Ensino superior na perspectiva da pessoa com deficiência, condições de acesso, permanência e sucesso

Autores

DOI:

https://doi.org/10.12957/riae.2019.44857

Palavras-chave:

História Oral. Ensino superior. Deficiência

Resumo

Este artigo analisa a vivência de estudantes com deficiência em relação às condições de acesso, permanência e sucesso no percurso do ensino superior. Fundamenta-se nos pressupostos da pesquisa qualitativa e adota como fundamento teórico-metodológico a perspectiva da História Oral. O procedimento metodológico utilizado neste trabalho foi a realização de entrevistas temáticas com estudantes com deficiência matriculados no ensino superior e com representante do Núcleo de Acessibilidade de uma universidade federal. Os resultados são analisados nas seguintes categorias: o acesso de pessoas com deficiência ao ensino superior  na perspectiva dos estudantes; condições de acessibilidade e seus impactos na permanência; tecnologias assistivas e de relações sociais. Concluímos que na perspectiva dos estudantes os processos seletivos que dão acesso ao Ensino superior têm homogeneizado as deficiências o que dificulta a inserção dos estudantes na universidade. Além disso, apesar dos avanços nas políticas de inclusão e na postura da comunidade acadêmica, ainda temos ajustes a fazer, para que haja real acessibilidade no ensino superior.

Biografia do Autor

Maria Edith Romano Siems-Marcondes, Universidade Federal de Roraima / UFRR

Pedagoga, Mestre em Educação pela Universidade Federal de Roraima, Doutora em Educação Especial (educação do Indivíduo Especial) pela Universidade Federal de São Carlos. Professora do Centro de Educação da Universidade Federal de Roraima

Dafne Souza Oliveira, Universidade Federal de Roraima. Secretaria Municipal de Educação de Boa Vista/RR País Brasil

Pedagoga, licenciada pela Universidade Federal de Roraima. Professora da rede pública municipal de educação básica.

Referências

ALBERTI, V. Manual de História Oral. – 2. Ed. Ver. E atual. – Rio de Janeiro: Editora FGV, 2004.

ALBERTI, V. Tratamento das entrevistas de história oral no CPDOC. Rio de Janeiro: CPDOC, 2005.

BOSI, E. O tempo vivo da memória: ensaios de psicologia social. São Paulo: Ateliê Editorial, 2003.

CURY, C. R. J. Direito à educação: direito a igualdade, direito à diferença. In: Cadernos de pesquisa. Fundação Carlos Chagas, n. 116. São Paulo/Campinas: Autores associados, p. 245-262. 2002.

DINIZ, D.. Modelo social da deficiência: a crítica feminista. Brasília: Letras Livres. 2003. (Série Aniz, 28).

MARQUES,C. A.; MARQUES, L.P. Do universal ao múltiplo: os caminhos da inclusão. Rio de Janeiro: RJ. DP&A, 2003.

MITTLER, P. Educação inclusiva: contextos sociais. Tradução Windyz Brazão Ferreira. Porto Alegre: Artmed, 2003.

MOREIRA, L. C. Das indagações ao cotidiano da sala de aula: perspectivas de inclusão na universidade. In: Baptista C.; CAIADO, K. R. e JESUS, D. M.. (Org.). Educação Especial: diálogo e pluralidade. 01. ed. Porto Alegre: Mediação, 2008, v. 01, p. 204-213.

PIECZKOWSKI, T. M. Z. NAUJORKS, M. I. – (Orgs.). Educação, inclusão e acessibilidade: diferentes contextos. Chapecó: Argos, 2014.

SASSAKI, R. K. Nada sobre nós, sem nós: Da integração à inclusão – Parte 1. Revista Nacional de Reabilitação, ano X, n. 57, jul./ago. 2007, p. 8-16.

SILVA, Luciene Maria. A deficiência como expressão da diferença. Educação em revista. Belo Horizonte. V.44, p. 111-133. 2006

SIQUEIRA, I. M.; SANTANA, C. da S. Proposta de acessibilidade para a inclusão de pessoas com deficiências no Ensino Superior. Revista Brasileira de Educação Especial. V.16; p.127-136, jan-abr. 2010.

Downloads

Publicado

29-08-2019

Como Citar

SIEMS-MARCONDES, Maria Edith Romano; OLIVEIRA, Dafne Souza. Ensino superior na perspectiva da pessoa com deficiência, condições de acesso, permanência e sucesso. Revista Interinstitucional Artes de Educar, [S. l.], v. 5, n. 2, p. 342–359, 2019. DOI: 10.12957/riae.2019.44857. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/riae/article/view/44857. Acesso em: 22 jul. 2024.