REFLEXÕES SOBRE O PARADIGMA MILITANTE NUMA ESCOLA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.12957/riae.2021.53805

Palavras-chave:

psicologia institucional, militância, educação, êthos

Resumo

Este artigo é fruto de pesquisa qualitativa de mestrado em Psicologia Institucional e teve como campo de intervenção uma escola municipal de modalidade Educação de Jovens e Adultos, na cidade de Vitória, estado do Espírito Santo. Fez parte também de um conjunto integrados de pesquisas realizadas na mesma EMEF. O objetivo geral foi analisar como os educadores participantes estabeleciam conexões com o paradigma militante presente no cotidiano de trabalho na escola. O método utilizado foi o cartográfico e a metodologia se deu por levantamento bibliográfico, utilização de diário de campo, entrevistas e gravações de áudio. O material produzido subsidiou a realização das entrevistas semiestruturadas, além da qualificação de informações coletadas acerca da militância. Para resguardar o sigilo, tanto a escola quanto os participantes não foram identificados. Concluímos que a urgência por outros modos militantes foi demonstrada naquela escola através de um plano ético de subjetivação, cuja existência foi demonstrada em ações micropolíticas que constituíram no plano hermenêutico o seu êthos, conforme a teoria foucaultiana.

Biografia do Autor

Ligia Caroline Pereira Pimenta, Universidade Federal do Espírito Santo

Psicóloga, mestra em psicologia institucional pela Universidade Federal do Espírito Santo e doutoranda em Psicologia pela mesma universidade.

Ana Paula Figueiredo Louzada, Universidade Federal do Espírito Santo

Professora do Departamento de Psicologia e do Programa de Pós-Graduação em Psicologia Institucional da Universidade Federal do Espírito Santo

Fernando Hiromi Yonezawa, Universidade Federal do Espírito Santo

Psicólogo, mestre em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Doutor em Psicologia pela Universidade de São Paulo e Pós-doutorado em Psicologia Institucional pela Universidade Federal do Espírito Santo

Referências

ARDOINO, Jacques; LOURAU, René. As Pedagogias Institucionais. São Carlos: Rima, 2003.

ARENDT, Hannah. A condição humana. Roberto Raposo. (Tradução), 12ª Edição. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2015.

ATIVISMO. In: HOLLANDA FERREIRA, A. B. Dicionário Online. Disponível em: <https://dicionariodoaurelio.com/ativismo>. Acesso em: 17 set. 2016.

BATISTA, Jandré Corrêa. Apropriações ativistas em sites de redes sociais: cartografia das ações coletivas no twitter. Dissertação (Mestrado em Comunicação Social). Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, RS, 2012.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Organização de Alexandre de Moraes. 16.ed. São Paulo: Atlas, 2000.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Felix. 1874 – Três novelas ou o que se passou? In: G. Deleuze & F. Guattari. Mil Platôs: Capitalismo e Esquizofrenia. (A. Guerra Neto e cols. Trads.). v.3, Rio de Janeiro: Editora 34, p. 58-75.

FOUCAULT, Michel. A coragem da verdade: o governo de si e dos outros II. Eduardo Brandão (Tradução); São Paulo. Martins Fontes, 2011.

KASTRUP, Virgínia. O funcionamento da atenção no trabalho do cartógrafo. In: PASSOS, E.; KASTRUP, V.; ESCOSSIA, L. (Orgs.). Pistas do Método da Cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2012, p. 32-51.

LEMOS, Cássio Fernandes; OLIVEIRA, Andreia Machado. Mapeamento, Processo, Conexões: a cartografia como metodologia de pesquisa. Paralelo 31, v. 1, n. 8, 2017, p. 40-51.

MACHADO, Jorge Alberto. Ativismo em rede e conexões identitárias: novas perspectivas para os movimentos sociais. In: Sociologias, Porto Alegre, ano 9, nº 18, jul./dez. 2007, p. 248-285.

NEVES DA SILVA; Rosane. Ética e paradigmas: desafios da psicologia social contemporânea. In: PLONER, KS., et al., (org). Ética e paradigmas na psicologia social [online]. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais, 2008. 313 p. ISBN: 978-85-99662-85-4. Disponível em: <http://books.scielo.org/id/qfx4x>. Acesso em: 10/01/2017.

PASSOS, Eduardo; BARROS, Regina Benevides de. A cartografia como método de pesquisa-intervenção. In: PASSOS, E.; KASTRUP, V.; ESCOSSIA, L. (Orgs.). Pistas do Método da Cartogradia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2012, p. 17-31.

SCHUBERT, Fernando Pinheiro. Práticas de militância nômade: experimentações rebeldes e novas estéticas de luta no contemporâneo. Dissertação (Mestrado em Psicologia Institucional). Programa de Pós-Graduação em Psicologia Institucional, Universidade Federal do Espírito Santo, ES, 2015.

SOUZA, Janice Tirelli P. Os jovens contemporâneos e a política contra o instituído. In: GROPPO, L. A.; FILHO, M. Z.; MACHADO, O. L. (Orgs). Movimentos juvenis da contemporaneidade. Recife: Universitária da UFPE, 2008, p. 117-156.

Downloads

Publicado

20-12-2021

Como Citar

PIMENTA, Ligia Caroline Pereira; FIGUEIREDO LOUZADA, Ana Paula; YONEZAWA, Fernando Hiromi. REFLEXÕES SOBRE O PARADIGMA MILITANTE NUMA ESCOLA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS. Revista Interinstitucional Artes de Educar, [S. l.], v. 7, n. 3, p. 1579–1592, 2021. DOI: 10.12957/riae.2021.53805. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/riae/article/view/53805. Acesso em: 13 jun. 2024.