“Jonas e o circo sem lona”: entre o circo e a escola, olhar uma infância

Autores

DOI:

https://doi.org/10.12957/riae.2022.65310

Palavras-chave:

infância, cinema, educação, civilização

Resumo

Sabe-se que escola é uma invenção moderna, um projeto de civilização com vistas a homogeneizar o mundo, embranquecendo-o por meio da ‘naturalidade’ da cultura europeia, de seus modos de conhecer, ver e viver. Mas, a vida sempre vaza: um circo sem lona, no quintal de casa, convida a artistarmos uma escola sem paredes, a outrar a cultura escolar. A proposta é vazar a tela da vida escolarizada/civilizada por meio do encontro com o filme “Jonas e o circo sem lona” (2015), que nos convida a uma desaprendizagem do olhar a infância e a escola, contagiando-a, sem folclorizar ou exotificar, de vida saberes populares, brasileiros e nordestinos. Nesse artigo, foi utilizado o cinema como um campo de produção de dados desenvolvidos a partir de uma etnocartografia de tela. Assim, foi possível transver a infância como um posicionar-se intensivo no mundo em agenciamento com a pluralidade heterogênea de práticas que a compõem.

Biografia do Autor

Sara Reis Teixeira, Universidade Federal de Sergipe

Graduanda em Psicologia (UFS); Bolsista de Iniciação cientifica (PIBIC/CNPq)

Marcos Ribeiro de Melo, Universidade Federal de Sergipe

Professor do Departamento de Psicologia e do Programa de Pós-Graduação em Cinema da UFS

Michele de Freitas Faria de Vasconcelos, Universidade Federal de Sergipe

Professora do Departamento de Psicologia e do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da UFS

Referências

ANDRADE, Mário de. Teatro-circo: do Brasil ao Far-West – Piolin. Terra roxa e outras terras, São Paulo, ano 1, n. 3, 27/02/1926. Disponível em <http://memoria.bn.br/docreader/DocReader.aspx?bib=387274&pagfis=23>. Acesso em 14 nov. 2021.

ANDRADE, Oswald de. Manifesto antropófago [1928]. In: ANDRADE, Oswald de. A utopia antropofágica. São Paulo: Globo, 1990. Obas completas de Oswald de Andrade.

BADINTER, Elisabeth. Um amor conquistado: o mito do amor materno. Tradução de Waltensir Dutra. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.

BALESTRIN, Patrícia. Le Fate Ignoranti: a sexualidade levada a sério. Bagoas - Estudos gays: gêneros e sexualidades, v. 7, n. 10, p. 73-89, 2013. Disponível em: <https://periodicos.ufrn.br/bagoas/article/view/5376>. Acesso em: 03 maio 2021

BAPTISTA, Luis Antonio. Ética e barbárie de um gesto: a fragilidade servil da infância. In: RODRIGUES, Alexsandro (org.). Crianças em dissidências: narrativas desobedientes. Salvador: Devires, 2018, p. 167-183.

BAPTISTA, Luis Antonio. A cidade dos sábios. In: BAPTISTA, Luis Antonio. A cidade dos sábios. São Paulo: Summus, 1999, p. 51-96.

BOUCHERON, Patrick. Como se revoltar? São Paulo: Editora 34, 2018.

BUTLER, Judith. Regulações de gênero. Cadernos Pagu, Campinas, n. 42, p. 249-274, jun. 2014. DOI: <http://dx.doi.org/10.1590/0104-8333201400420249>.

CALOU, Antonio Leonardo. “Ano passado eu morri, mas esse ano eu não morro”: micropolíticas do desejo de morte e práticas de resistência em trajetos homossexuais. Qualificação de tese de doutorado. UFRN/PPGPSI: Rio Grande do Norte, 2021.

CAMARGO, Robson Corrêa de. A pantomima e o teatro de feira na formação do espetáculo teatral: o texto espetacular e o palimpsesto. Revista de História e Estudos Culturais, Goiânia, vol. 3, n. 4, p.1-32, 2006. Disponível em: <https://www.revistafenix.pro.br/revistafenix/issue/view/9>. Acesso em: 17 janeiro 2022.

CARVALHO, Emílio; COSTA, Samira. As potências da narrativa. In: LOPES, Kleber; CARVALHO, Emílio; MATOS, Kelma (org.). Ética e as reverberações do fazer. Fortaleza: Edições UFC, 2011, p. 60-73.

CARVALHO, Sérgio. Reflexões sobre o tema da cidadania e a produção de subjetividade no SUS. In: CARVALHO, Sérgio; BARROS, Maria; FERIGATO, Sabrina. (orgs.). Conexões: saúde coletiva e políticas da subjetividade. São Paulo: Aderaldo & Rothschild, 2009, p. 23-41.

COIMBRA, Cecilia; LOBO, Lilia; NASCIMENTO, Maria. A invenção do humano como modo de assujeitamento. In: MENDONÇA FILHO, Manoel; NOBRE, Maria Teresa (orgs.). Política e Afetividade: narrativas e trajetórias de pesquisa. Salvador: Edufba, 2009. p. 31-42.

