A herança marioandradiana: fonte de inspiração para pesquisas decolonizadoras

Autores

DOI:

https://doi.org/10.12957/riae.2022.65285

Palavras-chave:

Educação, Infâncias, Parque infantil, Escola de Samba, Danças

Resumo

Este artigo apresenta os entrelaçamentos entre os meus trabalhos de conclusão de Curso, respectivamente a Graduação, o Mestrado e Doutorado em Educação (PAULA 2003; 2012; 2019), com o objetivo de pensar a Pedagogia da Infância para além dos espaços educacionais formais. Destaco que uma das premissas dos desdobramentos destes estudos foi a obra da pesquisadora Ana Lúcia Goulart de Faria (2002), sobre os Parques Infantis da capital paulista  de 1935 a 1938, proposta essa implementada por Mário de Andrade, então diretor do Departamento de Cultura de São Paulo. Os três trabalhos por mim elaborados são de caráter qualitativo, sendo que as metodologias empregadas foram pesquisa histórica, bibliográfica e uma etnografia. As investigações tiveram como principais campos teóricos a Pedagogia, os Estudos Sociais da Infância, e a Antropologia.  Como ponto de convergência, os dados produzidos mostram que a linguagem corporal é uma das mais importantes formas de expressão, e que as manifestações das culturas populares, como a dança, a música e o canto são potencializadores dessa linguagem.

Biografia do Autor

Roberta Cristina de Paula, Prefeitura Municipal de Campinas

Professora da Educação Básica na Rede Pública Municipal de Campinas-SP. Doutora em Educação pela FEUSP. Membro dos Grupos de Pesquisa: Corpinfância (FEUSP) e GEPEDISC (FE UNICAMP) Dançarina Popular

Referências

ALLENDE, Isabel. A ilha sob o mar. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2010.

ALVES, Teodora de Araújo. Herdanças de corpos brincantes: os saberes da corporeidade em danças afro-brasileiras. Natal, RN: Editora da UFRN, 2006.

ANDRADE, Mário de. O samba rural paulista. RAM, ano IV, vol. XLI, p.37-116, nov/1937.

______. O turista aprendiz. Estabelecimento de texto, introdução e notas de Telê Porto Ancona Lopez. São Paulo, Duas Cidades, Secretaria da Cultura, Ciência e Tecnologia, 1976a.

______. Danças Dramáticas do Brasil. Edição organizada por Oneyda Alvarenga. 2ª Edição. Belo Horizonte: Editora Itatiaia, 1982, 3 vol.

ALVES, Ataulfo. Na cadência do Samba. São Paulo: Gravadora Lua Music, 2009, CD.

BAKHTIN, Mikhail M. A cultura popular na Idade Média e no Renascimento: o contexto de François Rabelais. São Paulo: Hucitec; Brasília: Editora da Universidade de Brasília, 1999. 4ª ed.

dos SANTOS NASCIMENTO, Erica Pereira; SOUZA, Victoria Guimarães. Formação continuada e a Pedagogia decolonial: o M.A.R. e o Samba. Revista Teias, v.21, n.63, p.46-63, out./dez.2020. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/revistateias/article/viewFile/53968/36189. Acesso em: 13 dez. 2021.

FARIA, Ana Lúcia Goulart de. Educação Pré-Escolar e Cultura: Para uma Pedagogia da Educação Infantil. 2° ed. Campinas, SP: Ed. da Unicamp, SP: Cortez, 2002.

GOBBI, Márcia A. Desenhos de outrora, desenhos de agora: os desenhos das crianças pequenas no acervo de Mário de Andrade. Tese de doutorado. Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2004.

GONÇALVES, Cássia Denise; LEÃO, Flávia C. Os retalhos fotográficos de Geraldo Sesso Jr. BCMU – Campinas, v.5, n.10, p.89-100, dez.1993.

GUSMÃO, Neusa Mendes de. Infância e velhice: desafios da multiculturalidade. IN: GUSMÃO, Neusa Mendes de (org.). Infância e velhice: pesquisa de ideias.. Campinas, SP: Editora Alínea, 2003, p.15-32.

