NARRATIVAS DE CORPOS DOCENTES NO ENCONTRO COM O UNIVERSO INFANTIL

Autores

DOI:

https://doi.org/10.12957/riae.2021.54496

Palavras-chave:

corpo, criança, relação, vínculo, brincar

Resumo

Resumo: Um corpo que se move diz sobre o que sente. Esta pesquisa quer mostrar a importância de se estar atento aos corpos das crianças, para sermos capazes de construir de forma coletiva uma relação positiva ou bom encontro. Estar aberto para perceber o que diz o corpo de uma criança ao se mover e entender que ela também é capaz de sentir o que o nosso corpo adulto expressa, traz para a consciência o fato de que os corpos dialogam de acordo com a simbologia de seus movimentos. Estar em uma relação de aprendizagem de corpo inteiro é acreditar que a qualidade dos vínculos que criamos com as crianças hoje, será a base dos vínculos que elas criarão no futuro. 

Biografia do Autor

Mariana Alonso López-López, UNIRIO/Gitaka

Educadora Física Psicomotricista Educacional Mestranda em Educação

Ana Lúcia Rodrigues da Silva, Gitaka/UNIRIO

Pedagoga, Especialista e em Educação Infantil, Transpsicomotricista e professora de Educação Infantil.

Raianne da Silva Alvez Bernardo Thomaz, Gitaka/UNIRIO

Pedagoga, Professora de Ensino Fundamental, Especialista em Educação Psicomotora e Mestranda em Educação.

Referências

Referências Bibliográficas:

BUSS-SIMÃO, Márcia. Experiências sensoriais, expressivas, corporais e de movimento na Educação Infantil. In: MORO, Catarina; VIEIRA, Daniele (org.) Leituras em Educação Infantil: contribuições para a formação docente Curitiba: NEPIE/ UFPR, 2019.

COSTA, Eduardo. (org.) Corpo Transbordante: relatos da prática transpsicomotora educacional e clínica. Rio de Janeiro: Wak Editora,2017.

ESPINOSA, Benedictus. Espinosa – Os pensadores. São Paulo: Abril Cultural, 1983.

FERRARO, Giusepe. A escola dos sentimentos - Da alfabetização das emoções à educação afetiva. Rio de Janeiro: NEFI, 2018.

FOCAULT, Michel. Vigiar e Punir. Petrópolis: Vozes, 1987.

GALVÃO, Izabel. Henri Wallon: uma concepção dialética do desenvolvimento infantil. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

GUEDES, Adrianne; LAGE, Lívia & FERREIRA, Michelle. Retratos do Cotidiano: Iluminando “pontos cegos”2 das Práticas na Educação Infantil. In: MORO, Catarina; VIEIRA, Daniele (org.) Leituras em Educação Infantil: contribuições para a formação docente Curitiba: NEPIE/ UFPR, 2019.

LAPIERRE, Anne; BATISTA, Maria Isabel; VIEIRA, J. Leopoldo. Psicomotricidade Relacional: a teoria de uma prática. CIAR, 2005.

MASTRASCUSA, Celso; FRANCH, Núria. Corpo em movimento, corpo em relação:Psicomotricidade Relacional no ambiente educativo. 1ed. São Paulo: Evangraf, 2016.

PIORSKI, Gandhy. Brinquedos do chão: A natureza, o imaginário e o brincar. São Paulo: Petrópolis, 2016.

SARMENTO, M. J. As culturas da infância nas encruzilhadas da 2ª modernidade. Braga, Portugal. Universidade do Minho. Centro de Estudos da Criança (mimeo), 2002.

SOARES, Suzana.Vínculo, movimento e autonomia.Omnisciência. São Paulo: 2017

TIRIBA, Lea. Crianças, Natureza e Educação Infantil. Tese de Doutorado. PUC, Rio de Janeiro, 2005.

TIRIBA, Lea. Crianças da Natureza. ANAIS DO I SEMINÁRIO NACIONAL: CURRÍCULO EM MOVIMENTO – Perspectivas Atuais. Belo Horizonte, novembro de 2010.

TRINDADE, Rafael. Espinosa – Origem e natureza dos afetos. Razão Inadequada. Disponível:https://razaoinadequada.com/2014/07/15/espinosa-origem-e-natureza-dos-afetos/ Acesso: 28/07/2020.

WALLON, H. A evolução psicológica da criança. Tradução de Cláudia Berliner. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

Downloads

Publicado

12-03-2021

Como Citar

LÓPEZ-LÓPEZ, Mariana Alonso; DA SILVA, Ana Lúcia Rodrigues; ALVEZ BERNARDO THOMAZ, Raianne da Silva. NARRATIVAS DE CORPOS DOCENTES NO ENCONTRO COM O UNIVERSO INFANTIL. Revista Interinstitucional Artes de Educar, [S. l.], v. 7, n. 1, p. 132–150, 2021. DOI: 10.12957/riae.2021.54496. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/riae/article/view/54496. Acesso em: 22 fev. 2024.

Edição

Seção

DOSSIÊ PEDAGOGIAS VITAIS RIBEIRO RAMALLO OGÊDA