CORAZZA, Sandra. Des-ilusão tem futuro?: artistagem da infância. In: COLOQUIO DO LEPSI IP/FE-USP, 4., 2002, São Paulo. Disponível em: <http://www.proceedings.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=MSC0000000032002000400036&lng=en&nrm=abn>. Acesso em: 24 abr. 2021.

CORAZZA, Sandra. Olhos de poder sobre o currículo. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 21, n. 1, p. 46-70, jun. 1996. Disponível em: < https://seer.ufrgs.br/educacaoerealidade/article/view/71640/40636>. Acesso em 03 maio 2021.

CORREA, Bianca. Educação na primeira infância: direito público x capital humano. In: CÁSSIO, Fernando et al (orgs.). Educação contra a barbárie: por escolas democráticas e pela liberdade de ensinar. São Paulo: Boitempo, 2019, p. 83-90.

CORREA, Raimundo. As pombas. Disponível em: <https://www.escritas.org/pt/t/7991/as-pombas>. Acesso em: 24 abr. 2021.

COSTA, Jurandir. Ordem médica e norma familiar. Rio de Janeiro: Editora Graal, 1979.

DELEUZE, Gilles. Conversações. São Paulo: Editora 34, 1992.

DELEUZE, Gilles. Michel Foucault: as formações históricas. Tradução de Cláudio Medeiros e Mario Antunes Marino. São Paulo: N-1 Edições e Editora Filosófica Politeia, 2017.

DIDI-HUBERMAN, Georges. Quando as imagens tocam o real. PÓS: Revista do Programa de Pós-graduação em Artes da EBA/UFMG, p. 206-219, 2012. Disponível em: < https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistapos/article/view/15454>. Acesso em: 24 abr. 2021.

FONSECA, Tania. Cartografias da Arteloucura: a insurgência de um outro espaço. In: FONSECA, Tania; ENGELMAN, Selda; PERRONE, Claudia. Rizomas da Reforma Psiquiátrica: a difícil reconciliação. Porto Alegre: Sulina, 2007, p. 141-152.

FOUCAULT, Michel. Nietzsche, a genealogia e a história (in) FOUCAULT, M. Arqueologia das Ciências e história dos sistemas de pensamento: Ditos e escritos II. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2005, p. 260-306.

GALLO, Silvio. O pequeno cidadão: sobre a condução da infância em uma governamentalidade democrática. In: RESENDE, Harold de (org.). Michel Foucault: o governo da infância. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2015. p. 329-342.

GENTILI, Pablo. Educar para o desemprego: a desintegração da promessa integradora. In: FRIGOTTO, Gaudêncio. Educação e crise do trabalho. Petrópolis: Vozes, 2012, p. 76-99.

GROS, Frédéric. Desobedecer. Tradução de Célia Euvaldo. [S. L.]: Ubu Editora, 2018.

HECKERT, Ana Lúcia Coelho. Por uma infância menor. In: LOBO, Lilia; FRANCO, Débora (orgs.). Infâncias em devir: ensaios e pesquisas. Rio de Janeiro: Garamond, 2018, p. 325-339.

HÍKIJI, Rose. Antropólogos vão ao cinema - observações sobre a constituição do filme como campo. Cadernos de Campo (São Paulo - 1991), [S. l.], v. 7, n. 7, p. 91-113, 1998. DOI: <http://doi.org/10.11606/issn.2316-9133.v7i7p91-113>.

JONAS e o circo sem lona. Direção: Paula Gomes. [S.I.] Vitrine Filmes, 2015, 82 min.

JULLIER, Laurent; MARIE, Michel. Lendo as imagens do cinema. São Paulo: Editora SENAC, 2012.

KASTRUP, Virgínia. O funcionamento da atenção no trabalho do cartógrafo. Psicologia & Sociedade, Porto Alegre, v. 19, n. 1, p. 15-22, abr. 2007. FapUNIFESP (SciELO). DOI: <http://dx.doi.org/10.1590/s0102-71822007000100003>.

KOHAN, Walter Omar. A infância da educação: o conceito devir-criança. In: KOHAN, Walter Omar. Infância, estrangeiridade e ignorância. Belo Horizonte: Autêntica, 2007. p. 85-98.

KOHAN, Walter Omar. Infância: entre educação e filosofia. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2011.

LARROSA, Jorge. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Revista Brasileira de Educação, n. 19, p. 20-28, abr. 2002. FapUNIFESP (SciELO). DOI: <http://dx.doi.org/10.1590/s1413-24782002000100003>.

LARROSA, Jorge. O enigma da infância ou o que vai do impossível ao verdadeiro. In: LARROSA, J.; PÉREZ DE LARA, N. (org.) Imagens do outro. Trad. Celso Márcio Teixeira. Petrópolis/RJ: Vozes, 1998. Disponível em: <http://www.lite.fe.unicamp.br/cursos/ep403/txt3.htm#:~:text=O%20que%20vai%20do%20poss%C3%Advel,em%20desacordo%20com%20o%20real>. Acesso em: 29 abr. 2021.

