Os caminhos entrelaçados das docentes do Instituto profissional feminino Orsina da Fonseca (IPFOF)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.12957/riae.2021.63428

Palavras-chave:

profissão docente, magistério feminino, trajetória, Brasil República. Instituto Profissional Feminino

Resumo

O presente artigo tem como objetivo discutir a trajetória de três professoras que atuaram no Instituto Profissional Feminino Orsina da Fonseca (IPFOF) entre as décadas de 1910 e 1935. É de fato intrigante que as pesquisas referentes à essa instituição não ressaltem a história dos grandes nomes femininos atrelados a história da instituição, tais como, das professoras Leolinda Daltro e Lucília Guimarães Villa-Lobos. A pesquisa que embasa a escrita desse artigo insere-se no campo da História da Educação Feminina no Brasil, objetivando analisar a atuação de mulheres no magistério sendo essas responsáveis pela instrução de meninas e moças órfãs partindo de novos métodos de ensino e de organização do espaço escolar, com base nas ideias pedagógicas que são implantadas dentro do IPFOF. Quando se aborda a história das escolas femininas logo se argumenta que elas serviam para formar mulheres prontas para serem boas esposas, mãe de família, do lar ou trabalhadoras para a indústria e comércio, mulheres prendadas, rendeiras, dedicadas aos trabalhos de linha e agulha. Contudo apesar de muitas pesquisas apontarem esse destino para o Instituto Profissional Feminino Orsina da Fonseca, como se dentro de seus muros pudéssemos encontrar uma grande colmeia laboriosa, cabe ressaltar as singularidades que nos despertam curiosidades e destoam deste cenário de cama e mesa.

Referências

ABREU, Alzira. “As revelações de um dicionário da Primeira República do Brasil”. In: MORÃO, Alda; GOMES, Angela de Castro (orgs). A experiência da Primeira República no Brasil e em Portugal. Coimbra: Imprensa Universitária, 2010.

ABREU, Alzira & BELOCH, Isabel (org). Dicionário Histórico-Biográfico Brasileiro pós-30. 2ª Ed. Rio de Janeiro: Editora FGV/ CPDOC, 2001.

ALMEIDA, Jane Soares de. Mulher e educação: a paixão pelo possível. São Paulo: UNESP, 1998.

BALAN, Jorge; JELIN, Elizabeth. La structure sociale dans la biographie personnelle. Cahiers Internationaux de Sociologie, v. LXIX, 1980.

BONATO, Nailda Marinho da Costa. “Imagens da escola profissional feminina no distrito federal”. Disnonível em: <http://www.histedbr.fe.unicamp.br/revista/revis/revis09/art17_9.html>. Acesso em: 15 SET. 2020

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminino e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2016.

DOSSE, F. A História. Bauru, SP: EDUCS, 2003.

CORRÊA, Mariza. “Os índios do Brasil elegante & a professora Leolinda Daltro”. In: Em Antropólogas & antropologia. editado por Mariza Corrêa. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2003.

CUNHA, Paulete Maria. Leolinda Daltro, a caminhante do futuro: uma análise de sua trajetória de catequista a feminista (Rio de Janeiro/ Goiás – 1896 – 1920). São Leopoldo, 2014. Disnonível em: <http://www.repositorio.jesuita.org.br/bitstream/handle/UNISINOS/4097/Paulete%20Maria%20Cunha%20dos%20Santos.pdf?sequence=1&isAllowed=y>. Acesso em 10 abr. 2021.

GOMES, Ângela de Castro. “A escola republicana: entre luzes e sombras”. In: A República no Brasil. Rio de Janeiro: Nova Fronteira; CPDOC/FGV, 2002.

GRAMSCI, Antônio. Os intelectuais e a organização da cultura. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1991.

LE GOFF, Jacques. História e Memória. 4ª edição. Campinas: Unicamp, 1996.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação. Uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis, RJ: Vozes, 1997.

____________________. “Uma leitura da história da educação sob a perspectiva do gênero”. In: Projeto História. São Paulo, 11 nov, 1994.

McLAREN, P. Rituais na Escola: em direção a uma economia política de símbolos e gestos na educação. Petrópolis: Vozes, 1992.

MELO, Hilda Pereira de; MARQUES, Teresa Novaes. “Partido Republicano Feminino – A construção da cidadania feminina no Rio de Janeiro”. In: Revista do Instituto Histórico e Geográfico do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2010.

MOURÃO, Alda; GOMES, Angela de C. (Coord). A experiência da Primeira República no Brasil e em Portugal. Coimbra (PT): Universidade de Coimbra, 2016.

PERROT, Michele. As mulheres e os silêncios da História. Bauru, SP: EDUSC, 2005.

RABELO, Josiane O.; COSTA, Marta O.; MARTINS, Bárbara T. de S. A educação feminina no Brasil em meados do século XIX e início do século XX. In: Encontro Internacional de Formação de Professores e Fórum Permanente de Inovação Educacional, 2015.

ROCHA, Paolla Rolon; SEVERINO, Jorismary Lescano; RODRÍGUEZ, Margarita Victoria. “Era Vargas (1930-1945): notas sobre o ensino secundário”. Disnonível em: <https://www.brazilianjournals.com/index.php/BRJD/article/view/22608>. Acesso em: 24 jun. 2021.

RIZZINI, Irma; SCHUELER, Alessandra F. de M. ‘“O feminismo transborda”: docência, produção escrita e atuação política de Aurea Corrêa na cidade do Rio de Janeiro”. In: Revista Práxis Educacional. Vitória da Conquista, Bahia, 2020.

SANTOS, Paulete Maria C. Leolinda Daltro, a caminhante do futuro: uma análise de sua trajetória de catequista a feminista (Rio de Janeiro/Goiás – 1896/1920). São Leopoldo, RGS, 2014. Tese de Doutorado.

SCHUELER, Alessandra F. M. de; RIZZINI, Irma. Gêneros e constituição do magistério primário: “feminização” e “desmasculinização” no Rio de Janeiro (1870-1910). Disnonível em: <http://www.sitioftp.com/EventosOPC/programa/resumenes/EJE7/eje7_183.pdf>. Acesso em 03 set. 2021.

TANURI, Leonor Maria. “História da Formação de Professores”. In: Revista Brasileira de Educação. Campinas: n.14, p. 61-88, mai./jun./jul./ago., 2000.

Downloads

Publicado

17-11-2021

Como Citar

ALVES, Teresa Vitória Fernandes. Os caminhos entrelaçados das docentes do Instituto profissional feminino Orsina da Fonseca (IPFOF). Revista Interinstitucional Artes de Educar, [S. l.], v. 7, n. 2, p. 777–790, 2021. DOI: 10.12957/riae.2021.63428. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/riae/article/view/63428. Acesso em: 20 abr. 2024.