A ludicidade ambiental no jogo probio: dimensões educativas nos portfólios do bioma campos sulinos como potencialidades reflexivas para a educação ambiental

Autores

DOI:

https://doi.org/10.12957/riae.2020.54600

Palavras-chave:

Educação Ambiental, Dimensões Educativas, Ludicidade Ambiental, Jogo Probio, Bioma Campos Sulinos

Resumo

O Probio ou Jogo da Biodiversidade foi lançado em 2006 pelo Ministério do Meio Ambiente, produto de um subprojeto que tinha como finalidade a elaboração de materiais educativos de educação ambiental sobre temas prioritários elencados pelo Projeto de Conservação e Utilização Sustentável da Biodiversidade Biológica Brasileira. O jogo contempla 45 pares de portfólios que retratam situações verídicas de conflito socioambiental em biomas brasileiros e as ações positivas realizadas para a resolução dos problemas exemplificados, levando em consideração a perspectiva dialógico-problematizadora. Em vista disso, o objetivo deste artigo é explorar a ludicidade ambiental como ramo reflexivo emergente do campo da educação ambiental, a fim de situar as dimensões educativas de conflito e ação presentes nos portfólios do bioma Campos Sulinos do jogo Probio. O trabalho é de natureza qualitativa e caráter exploratório, e utiliza a pesquisa documental para investigar os portfólios, os quais são aprofundados à luz da Análise de Conteúdo. A partir da análise, identificamos a emergência de cinco dimensões educativas presentes nos portfólios conflito e ação: econômica, política, social, cultural e ambiental. Essas dimensões revelam a natureza geradora dos conflitos e a compreensão sistêmica necessária para a resolução das situações-problema.

Biografia do Autor

Michel Mendes, Universidade Federal de Goiás

Professor Adjunto do Departamento de Educação em Ciências (DEC) do Instituto de Ciências Biológicas IV (ICB) da Universidade Federal de Goiás (UFG). Possui Doutorado (2019) e Mestrado (2016) em Educação no Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade de Caxias do Sul (UCS), vinculado à linha de pesquisa Educação, Linguagem e Tecnologia. Especialização - MBA em Gestão do Ensino Superior (2019) pela UCS. Graduação em Licenciatura e Bacharelado em Ciências Biológicas pela UCS (2014). Chefe do Departamento de Educação em Ciências (DEC/UFG); Membro da Comissão de Atividades de Extensão e Cultura - CAEX(ICB/UFG) e Membro do Núcleo Docente Estruturante do Curso de Licenciatura em Ciências Biológicas da UFG. E-mail: 

Francisco Catelli, Universidade de Caxias do Sul

Possui Graduação em Licenciatura em Física pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1976), Mestrado em Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1981) e Doutorado em Educação - Universite Laval (1995). Atualmente, é Professor Titular da Universidade de Caxias do Sul (UCS). É Pesquisador colaborador do Mestrado em Educação da UCS. É pesquisador do corpo permanente do Programa de Pós Graduação em Ensino de Ciências e Matemática - PPG ECiMa (UCS), Programa do qual foi Coordenador de março de 2013 a julho de 2017. 

Referências

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. (L. A. Reto e A. Pinheiro Trad.). Lisboa: Edições 70, 2002.

BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Ambiental - DCNEA (2012). In: BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Básica. Brasília: MEC, SEB, DICEI, 2013. p. 534-554. Disponível em: http://educacaointegral.org.br/wp-content/uploads/2014/07/diretrizes_curiculares_nacionais_2013.pdf. Acesso em: 19 nov. 2019.

CARVALHO, Isabel C. de M. Educação ambiental e a formação do sujeito ecológico. 5. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

CRUTZEN, Paul J.; STOERMER, Eugene F. The “Anthropocene”. Global Change Newsletter, Sweden, n. 41, p.17-18, maio. 2000. The International Geosphere–Biosphere Programme (IGBP). Disponível em: http://www.igbp.net/download/18.316f18321323470177580001401/1376383088452/NL41.pdf. Acesso em: 19 ago. 2020.

DIAS, Genebaldo F. Educação Ambiental: princípios e práticas. 9. ed. São Paulo: Gaia, 2004.

FIRMINO, Anaisa M. Trilhando a estrada de tijolos amarelos da educação ambiental com os jogos educativos. 2010. 322 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Programa de Pós-Graduação em Geografia, Instituto de Geografia, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, MG, 2010. Disponível em: http://www.ppgeo.ig.ufu.br/node/137. Acesso em: 02 out. 2019.

FORTUNA, Tânia R. O brincar, as diferenças, a inclusão e a transformação social. Atos de Pesquisa em Educação, Blumenau, v. 3, n. 3, p.460-472, dez. 2008. Disponível em: http://proxy.furb.br/ojs/index.php/atosdepesquisa/article/view/1228/890. Acesso em: 10 out. 2019.

GRÜN, Mauro. Ética e educação ambiental: a conexão necessária. Campinas, SP: Papirus,

HENNING, Paula C. Resistir ao presente: tensionando heranças modernas para pensar a Educação Ambiental. Ciênc. Educ., Bauru, v. 25, n. 3, p. 763-781, 2019. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/ciedu/v25n3/1516-7313-ciedu-25-03-0763.pdf. Acesso em: 19 ago. 2020.

HUIZINGA, Johan. Homo ludens: o jogo como elemento da cultura. Tradução de João Paulo Monteiro. 4.ed. São Paulo: Perspectiva, 2000. (Coleção estudos. Filosofia). Disponível em: http://jnsilva.ludicum.org/Huizinga_HomoLudens.pdf. Acesso em: 01 set. 2019.

