessoas “de dentro”, os naturais, em uma ótica comparativa. Trazemos para essa macumba metodológica, por meio de revisão bibliográfica e de uma etnologia, DUARTE, 2015 e TOJI, 2006, que dão suporte experiencial para a prática do samba, e também DA MATTA, 1997, ELIAS e L. SCOTSON, 2000 e EVANS-PRITCHARD, 2005, relidos a partir de uma ótica afrocentrada baseada na experiência do autor. Entendemos que, ainda que o naturalizado possa executar o samba no pé de modo correto, a este faltarão elementos que apenas a imersão temporária no ambiente do samba não garante. Por fim, o trabalho se propõe à construção da noção de “professor-cambono”.

Biografia do Autor

Thaynã fabiano do rosário vieira, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

Sambista e Mestrando no Programa de Pós-graduação em Dança (PPGDan) da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). São João de Meriti, RJ, Brasil.

Silvia Camara Soter Da Silveira, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

Professora Adjunta da Faculdade de Educação e Programa de Pós-graduação em Dança (PPGDan) da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Referências

BOURDIEU, Pierre. As regras da arte: gênese e estrutura do campo literário. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

BUARQUE, Chico. Tem mais samba. Letras, 1966. Disponível em: <https://www.letras.mus.br/chico-buarque/86063/>. Acesso em: 22 Out. 2020.

DA MATTA, Roberto. Carnavais, malandros e heróis: para uma sociologia do dilema brasileiro. Rio de Janeiro: Rocco, 1997. 350 p.

DESCONHECIDO. A carruagem quebrou na estrada. Letras, S/D. Disponível em: <https://www.letras.mus.br/amigos-do-axe/a-carruagem-quebrou-na-estrada/>. Acesso em: 23 mar. 2021.

DUARTE, Silvia Valéria Borges. Passistas de Escola de Samba: entre a técnica e a intuição em busca da profissionalização. Dissertação (Mestrado em Direito e Sociologia) ICHF/UFF. Niterói. 2015.

ELIAS, Nobert; SCOTSON, John. Os estabelecidos e os outsiders: sociologia das relações de poder numa pequena comunidade. Ed. Única. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2000.

EVANS-PRITCHARD, Edward. Evan. Bruxaria, oráculos e magia entre os Azande. Rio de Janeiro: Zahar, 2005.

GIACOMINI, Sônia Maria. Profissão Mulata: Natureza e Aprendizagem num curso de formação. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Museu Nacional/UFRJ. Rio de Janeiro. 1992.

GONÇALVES, Renata Sá. A dança nobre no espetáculo popular: A tradição como aprendizado e experiência. Tese (Doutorado em Ciências Humanas) – UFRJ. Rio de Janeiro, p. 229. 2008.

JÓRIO, Amauri; ARAÚJO, Hiram. Escolas de Samba em desfile: vida, paixão e sorte. Rio de Janeiro: [s.n.], 1969.

INFORMAL, Dicionário. balacochê. Dicionário informal, 2019. Disponível em: <https://www.dicionarioinformal.com.br/balacoch%C3%AA/>. Acesso em: 12 mar. 2022.

LOPES, Nei. Novo Dicionário Banto do Brasil: 1º reimpressão. ed. Rio de Janeiro: Pallas, 2006. 260p

LOPES, Nei; SIMAS, Luiz. Antônio. Dicionário da História Social do Samba. RJ: Civilização Brasileira, 2015. 336 p.

MELGAÇO, Paulo. Mercedes Baptista. A criação da identidade negra na dança. 1. ed. Rio de Janeiro: Fundação Palmares, 2007. 158 p.

MOTTA, Maria Alice. Teoria Fundamentos da Dança: Uma abordagem epistemológica à luz da Teoria das Estranhezas. Dissertação (mestrado em Ciências da Arte) – IACS/UFF. Rio de Janeiro. 2006.

PEREIRA, Barbara Regina. Pé, cadeira e cadência: trajetórias e memórias de passistas de escolas de samba do Rio de Janeiro. Meu samba, meu corpo, minhas regras. Tese (doutorado em Memória Social) – UFRJ. Rio de Janeiro. 2019.

SIMAS, Luiz. Antônio. RUFINO, Luiz. Fogo no mato: A ciência encantada das macumbas. 1. ed. Rio de Janeiro: Mórula, 2018.

SODRÉ, Muniz. Samba, o dono do corpo. 2. ed. Rio de Janeiro: Mauad, 1998.

______. O terreiro e a cidade: a forma social negro-brasileira. 1. ed. Rio de Janeiro: Imago Editora, 2002.

SOUZA, Joyce Gonçalves Restier da Costa. “Meu jeito nasceu comigo!”: mulatas do samba entre o dom e o saber corporal, as corporeidades em ação. Dissertação (mestrado em Ciências Sociais) – PUC/RIO. Rio de Janeiro. 2019.

TOJI, Simone Sayure Takahashi. Samba no pé e na vida: carnaval e ginga de passistas da Escola de Samba “Estação Primeira de Mangueira. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – UFRJ/IFCS. Rio de Janeiro. 2006.

VIEIRA, Thaynã Fabiano do Rosário. Teoria-metodologia Sapuca. Monografia (Licenciatura em Dança) – UFRJ. Rio de Janeiro, 2021

Downloads

Publicado

07-12-2022

Como Citar

VIEIRA, Thaynã fabiano do rosário; DA SILVEIRA, Silvia Camara Soter. DE PROFESSOR E MACUMBEIRO TODO MUNDO TEM UM POUCO: ANÁLISE DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DE NATURAIS E NATURALIZADOS NO SAMBA. Revista Interinstitucional Artes de Educar, [S. l.], v. 8, n. 3, p. 962–977, 2022. DOI: 10.12957/riae.2022.66878. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/riae/article/view/66878. Acesso em: 13 jun. 2024.