RELATO DE EXPERIÊNCIA: A CONSTRUÇÃO DE JOGOS NO ENSINO-APRENDIZAGEM NO ENSINO SUPERIOR DE BIOQUÍMICA.

Autores

DOI:

https://doi.org/10.12957/riae.2021.54800

Palavras-chave:

Jogos, Ensino-aprendizagem, Metodologias Ativas.

Resumo

Os jogos com objetivos pedagógicos demonstram a sua importância, pois amparam situações de ensino‐aprendizagem e incrementam a construção da cognição do estudante. O presente trabalho teve o objetivo de relatar a construção de um jogo como ferramenta de motivação, aprendizagem criativa e de compreensão de conceitos no processo de aprendizagem da bioquímica, usando um tabuleiro humano no qual os peões foram um dos integrantes dos times formados na turma. Foi identificado, um certo grau de dificuldade de colocar em prática atividades criativas e que exigiam autonomia e protagonismo dos estudantes, por outro lado, superada as dificuldades, observou-se um excelente trabalho colaborativo dos alunos.

Referências

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS.

ALENCAR, E. M. L. S. Criatividade. Brasília: Editora da Universidade de Brasília, 1995.

ALENCAR, E. M. L. S. Mastering creativity for education in the 21st century. Palestra proferida no 13th Biennial Conference, World Council for Gifted and Talented Children, Istambul, Turquia, 1999a.

ALENCAR, E. M. L. S. Criatividade e a educação do superdotado. Petrópolis: Vozes, 2001.

ALENCAR, E. M. L. S.; FLEITH, D. S. Criatividade. Múltiplas perspectivas. Brasília: Editora UnB, 2003.

ANDRADE, R. S. B.; SILVA, A. F.S.; ZIERER, M. S. Avaliação das dificuldades de aprendizado em Bioquímica dos discentes na Universidade Federal do Piauí. Revista de Ensino de Bioquímica, v. 15, n. 1, 2017.

AOKI, J. M. N. As tecnologias de informação e comunicação na formação continuada de professores. EDUCERE - Revista da Educação, v. 4, p. 43-54, 2000.

BASSALOBRE, J. Ética, Responsabilidade Social e Formação de Educadores. Educação em Revista. Belo Horizonte, v. 29, n. 01, p. 311-317, 2013.

BURKE, Brian. Gamefy: how gamification motivates people to do extraordinary things. New York, NY: Bibliomotion Inc., 2014.

EDUCAUSE. Things you should know about flipped classrooms, 2012. Disponível em: <http://net.educause.edu/ir/library/pdf/eli7081.pdf.> Acessado em: 28 de fevereiro de 2019.

FLEMING, N. D. Teaching and learning styles: VARK strategies. Christchurch, New Zealand: N. D. Fleming, 2001.

FUJITA, J. A. L. M.; CARMONA, E.V.; SHIMO, A. K. K.; MECENA, E. H. Uso da metodologia da problematização com o Arco de Maguerez no ensino sobre brinquedo terapêutico. Rev Port Educação [Internet], v. 29, p. 229-558, 2016.

JÓFILI, Z. Piaget, Vygotsky, Freire e a construção do conhecimento na escola. Educação: Teorias e Práticas. v. 2, n. 2, p. 191-208, 2002.

KRASILCHIK, M. Prática de ensino de biologia. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2004.

MELO, A. V. F. Jogo pedagógico, Brasil e sua dinâmica territorial: educação lúdica em geografia. Universidade Cruzeiro do Sul, 2008. Disponível em: http://observatoriogeograficoamericalatina.org.mx/egal12/Ensenanzadelageografia/Investigacionydesarrolloeducativo/77.pdf Acesso em: 14/06/2020.

MUNIZ, L.S.; MARTÍNEZ, A. M. A expressão da criatividade na aprendizagem da leitura e da escrita: um estudo de caso. Educ. Pesqui., São Paulo, v. 41, n. 4, p. 1039-1054, 2015.

PEREIRA, R. F; FUSINATO, P. A; NEVES, M. C. D. Desenvolvendo um jogo de tabuleiro para o ensino de física. In:VII ENPEC, Anais... p. 1-12, 2009.

PIAGET, J. A formação do símbolo na criança: imitação, jogo e sonho, imagem e representação. 2.ed. Rio de janeiro: Zahar, 1975.

SANTOS, V. T; ANACLETO, C. Monitorias como ferramenta auxiliar para aprendizagem da disciplina bioquímica: uma análise no Unileste-MG. Rev Ensino Bioquim, v. 5, n. 1, 2007.

SANTOS, W. L. P. Contextualização no ensino de ciências por meio de temas CTS em uma perspectiva crítica. Ciência & Ensino, Piracicaba, SP, v. 1, n. especial, p.1-12, 2007.

SOUZA, A. G.; ROSA, R. C. R.; ROCHA, S. F. Perfil dos estilos de aprendizagem segundo o modelo V.A.R.K numa amostra de trombonistas: um estudo piloto. In: VI Simpósio Científico da ABT, 2017.

TAPSCOTT, D.; WILLIAM, A. D. Innovating the 21st-Century University: It’s Time! Educause Review, January/February 17-29, 2010. Disponível em: <http://net.educause.edu/ir/library/pdf/ERM1010.pdf>. Acesso em: 28 de fevereiro de 2019.

ZANON, D.A.V; GUERREIRO, M.A.S.; OLIVEIRA, R.C. Jogo didático Ludo Químico para o ensino de nomenclatura dos compostos orgânicos: projeto, produção, aplicação e avaliação. Ciências e Cognição. V. 13, n. 1, p. 72-81, 2008. Disponível em: <http://www.cienciasecognicao.org/revista/index.php/cec/article/view/690/467> Acesso em: 13 de setembro de 2019.

WECHSLER, S. M. A educação criativa: possibilidades para descoberta. Em S. Castanho & M. E. Castanho (Orgs.), Temas e textos em metodologia do ensino superior (pp. 165-170). Campinas: Papirus, 2001.

WITTIZORECKI, E. S. Jogos, Recreação e Lazer. Desenvolvimento de material didático ou instrucional - Desenvolvimento de material didático ou instrucional - Vídeo-aulas. 2009.

Downloads

Publicado

20-12-2021

Como Citar

MELO, Nathalia; OLIVEIRA, Paolla; ARAÚJO, Rosangela. RELATO DE EXPERIÊNCIA: A CONSTRUÇÃO DE JOGOS NO ENSINO-APRENDIZAGEM NO ENSINO SUPERIOR DE BIOQUÍMICA. Revista Interinstitucional Artes de Educar, [S. l.], v. 7, n. 3, p. 1453–1464, 2021. DOI: 10.12957/riae.2021.54800. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/riae/article/view/54800. Acesso em: 13 jun. 2024.