Desde Freire: cinquenta anos de Pedagogia do Oprimido e o feminismo no Brasil

Autores

  • Rita de Cássia Machado Universidade do estado do Amazonas/UEA
  • Conceição Paludo Universidade Federal do Rio Grande do Sul/UFRGS
  • Amanda Motta Castro Universidade Federal do Rio Grande/FURG

DOI:

https://doi.org/10.12957/riae.2018.38026

Palavras-chave:

opressão, feminismo, libertação

Resumo


Esse artigo reúne uma síntese, de aspectos que as autoras já desenvolveram em outros textos, resultante de pesquisas, uma vez que ambas tem, ao longo dos anos, Paulo Freire como um referencial. Assim como traz resultados de estudos sobre as mulheres e seus movimentos, teóricos e práticos, de libertação, que foram ocorrendo através do processo histórico, tendo como recorte o Brasil. A perspectiva teórica adotada é a do materialismo histórico dialético, e o objetivo consiste em estabelecer relações entre a pedagogia do oprimido, de Paulo Freire, e a luta de libertação das mulheres. Atuar de forma articulada e coerente, nesta frente, demonstra uma compreensão profunda de que um novo Projeto de Sociedade requer homens e mulheres libertos de qualquer tipo de exploração, dominação, discriminação e de violência. Participar desta luta é o que nos faz sermos mulheres em processo de libertação porque descentradas, abertas e construtoras das possibilidades de instituição de um projeto de futuro para o Brasil e para a humanidade

Biografia do Autor

Rita de Cássia Machado, Universidade do estado do Amazonas/UEA

Professora Adjunta na Universidade do Estado do Amazonas - UEA. Pós-Doutora pelo Programa de Pós Graduação em Educação da Universidade do Vale do Rio dos Sinos - Bolsista PNPD/CAPES. Doutora em Educação pelo Programa de Pós Graduação em Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS na linha de pesquisa Trabalho, Movimentos Sociais e Educação. Onde foi professora substituta entre 2010-2012. Mestre em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Especialista em Metodologia do Ensino de Filosofia pela UNISINOS. É licenciada e Bacharel em Filosofia pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos- UNISINOS, Bacharel em Antropologia Social Latino Americana pela UNISINOS. Seus interesses de pesquisa atualmente compreende as problemáticas de Mulheres como: Trabalho, Movimentos Sociais Populares, Feminismos e Economia Feminista.

Conceição Paludo, Universidade Federal do Rio Grande do Sul/UFRGS

Possui graduação em Pedagogia, especialização em Educação Psicomotora e em Orientação Educacional, mestrado em Educação (1988) e doutorado em Educação (2000), ambos pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Atualmente é docente no curso de Licenciatura em Educação do Campo e pesquisadora na UFRGS, na Faculdade de Educação - Departamento de Estudos Básicos - e na Linha de Pesquisa Trabalho, Movimentos Sociais e Educação (TRAMSE). Atua no mestrado e doutorado. Tem trabalhado, ao longo dos anos, com processos formais ? em todos os níveis de ensino - e não formais de educação. Temas centrais trabalhados: Fundamentos da Educação; Educação Popular e Educação do Campo; Educação e Movimentos Sociais; Planejamento, Avaliação e Metodologia de Processos Formativos e Organizativos; Metodologia da Pesquisa em Educação.

Amanda Motta Castro, Universidade Federal do Rio Grande/FURG

Professora do Programa de Pós Graduação em Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul/FURG e docente do Departamento de Educação da mesma instituição. Doutora pelo programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade do Vale do Rio dos Sinos/UNISINOS; foi bolsista CAPES durante (2009-2015). É mestra em Educação (2011); Licenciada em Pedagogia (2000) e graduanda em Filosofia (2018). Realizou Estágio de doutoramento na Universidad Autonoma Metropolitana del México - UAM, no departamento de Antropologia. Com o olhar na América Latina tem‐se ocupado com os seguintes temas de pesquisa: Feminismo, Educação Popular e processos de exclusão social

Referências

ANDREOLA, Antonio Balduino. Interdisciplinaridade na obra de Freire: uma pedagogia da simbiogênese e da solidariedade. In: STRECK et all (Orgs). Paulo Freire: ética, utopia e educação. RJ: Vozes, 1999.

BEAUVOIR, Simone de.O segundo sexo . Tradução de Sérgio Milliet Rio de Janeiro : Nova Fronteira, 2002.

CASTRO, Amanda Motta. ; MACHADO, Rita de Cássia. Movimento Feminista no Brasil e América Latina: reflexões sobre educação e mulheres. contrapontos (online), v. 16, p. 22, 2016.

