A PEDAGOGIA VISUAL COMO FUNDAMENTAL NA EDUCAÇÃO DE SURDOS: SIGNIFICAÇÕES DO CORPO E AS EXPERIÊNCIAS VISUAIS DOS ALUNOS SURDOS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.12957/riae.2021.55381

Palavras-chave:

Visualidade, Educação de surdos, Perspectiva histórico-cultural

Resumo

Partindo do princípio de que as práticas pedagógicas embasadas na experiência visual contribuem para um melhor aprendizado dos alunos surdos, este estudo investigou o uso do corpo como estratégia de mediação pedagógica durante a implementação do protocolo do Livro Digital Acessível (LDA) em duas turmas de surdos matriculados no 3º ano do Ensino Fundamental I em uma escola pública de Duque de Caxias/RJ que adota como proposta pedagógica o Bilinguismo. Pretende-se neste texto analisar as representações visuais sobre o corpo enquanto suporte visual no processo de ensino e aprendizagem. A metodologia desta pesquisa embasou-se na perspectiva histórico-cultural (FREITAS, 2002; SOUZA, 2001), com viés da pesquisa participante (TRIPP, 2005). Participaram do estudo três professoras da educação básica e quatro alunos surdos. Conclui-se que explorar o corpo enquanto recurso visual nas significações do mundo contribuiu para que os conteúdos fossem compreendidos pelos alunos; o corpo enquanto marca cultural carrega as impressões sociais e que a mediação pedagógica foi fundamental para que os assuntos abordados em aula fossem compreendidos.

Biografia do Autor

Ellen Midiã Lima da Silva Gomes, Univesidade do Estado do Rio de Janeiro

Mestra em Educação, Cultura e Comunicação pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (PPGECC/UERJ). E-mail: ellenmidia@gmail.com. ORCID: https://orcid.org/0000-0001-8812-6529

Thaisy Bentes, Universidade Federal de Roraima

Mestra em Estudos da Tradução pela Universidade de Brasília. Professora do Curso Letras Libras Bacharelado da Universidade Federal de Roraima. Líder do Grupo de Estudo e Pesquisa em Tradução e Interpretação Intermodal-TradIIn/UFRR. E-mail: thaisy.bentes@ufrr.br. ORCID: https://orcid.org/0000-0002-4449-1927

Hector Renan da Silveira Calixto, Universidade Federal do Oeste do Pará

Mestre em Educação, Cultura e Comunicação pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (PPGECC/UERJ). Professor do Instituto de Ciências da Educação da Universidade Federal do Oeste do Pará (ICED/UFOPA). Co-líder do Grupo de Estudos e Pesquisa sobre Educação de Surdos – GESPES/UFOPA. Email: hector.calixto@ufopa.edu.br. ORCID: https://orcid.org/0000-0002-4227-6625

Referências

ALBRES, N. de A. A construção dos sinais e sua mobilidade específica. In: LACERDA, C. B. F. de; SANTOS, L. F. dos. (Org.) Tenho um aluno surdo, e agora? Introdução à Libras e educação de surdos. São Carlos: Edufscar, 2014. p. 81 – 98.

ALMEIDA, S. D’ A. Atendimento educacional especializado: análise das concepções de bilingüismo por profissionais da Escola Municipal Santa Luzia em Duque de Caxias/RJ. 2014. Dissertação (Mestrado em educação) - Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Nova Iguaçu, 2014.

ARAÚJO, C. C. M; LACERDA, C. B. F. Linguagem e desenho no desenvolvimento da criança surda: implicações histórico-culturais. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 15, n. 4, p. 695-703, out./dez. 2010.

ARAÚJO, C. C. M; LACERDA, C. B. F. Atividades simbólicas e o desenvolvimento inicial da escrita da criança surda bilíngue. In BERBERIAN, A. P; ANGELIS, C. M; MASSI, G (Orgs). Letramento: referencias em saúde e educação São Paulo: Plexus, 2006. p. 221- 243.

BOGDA, R.; BIKLEN, S. K. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos, Porto, Portugal, Porto editora, 1994. (Coleção ciências da educação).

