CRESPOGOGIA, PRÁTICAS DE RE-EXISTÊNCIAS: Experiências curriculantes com crianças negras dentro dos espaços escolares

Autores

DOI:

https://doi.org/10.12957/riae.2022.66838

Palavras-chave:

Crianças negras. Crespogogia. Narrativa visual. Educação antirracista.

Resumo

As perspectivas investigativas neste artigo sobre os fazeres e saberes que transitam entre as práticas de ensino e aprendizagem buscam socializar experiências curriculares antirracistas. Apresenta-se uma proposta de uma pedagogia outra, nascida no chão da escola, a partir de proposições metodológicas de docentes que entendem a necessidade da educação para as relações étnico-raciais. Usaremos as narrativas visuais que constam em fotografias de práticas escolares que pensam os territórios periféricos e os corpos, as marcas e os atravessamentos do corpo docente e discente, formado por uma maioria de pessoas negras, e que reconhecem as necessidades de considerar as discussões de gênero, sexualidade, raça, classe, entre outros eixos de subordinação social. Os principais autores que nos ajudam a pensar a pedagogia outra que relatamos neste trabalho são Crenshaw (1998, 2002), Collins (2001, 2016), Collins e Bilge (2021), Akotirene (2019), Sueli Carneiro (2011), Luiza Bairros (1995), Lélia Gonzalez (1988), Beatriz Nascimento (1989) e Jurema Werneck (2005).

 

Biografia do Autor

FATIMA SANTANA SANTOS, Universidade Federal do Sul da Bahia - UFSB

Fátima Santana Santos, nasceu em Salvador, Bahia - Brasil, em 19 de março de 1978, filha de Maria da Conceição Santana e Antonio Bonfim dos Santos. Mestra em Ensino das Relações Étnico-Raciais (UFSB), possui graduação em Pedagogia pelas Faculdades de Educação da Bahia,   e em História (UNEB), atualmente é Coordenadora Pedagógica do Centro Municipal de Educação Infantil Dr. Djalma Ramos, é coordenadora do Projeto  Por uma infância escrevivente: práticas de uma educação antirracista (CEERT),   foi ganhadora do Prêmio Arte na Escola Cidadã no ano de 2015 no segmento educação infantil, foi aluna da III Escuela Internacional de Pos Graduado Más allá del Decenio Internacional de los Pueblos Afrodescendientes em Cuba (CLACSO). Participa atualmente do grupo de pesquisa Lêtera Negra (UFSB) e da Rede de Etnoeducadores (UNIRIO). Faz parte do conselho editorial da coleção Academia das Pretas, Mazza edições. e-mail: fatima.santana19@gmail.com, ORCID https://orcid.org/0000-0001-7323-9838, Lattes: http://lattes.cnpq.br/3725010032215122

 

LADJANE ALVES SOUSA, UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA

Ladjane Alves Sousa, nasceu em Salvador, Bahia - Brasil, em 08 de junho de 1980. Filha de Dejanira Maria Alves e Edvaldo Santos Sousa. Coordenadora pedagógica na Rede Pública de Ensino de Lauro de Freitas. Formada em Pedagogia (2008) e Mestre em Educação e Contemporaneidade (2012) pelo PPGEduC, cursados na Universidade do Estado da Bahia (UNEB). Especialista em Gênero e Sexualidade na Educação (2018), doutoranda em Educação pelo PPGE, ambos os cursos pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Bolsista do Programa A Cor da Bahia da UFBA (2003-2004). Membro da equipe de especialista parecerista do Conselho Editorial da EDUFBA. Pesquisadora do Grupo de Pesquisa em Educação e Currículo (GPEC) e do Grupo de Pesquisa História e Memória da Educação Brasileira (HIMEB). Editora do blog Modos de Fazer Educação na Bahia. Diretora Cultural da ARCO Capoeira. Professora do Instituto Cultural Steve Biko (2002-2008). Poetiza e escritora de literaturas infantil afro-brasileira (Rainhas, Reis, Mães de Luza e Gordinhas). Participou da antologia da FLUP (2021). E-mail: ladjaneasouza@yahoo.com.br. Ocid n. 0000-0002-7305-1349. http://lattes.cnpq.br/3878533833067321

Referências

ALMEIDA, Silvio Luiz de. Racismo estrutural. São Paulo: Pólen, 2019.

AKOTIRENE, Carla. Interseccionalidade. São Paulo: Pólen, 2019.

ANZALDÚA, Gloria. Falando em línguas: uma carta para as mulheres escritoras do terceiro mundo. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 8, n. 1, p. 229-236, 2000.

BAIRROS, Luiza. Nossos feminismos revisitados. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 3, n. 2, p. 458-463, 1995.

CARNEIRO, Sueli. Racismo, sexismo e desigualdade no Brasil. São Paulo: Selo Negro, 2011.

CRENSHAW, Kimberlé. Documento para o encontro de especialista em aspectos da discriminação racial relativo ao gênero. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 10, n. 1, p. 171-188, 2002. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/S0104-026X2002000100011/0. Acesso em: 10 ago. 2020.

CRENSHAW, Kimberle. Documento para o encontro de especialista em aspectos da discriminação racial relativo ao gênero. Revista Estudos Feministas, v.10, n.1, p. 171-188, 2002. Disponível em: <https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/S0104-026X2002000100011/0>. Acesso em: 10.ago.2020.

COLLING, Leandro. Que os outros sejam o normal: tensões entre movimento LGBT e ativismo queer. Salvador: Edufba, 2015.