EGGERT, E. A graça do mundo do lado de baixo do equador. In. PEREIRA, Nancy; el alt. A graça do mundo transforma Deus. Porto Alegre: Metodista, 2006.

FARIA, N. Feminismo em movimento: temas e processos organizativos da Marcha Mundial das Mulheres no Fórum Social Mundial. Estudos Feministas, Florianópolis, UFSC. n. 11, p. 623-632, fev. 2003. Disponível em: . Acesso em: 1 jun. 2015.

FERRER, D.V. Buenos Aires: Espacio Editorial, 2011.

FIORI, Ernani Maria. Aprender a dizer a sua palavra. In FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 37. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2003.

FREIRE, Paulo. À sombra desta mangueira. São Paulo: Olho d’Água, 1995.

FREIRE, Paulo. Ação cultural para a Liberdade e outros escritos. 7. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1984.

FREIRE, Paulo. Conscientização: teoria e prática da libertação. São Paulo: Moraes, 1980.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da esperança: um reencontro com a Pedagogia do oprimido. 13. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2006.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 37. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2003.

HIERRO, Graciella. Ética de la Libertad. Cidade do México: Torres Asociados, 2007.

HUMM, Maggie. The dictionary of feminist theory. Columbus: Ohio State University Press, 1990.

HIRATA, Helena. Mundialização, divisão sexual do trabalho e movimentos feministas transnacionais. 2010. XI Conferencia Regional Sobre la Mujer de America Latina y El Caribe. Disponível em: . Acesso em: 10 jul. 2014.

_________________.Empleo, responsabilidades familiares y obstáculos socio-culturales. In: América Latina en Movimiento: Feminismo Popular para Cambiar el Mundo. Quito: Alai, v. 489, n. 10, 2013. Mensal.

HUMM, Maggie. The dictionary of feminist theory. Columbus: Ohio State University Press, 1990.

KATZ, Claudio. Neoliberalismo, neodesenvolvimentismo, socialismo. SP: Expressão Popular, 2010.

LAGARDE, Marcela. Cautiverios de las mujeres: madresposas, monjas, putas, presas y locas. 4. ed. Ciudad del México, 2011.

LAMAS Marta. Cuerpo: diferencia sexual y género. Ciudade del Mexico: Taurus, 2002. UNAM, 2011.

LIMA. Venício. Para além da alfabetização: cultura do silêncio e os 50 anos da pedagogia do oprimido, Carta Maior, 2018. Disponível em < https://www.cartamaior.com.br/?%2FEditoria%2FPolitica%2FPara-alem-da-alfabetizacao-cultura-do-silencio-e-os-50-anos-da-pedagogia-do-oprimido%2F4%2F40403#.WwsfPtgZG6c.facebook>. Acesso em 28.05.2018

MARCHA MUNDIAL DAS MULHERES (São Paulo). Caderno 9° Encontro Internacional da Marcha Mundial das Mulheres. 2006. Disponível em: /. Acesso em: 05 jun. 2015.

NUSSBAUM M. Las Mujeres y el desarrollo humano. Barcelona: Herder, 2002.

PAIXÃO, M.; EGGERT, E. A retomada do conceito de opressão por meio dos cativeiros das mulheres de Marcela Lagarde: questões para debate. Labrys (Edição em Português. On-line), 2012.

PALUDO, Conceição. Manipulação. In STRECK, D. R.; REDIN, E.; SITKOSKI, J. J. (Org.). Dicionário Paulo Freire. 2 ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2010a.

PALUDO, Conceição. Movimentos sociais e Educação Popular: atualidade do legado de Paulo Freire. In: STRECK; GHIGGI:SILVEIRA:PITANO (Org.). Leituras de Paulo Freire: contribuições para o debate pedagógico contemporâneo. Brasília: Oikos, 2010b.

SAFFIOTI, Heleieth. Gênero e patriarcado. In.: VENTURI, Gustavo; RECAMÁN, Marisol; OLIVEIRA, Suely de. A mulher brasileira nos espaços públicos e privados. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2004.

WALKER, Rebecca. Becoming the Third Wave. 1992.

Downloads

Publicado

30-10-2018

Como Citar

MACHADO, Rita de Cássia; PALUDO, Conceição; CASTRO, Amanda Motta. Desde Freire: cinquenta anos de Pedagogia do Oprimido e o feminismo no Brasil. Revista Interinstitucional Artes de Educar, [S. l.], v. 4, n. 2, p. 243, 2018. DOI: 10.12957/riae.2018.38026. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/riae/article/view/38026. Acesso em: 18 jul. 2024.