JACOBI, Pedro. Educação ambiental, cidadania e sustentabilidade. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 118, p.189-205, mar. 2003. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/cp/n118/16834.pdf. Acesso em: 02 nov. 2019.

KISHIMOTO, Tizuko Morchida. O jogo e a educação infantil. São Paulo: Pioneira, 1994. (A Pré-Escola Brasileira).

KOSLOSKY, Ivana T. G. Metodologia para criação de jogos a serem utilizados na área de educação ambiental. 2000. 132 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis-SC, 2000. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/xmlui/bitstream/handle/123456789/78391/173623.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 25 nov. 2019.

LEFF, Enrique (Coord.). A complexidade ambiental. Tradução de Eliete Wolff. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

LIMA, Gustavo da C. Questão ambiental e educação: contribuições para o debate. Ambiente & Sociedade, São Paulo, n. 5, p.135-153, dez. 1999. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/asoc/n5/n5a10.pdf. Acesso em: 24 nov. 2019.

LIMA, Lauro de O. Mutações em educação segundo McLuhan. 14. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1980.

LÖWY, Michael. Crise Ecologica, Crise Capitalista, Crise De Civilização: a alternativa ecossocialista. Caderno CRH, Salvador, v. 26, n. 67, p. 79-86, 2013. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/ccrh/v26n67/a06v26n67.pdf. Acesso em: 19 ago. 2020.

MARCONI, Marina A.; Lakatos, Eva M. Fundamentos de metodologia científica. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

MARCONI, Marina A.; Lakatos, Eva M. Técnicas de pesquisa. 8. ed. São Paulo: Atlas, 2018.

MENDES, Michel. A condição humana no Antropoceno: princípios educativos para horizontes legítimos de convivência. 2019. 111 f. Tese (Doutorado) - Programa de Pós-graduação em Educação, Área do Conhecimento de Humanidades. Universidade de Caxias do Sul, Caxias do Sul, 2019. Disponível em: https://repositorio.ucs.br/xmlui/handle/11338/5110?locale-attribute=es. Acesso em: 20 ago. 2020.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - MMA. Probio I - II. Disponível em: https://www.mma.gov.br/publicacoes/biodiversidade/category/58-probio-i-serie-biodiversidade.html?start=20. Acesso em: 20 ago. 2020.

MORIN, Edgar. A via para o futuro da humanidade. Tradução de Edgar de Assis Carvalho e Mariza Perassi Bosco. 2. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2015.

RADE, Arlei V.; GESSINGER, Rosana M.; BORGES, Regina M. R. Contribuição de jogos didáticos à aprendizagem de Matemática Financeira. Acta Scientiae: Revista de Ensino de Ciências e Matemática, Canoas, v. 12, n. 2, p.125-144, 2010. Disponível em: http://www.periodicos.ulbra.br/index.php/acta/article/view/39. Acesso em: 28 nov. 2019.

ROCHA, Paulo E. D. Aplicação do Lúdico na Educação Ambiental. In: PEDRINI, A. de G. (Org.) Metodologias em Educação Ambiental. Petrópolis: Vozes, 2007, p. 95-125.

ROSA, Antonio V. Jogos educativos sobre sustentabilidade na educação ambiental crítica. 2010. 111 f. Tese (Doutorado) - Curso de Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, Programa de Pós-Graduação em Ecologia e Recursos Naturais, Universidade Federal de São Carlos, São Paulo, 2010. Disponível em: https://repositorio.ufscar.br/bitstream/handle/ufscar/1677/3097.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 15 out. 2019.

SAITO, Carlos Hiroo (Org.). Educação Ambiental PROBIO: livro do professor. Brasília: UnB-MMA, 2006.

SAUVÉ, Lucie. Educação Ambiental: possibilidades e limitações. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 2, p. 317-322, 2005. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ep/v31n2/a12v31n2.pdf. Acesso em: 10 out. 2019.

SAUVÉ, Lucie. Viver juntos em nossa terra: desafios contemporâneos da educação ambiental. Revista Contrapontos, v. 16, n. 2, p. 288-299, 2016. Disponível em: https://siaiap32.univali.br/seer/index.php/rc/article/view/8697. Acesso em: 20 ago. 2020.

SILVA, Édila D.; SCARTAZZINI, Luiz S. Jogos e desafios no ensino de Matemática: avaliação quantitativa em turmas de sexta série do ensino fundamental. Acta Scientiae: Revista de Ensino de Ciências e Matemática, Canoas, v. 8, n. 1, p. 25-33, 2006. Disponível em: http://www.periodicos.ulbra.br/index.php/acta/article/view/105. Acesso em: 28 nov. 2019.

TAYLOR, John L. UNESCO/PNUMA. Guia sobre simulacion y juegos para la educacion ambiental. Santiago, CL: OREALC-Andros, 1991. Série 2 – Educación Ambiental. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0005/000569/056905so.pdf. Acesso em: 12 set. 2019.

VANZELLA, Lila C. G. O jogo da vida: Usos e significações. 2009. 218 f. Tese (Doutorado) - Curso de Faculdade de Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009. Disponível em: https://teses.usp.br/teses/disponiveis/48/48134/tde-02092009-160733/pt-br.php. Acesso em: 02 out. 2019.

Downloads

Publicado

23-09-2020

Como Citar

MENDES, Michel; CATELLI, Francisco. A ludicidade ambiental no jogo probio: dimensões educativas nos portfólios do bioma campos sulinos como potencialidades reflexivas para a educação ambiental. Revista Interinstitucional Artes de Educar, [S. l.], v. 6, n. 3, p. 1139–1160, 2020. DOI: 10.12957/riae.2020.54600. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/riae/article/view/54600. Acesso em: 22 fev. 2024.