COLLINS, Patricia Hill. Pensamento feminista negro: conhecimento, consciência e a política do empoderamento. 2. ed. Nova York: Routledge, 2001.

COLLINS, Patricia Hill. Aprendendo com a outsider within: a significação sociológica do pensamento feminista negro. Revista Sociedade e Estado, Brasília, DF, v. 31, n. 1, p. 99-127, 2016.

COLLINS, Patricia Hill; BILGE, Sirma. Interseccionalidade. Tradução Rane Souza. São Paulo: Boitempo, 2021.

DAVIS, Angela. Mulheres, raça e classe. Tradução Heci Regina Candiani. 1. ed. São Paulo: Boitempo, 2016.

EVARISTO, Conceição. A escrevivência e os seus subtextos. In: DUARTE, Lima Constância; NUNES, Isabella Rosado (org.). Escrevivência: a escrita de nós: reflexões sobre a obra de Conceição Evaristo. 1. ed. Rio de Janeiro: Mina Comunicação e Arte, 2020. p. 26-46.

FUNDAÇÃO CULTURAL PALMARES. Conceição Evaristo. Brasília, DF, 7 mar. 2013. Disponível em: https://www.palmares.gov.br/?p=26658. Acesso em: 24 fev. 2022.

GERDA, Lerner. A criação do patriarcado: histórias da opressão das mulheres pelos homens. Tradução Luiza Sellera. São Paulo: Cultrix, 2019.

GONZALEZ, Lélia. A categoria político-cultural de amefricanidade. Tempo Brasileiro, Rio de Janeiro, n. 92/93, p. 69-82, jan./jun. 1988.

KILOMBA, Grada. The Mask. In: KILOMBA, Grada. Plantation memories: episodes of everyday racism. 2nd ed. Münster: Unrast Verlag, 2010.

GOMES, Nilma Lino. Educação, identidade negra e formação de professores/as: um olhar sobre o corpo negro e o cabelo crespo. Revista Educação e Pesquisa, São Paulo, v.29, n.1, p. 167-182, jan./jun. 2003.

GOMES, Nilma Lino. Trajetórias escolares, corpo negro e cabelo crespo: reprodução dos estereótipos ou ressignificação cultural. Revista brasileira de Educação. nº. 21, set/out/nov/dez., 2002.

LORDE, Audre. Idade, raça, classe e gênero: mulheres redefinindo a diferença. In: HOLANDA, Heloisa Buarque (org.). Pensamento feminista: conceitos fundamentais. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2019. p. 233-234.

LUZ, Nacimária Correia do Patrocínio (org). Tecendo contemporaneidade: pontos de diálogos sobre educação e contemporaneidade. Salvador, BA: EDUNEB, 2007.

____________. CADERNO DE TEXTOS E RESUMOS DO SEMINÁRIO ÉTICA DA COEXISTÊNCIA. Salvador: UNEB, 2001.

____________.Correia do Patrocínio (org.). Descolonização e educação: diálogos e proposições metodológicas. Curitiba: CRV, 2013.

MACEDO, Roberto Sidnei. Pesquisar a experiência: compreender, mediar saberes experienciais. Curitiba: CRV, 2015.

MACEDO, Roberto Sidnei; AZEVEDO, Omar Barbosa. Infâncias-devir e currículo: a afirmação do direito das crianças à (aprendizagem) formação. Ilhéus: Editus, 2013.

NASCIMENTO, Maria Beatriz (1989) Textos e narração de Ori. Transcrição (mimeo).

PETIT, S. H. Pretagogia: pertencimento, corpo-dança afroancestral e tradição oral africana na formação de professoras e professores. Contribuições do legado africano para a implementação da Lei nº 10.639/03. Fortaleza: UECE, 2015.

PIEDADE, Vilma. Dororidade. São Paulo: Nós, 2017.

RIBEIRO, Djamila. O que é lugar de fala? Belo Horizonte: Letramento, 2017.

SANTOS, Fátima Santana. Leia-me negra: Itinerâncias formativas no CMEI Dr. Djalma Ramos. Mestrado Profissional em Ensino e Relações Étnico-Raciais no Programa de Pós-Graduação da UFSB, Itabuna, 2019.

SILVA, Beatriz Gonçalves e Silva Petronilha. Aprender, ensinar e relações étnico-raciais no Brasil. Educação, Porto Alegre, v. 30, n. 3, p. 489-506, set./dez. 2007.

SOUSA, Ladjane Alves e VIANA, Lícia do espirito Santo. MERCEDES DO ESPIRITO SANTO: Narrativas sobre uma mulher insubmissa. Lauro de Freitas: Libre, 2020).

TRINDADE, Azoilda Loretto da (org.). Africanidades brasileiras e educação: salto para o futuro. Rio de janeiro: TV escola /MEC, 2013.

Downloads

Publicado

05-09-2022

Como Citar

SANTOS, FATIMA SANTANA; SOUSA, LADJANE ALVES. CRESPOGOGIA, PRÁTICAS DE RE-EXISTÊNCIAS: Experiências curriculantes com crianças negras dentro dos espaços escolares. Revista Interinstitucional Artes de Educar, [S. l.], v. 8, n. 2, p. 478–497, 2022. DOI: 10.12957/riae.2022.66838. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/riae/article/view/66838. Acesso em: 13 jul. 2024.

Edição

Seção

DOSSIÊ: OUTRAS EDUCAÇÕES: SABERES E CONHECIMENTOS DAS POPULAÇÕES RACIALIZADAS EM CONTEXTOS DE RE-EXISTÊNCIA