BOURDIEU, Pierre. O camponês e seu corpo. Revista de sociologia e política, Curitiba, n. 26, 2006.

BRASIL. Decreto n. 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei no 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras, e o art. 18 da Lei no 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Disponível em:<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato20042006/2005/Decreto/D5626.htm>. Acesso em 10 abr. 2018.

CAMPELLO, Ana Regina e Souza. Aspectos da visualidade na educação de surdos. 2008. Tese (Doutorado) - Universidade Federal de Santa Catarina, 2008.

CAMPOS, M. de L. I. L. Educação inclusiva para surdos e as políticas vigentes. LACERDA, C. B. F. de; SANTOS, L. F. dos. (Org.) Tenho um aluno surdo, e agora? Introdução à Libras e educação de surdos. São Carlos: Edufscar, 2013. p. 37 – 62.

CLOT, Y. Legesteest-il transmissible. Apprendre autrement aujourd’hui, Dixièmesentretiens de laVillette, v. 24, 1999.

COSTA, M. T. M de S; SILVA, D. N. H; SOUZA, F. F. Corpo, atividades criadoras e letramento. São Paulo, Summus, 2013.

DAINEZ, D.; SMOLKA, A. L. B. Condições de desenvolvimento humano, educação (inclusiva) e psicologia histórico-cultural: inspirações, inquietações e implicações. REUNIÃO DA ANPED, v. 35, 2012.

DAINEZ, D; SMOLKA, A. L. B. O conceito de compensação em Vigotiski com Adler: desenvolvimento humano, educação e deficiência. Educ. Pesquisa, São Paulo, v. 40, n.4, p. 1093-1108, 2014.

FANTI, M. da G. C. A linguagem em Bakhtin: pontos e pespontos. Veredas-Revista de Estudos Linguísticos, v. 7, n. 1-2, 2003.

FONTANA, R. A. C. Mediação pedagógica na sala de aula. Campinas, Autores Associados, 1996.

FREITAS, M. T. de A. A abordagem sócio-histórica como orientadora da pesquisa qualitativa. Cadernos de pesquisa, n.1, p.21-39, 2002.

GOÉS, M. C. R, de. A abordagem microgenética na raiz histórico-cultural: uma perspectiva para o estudo da constituição da subjetividade. CEDES, n.50, 2000.

GOÉS, M. C. R; CAMPOS, M. de L. I. Aspectos da gramática da Libras. LACERDA, C. B. F. de; SANTOS, L. F. dos. (Org.) Tenho um aluno surdo, e agora? Introdução à Libras e educação de surdos. São Carlos: edufscar, 2014. p. 65 – 89.

HARRISON, K. M. P. Libras: apresentando a língua e suas características. (Org.) Tenho um aluno surdo, e agora? Introdução à Libras e educação de surdos. São Carlos: Edufscar, 2014. p. 27 – 36.

LACERDA, C. B. F. de; SANTOS, L. F. dos; CAETANO, J. F. Estratégias metodológicas para o ensino de alunos surdos. (Org.) Tenho um aluno surdo, e agora? Introdução à Libras e educação de surdos. São Carlos: Edufscar, 2014. p. 185-200.

LACERDA, C. B. F. de; SANTOS, L. F. dos; LODI, A. C. B.; GURGEL, T. Educação inclusiva bilíngue par alunos surdos: pesquisa e ação em uma rede pública de ensino (Orgs) Escola e Diferença: caminhos para educação bilíngue de surdos. São Carlos: EdUFSCar, 2016. p 13-28.

LEBEDEFF, T. R. Aprendendo “a ler” com outros olhos: relatos de oficinas de letramento visual com professores surdos. Cadernos de Educação (UFPel), v. 36, p. 175-196, 2010.

MARTINS, L. M. N; LINS, H. A. de M. Tecnologia e educação de surdos: possibilidades de intervenção. Nuances: estudos sobre Educação, v. 26, n. 2, p. 188-206, 2015.

MARZANO-PARISOLI, M. M. Pensar o corpo. Petrópolis, RJ: Vozes, 2004.

OLIVEIRA, M. K. de. Vygotsky: Aprendizado e desenvolvimento: um processo sócio-histórico. São Paulo: Scipione, 1998.