MARTINS, Ana Paula. Visões do feminino: a medicina da mulher nos séculos XIX e XX. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2004.

MELO, Marcos; VASCONCELOS, Michele; SOUZA NETO, Edson. “Os dentes afiados da vida preferem a carne na mais tenra infância”: etnocartografar com olhos de besta. Childhood & Philosophy, Rio de Janeiro, v. 16, n. 36, p. 01-28, 18 nov. 2020. Universidade de Estado do Rio de Janeiro. DOI: <http://dx.doi.org/10.12957/childphilo.2020.48116>.

MESQUITA, Cláudia. Um drama documentário? – atualidade e história em “A cidade é uma só?” Revista Devires – Cinema e Humanidades, Belo Horizonte, v. 8, n. 2, p. 48-69, 2011. Disponível em: < https://issuu.com/revistadevires/docs/engajamentos1>. Acesso em: 29 abr. 2021.

MEYER, Dagmar. Educação, saúde e modos de inscrever uma forma de maternidade nos corpos femininos. Movimento (Esefid/Ufrgs), Porto Alegre, v. 9, n. 3, p. 33-58, 26 dez. 2003. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. DOI: <http://dx.doi.org/10.22456/1982-8918.2817>.

MEYER, Dagmar. A politização contemporânea da maternidade: construindo um argumento. Gênero, Niterói, v. 6, n. 1, p. 81-104, 2005. DOI: <https://doi.org/10.22409/rg.v6i1.198>.

OLIVEIRA, Sandra. Psicologia e pastorado laico: pensando as estratégias de governo da infância. Gavagai - Revista Interdisciplinar de Humanidades, v. 5, n. 1, p. 78-96, set. 2019. DOI: <http://dx.doi.org/10.36661/2358-0666.2018n1.11061>.

PARAÍSO, Marlucy Alves. Raciocínios generificados no currículo escolar e possibilidades de aprender. In: LEITE, Carlinda et al (org.). Políticas, Fundamentos e Práticas do Currículo. Porto: Porto Editora, 2011, p. 147-160.

PARAÍSO, Marlucy Alves. Currículo e relações de gênero: entre o que se ensina e o que se pode aprender. Revista Linhas, Florianopólis, v. 17, n. 33, p. 206-237, abr. 2016. DOI: <http://dx.doi.org/10.5965/1984723817332016206>.

PRATES, Rui; COSTA, Pedro; MELO, Marcos. Infância e balbucios: experiências de etnografia de tela numa mostra fílmica. In: NOGUEIRA, Adriana Dantas; FRANÇA, Lilian Cristina Monteiro; SILVA, Renato Izidoro da. Cinema e interdisciplinariedade: convergências, gêneros e discursos. Aracaju: Criação, 2019, p. 137-152.

ROHDEN, Fabíola. Uma ciência da diferença: sexo e gênero na medicina da mulher. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2001.

ROLNIK, Suely. Entrevista com Suely Rolnik: a hora da micropolítica. A hora da micropolítica. 2016. Disponível em: <https://www.goethe.de/ins/br/pt/kul/fok/rul/20790860.html>. Acesso em: 24 abr. 2021.

ROLNIK, Suely. Esferas da insurreição: notas para uma vida não cafetinada. São Paulo: N-1 edições, 2018.

VASCONCELOS, Michele; BALESTRIN, Patrícia Abel; PAULON, Simone Mainieri. Escutar silêncios, povoar solidões: há vida secreta nas palavras. Fractal: Revista de Psicologia, Rio de Janeiro, v. 25, n. 3, p. 603-628, set./dez. 2013. DOI: <https://doi.org/10.1590/S1984-02922013000300012>.

VASCONCELOS, Michele; MELO, Marcos; OLIVEIRA, Roselusia. Imagens, narrativas, culturas infantis em “Abril despedaçado”: tateando um modo de olhar. Revista Tempos e Espaços em Educação, São Cristóvão, v. 10, n. 21, p. 67-76, jan./abr. 2017. DOI: <https://doi.org/10.20952/revtee.v10i21.6333>.

VASCONCELOS, Michele; SEFFNER, Fernando; MELO, Marcos. “Gente é mais que homem”: gênero e cuidados em álcool e outras drogas. Educar em Revista, Curitiba, v. 36, e75406, p. 1-22, 2020. DOI: <https://doi.org/10.1590/0104-4060.75406>.

VEIGA, Cynthia. A escolarização como projeto de civilização. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 21, p. 90-103, dez. 2002. DOI: <http://dx.doi.org/10.1590/s1413-24782002000300008>.

Downloads

Publicado

11-02-2022

Como Citar

TEIXEIRA, Sara Reis; MELO, Marcos Ribeiro de; VASCONCELOS, Michele de Freitas Faria de. “Jonas e o circo sem lona”: entre o circo e a escola, olhar uma infância. Revista Interinstitucional Artes de Educar, [S. l.], v. 8, n. 1, p. 111–133, 2022. DOI: 10.12957/riae.2022.65310. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/riae/article/view/65310. Acesso em: 13 jul. 2024.