HALL, Stuart. Que “negro” é esse na cultura popular? Lugar Comum. Rio de Janeiro, n.13-14, p.147-159, 2001. Disponível em: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/301609/mod_folder/content/0/Que%20negro%20%C3%A9%20esse%20na%20cultura%20popular%20negra%20-%20Stuart%20Hall.pdf?forcedownload=1. Acesso em: 05 jan. 2022.

LEME, Fernanda de Lucca. Memórias de um Parque Infantil em Campinas: vestígios do pensamento de Mário de Andrade. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 2008.

MARQUES, Fernanda C. S.; BASTOS, Sênia. O ritual de hospitalidade na escola de samba do Camisa Verde e Branco. Caderno Virtual de Turismo. Rio de Janeiro, v.16 n.1, pp. 95-108, abr. 2016.

PAULA, Roberta Cristina de. Os pequenininhos do parque: a linguagem corporal das crianças pequenas de um parque infantil de Campinas/SP (1942-1952). Trabalho de Conclusão de Curso(TCC),Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 2003.

______. “Quem foi que disse que não vivo satisfeito? Eu danço!”. Encontros com as danças na obra de Mário de Andrade. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 2012.

______. As danças populares na obra de Mário de Andrade. Resgate: Revista Interdisciplinar de Cultura, Campinas, SP, vol. 20, n.2, 2013. DOI: 10.20396/resgate.v20i24.8645744. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/resgate/article/view/8645744. Acesso em: 12 dez. 2021.

______. “Pura Alegria, Acredita que Acontece!” Infâncias, Identidades Negras e Educação na Escola de Samba Camisa Verde e Branco – SP. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2019.

______. Infâncias tocadas pelo batuque: A Ala das Crianças de uma Escola de Samba. Cadernos de Gênero e Diversidade, 7 (1), p.74-98, 2021. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/cadgendiv/article/view/44116. Acesso em 13 dez. 2021.

______. “Venham pra roda, vamos começar a brincar”: As danças populares e o encontro de gerações. IN: FARIA, Ana Lúcia Goulart de Faria e SILVA, Adriana A. (orgs). Sociologia da Infância em tempos de pandemia e necropolítica. Pedagogias descolonizadoras reinventando novas formas de vida. São Carlos: Pedro & João Editores, 2021a, p.65-97. Disponível em: http://www.bibliotecadigital.unicamp.br/document/?code=110938&opt=1. Acesso em: 12 dez. 2021.

PAULA, Roberta Cristina de; PRADO, Patrícia Dias. “Meu maior sonho é ser rei da bateria do Camisa”: Vozes das infâncias na Escola de Samba. Revista Inter Ação, 46 (3), p.1492-1507, 2021b. DOI: 10.5216/ia.v46i3.68464. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/interacao/article/view/68464. Acesso em: 05 jan. 2022.

SANTOS, Maria Walburga dos. Educadoras de Parques Infantis em São Paulo: aspectos de sua formação e prática entre os anos de 1935 e 1955. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, SP, 2005.

SOARES, Carmen Lúcia; FRAGA, Alex Branco. Pedagogia dos corpos retos: das morfologias disformes às carnes humanas alinhadas. Pro-posições, FE-Unicamp, v.14, n.2 (41), p.77-90, mai./ago. 2003.

SODRÉ, Muniz. Samba, o dono do corpo. Rio de Janeiro: Codecri, 1979.

TONOLLI, Maria Fernanda Simões. As origens da educação pré-escolar pública municipal em Campinas: O Parque da Vila Industrial. Trabalho de Conclusão de Curso(TCC),Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 1996.

TRAMONTE, Cristiana. O Samba conquista passagem: as estratégias e a ação educativa das escolas de samba. Petrópolis, RJ: Vozes, 2001.

Downloads

Publicado

11-02-2022

Como Citar

PAULA, Roberta Cristina de. A herança marioandradiana: fonte de inspiração para pesquisas decolonizadoras. Revista Interinstitucional Artes de Educar, [S. l.], v. 8, n. 1, p. 54–73, 2022. DOI: 10.12957/riae.2022.65285. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/riae/article/view/65285. Acesso em: 10 dez. 2023.