PLETSCH, M. D; SOUZA, F. F. de; ORLEANS, L. F. A diferenciação curricular e o desenho universal na aprendizagem como princípios para a inclusão escolar. Revista Educação e Cultura Contemporânea, v. 14, n. 35, p. 264-281, 2017.

QUADROS, R. M. Educação de surdos: efeitos de modalidade e práticas pedagógicas. MENDES, EG; ALMEIDA, MA.; WILLIAMS, LCA (Org.). Temas em educação especial, 2014. p. 55-60.

QUADROS, R. M; KARNOPP, L. B. Língua de Sinais Brasileira; estudos lingüísticos. Porto Alegre: Artmed. 2004.

RIO DE JANEIRO. Secretaria Municipal de Educação. Multieducação: Relações de Ensino. Rio de Janeiro, 2007. (Série Temas em Debate).

SANTANA, F. D; BARONI, V. As raízes marxistas do pensamento de Vigotski: contribuições teóricas para a psicologia histórico-cultural. Kínesis, v. 6, n. 12, 2014.

SANTANA, F. D; BARONI, V. As raízes marxistas do pensamento de Vigotski: contribuições teóricas para a psicologia histórico-cultural. Kínesis, v. 6, n. 12, 2014.

SILVA, O. M. da. A epopéia ignorada: a pessoa deficiente na história do mundo de ontem e de hoje. Centro São Camilo de Desenvolvimento em Administração da Saúde, 1987.

SMOLKA, A. L. B; LAPLANE, A. N; NOGUEIRA, A. L. H; BRAGA, E. S. Relações de ensino. Rio de Janeiro, 2007.

SOARES, C. L. Corpo, conhecimento e educação: notas esparsas. In: SOARES, C. L. (Org.) Corpo e História. Campinas, Sp: Autores associados, 2001. p. 108-129.

SOUZA, F. F. de. O corpo dança: com(tra)dições e possibilidades de sujeitos afásicos. 2001. Dissertação (Mestrado em educação) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, São Paulo.

SOUZA, F. F; DAINEZ. D.; MAGIOLINO. L. L. S. Educação e Desenvolvimento Humano: Modos de Mediação e Participação nos Meandros das Práticas Educacionais Inclusivas. In: PLETSCH, M. D.; MENDES, G. M. L.; HOSTINS, R. C. L. (orgs.). A escolarização de alunos com deficiência intelectual: políticas, práticas e processos cognitivos. Editora M&M/ ABPEE, São Carlos, 2015, p. 15-30.

SKLIAR, C. Os Estudos Surdos em Educação: problematizando a normalidade. In: SKLIAR, C. (Org.) A Surdez: um olhar sobre as diferenças. 2. ed. Porto Alegre: Mediação, 2001, p. 7-32.

TRIPP, D. Pesquisa-ação: uma introdução metodológica. São Paulo: Educação e Pesquisa, v.31, n.3, p. 443-466, 2005.

VIGOTSKI, L. S. A construção do pensamento e da linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

VIGOTSKI, L. S. Semionovitch. Obras Escogidas V. Fundamentos de defectologia. Madrid: Visor, 1996.

VIGOTSKI, L. S. Quarta aula: a questão do meio na pedologia1, 2. Tradução de Márcia Pileggi, 2010.

VIGOTSKI, L. S. Pensamento e Linguagem. Rio de Janeiro: Martins Fontes, 1998.

Downloads

Publicado

20-12-2021

Como Citar

GOMES, Ellen Midiã Lima da Silva; BENTES, Thaisy; DA SILVEIRA CALIXTO, Hector Renan. A PEDAGOGIA VISUAL COMO FUNDAMENTAL NA EDUCAÇÃO DE SURDOS: SIGNIFICAÇÕES DO CORPO E AS EXPERIÊNCIAS VISUAIS DOS ALUNOS SURDOS. Revista Interinstitucional Artes de Educar, [S. l.], v. 7, n. 3, p. 1713–1731, 2021. DOI: 10.12957/riae.2021.55381. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/riae/article/view/55381. Acesso em: 13 jun. 2024.