MICROAÇÕES AFIRMATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL – DIÁLOGOS COM PRÁTICAS PEDAGÓGICAS

Autores

  • Regina de fatima de Jesus Faculdade de Formação de Professores - FFP -Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ;
  • Mairce da Silva Araújo Faculdade de Formação de Professores - FFP -Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ;
  • Luciana Santiago da Silva Rede Municipal de São Gonçalo - EM Profª Zulmira Mathias Netto Ribeiro; Rede Municipal Rio de Janeiro - EDI Antonio Raposo Tavares

DOI:

https://doi.org/10.12957/riae.2015.14140

Palavras-chave:

microações afirmativas, práticas pedagógicas, relações étnico-raciais,

Resumo

Este artigo traz ao diálogo situações cotidianas oriundas da prática pedagógica que possibilitaram aprofundar a compreensão sobre o papel docente na efetivação de “microações afirmativas”, ou seja, na construção de uma prática pedagógica antirracista. A pesquisa desenvolvida durante um Mestrado em Educação buscou refletir sobre o processo de construção identitária de uma professora negra e investigar os limites e as possibilidades das contribuições da prática pedagógica para a construção de uma identidade étnico-racial de crianças pequenas, em uma escola pública. As reflexões produzidas ao longo da investigação contribuíram tanto para desvendar, quanto para enfrentar desafios teórico-práticos, que continuam a se colocar na escola e na sociedade brasileira, para a construção de referenciais positivos para a população negra.

 

Biografia do Autor

Regina de fatima de Jesus, Faculdade de Formação de Professores - FFP -Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ;

Regina de Fatima de Jesus – Doutora em Educação pela Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP (2004); Professora Adjunta do Departamento de Educação da Faculdade de Formação de Professores da Universidade do Estado do Rio de Janeiro – UERJ/FFP; Professora do Programa de Pós-Graduação Mestrado em Educação Processos Formativos e Desigualdades Sociais; Pesquisadora do Núcleo de Pesquisa e Extensão Vozes da Educação – Memórias e Histórias das Escolas de São Gonçalo, do DEDU - FFP/ UERJ.

Mairce da Silva Araújo, Faculdade de Formação de Professores - FFP -Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ;

Professora Adjunta do Departamento de Educação da Faculdade de Formação e Professores da UERJ; Professora do PPGGE Mestrado em Educação: processos formativos e desigualdades sociais, Pesquisadora do grupo de pesquisa Vozes da Educação: memória(s), história(s), formação de professores(as).

 

Luciana Santiago da Silva, Rede Municipal de São Gonçalo - EM Profª Zulmira Mathias Netto Ribeiro; Rede Municipal Rio de Janeiro - EDI Antonio Raposo Tavares

Mestre em Educação pelo PPGGE Mestrado em Educação: Processos Formativos e Desigualdades Sociais; Especialização Ensino da História e Cultura Africanas e afro-brasileiras IFRJ - SG Professora da Rede Municipal de São Gonçalo - EM Profª Zulmira Mathias Netto Ribeiro e  Rede Municipal  Rio de Janeiro - EDI Antonio Raposo Tavares;

Referências

Referências Bibliográficas

ARAÚJO, Mairce da Silva. “Cenas do cotidiano de uma escola pública: olhando a escola pelo avesso”. In: GARCIA, R.L. (org.) Método: pesquisa com o cotidiano. Rio de Janeiro, DP&A Editora, 2003.

________ (Auto)formação docente e práticas interculturais: pistas para a construção de uma escola mais democrática In: Educação, justiça e Solidariedade na construção da paz. Chaves - Portugal : Associação Portuguesa de Animação e Pedagogia, 2010, v.1, p. 330-340.

BÂ, Amadou Hampâté. A tradição viva. In: KI-ZERBO, J. (org.). História Geral da África. São Paulo: Ática. 1982.

________. Amkoullel, o menino fula. São Paulo: Palas Athena: Casa das Áfricas. 2003.

BRASIL. MEC. SEPPIR. Plano Nacional de Implementação das Diretrizes Curriculares Nacionais para Educação das Relações etnicorraciais e para o ensino de historia e cultura afrobrasileira e africana. 2009.

________. Parecer CNE/CP nº 3. 2004.

COSTA, Madu. Meninas Negras. Mazza Edições. Belo Horizonte, 2005.

CUNHA JR, Henrique. NTU. Revista Espaço Acadêmico, nº 108 – maio, 2012.

ESTEBAN, Maria Teresa, ZACCUR, Edwiges. (orgs.). Professora-pesquisadora – uma práxis em construção. Rio de Janeiro: DP&A. 125p. (Coleção O sentido da Escola), 2002.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. São Paulo/Rio de Janeiro: Paz e Terra. 23ª reimpressão. 184p. Coleção: O mundo, hoje, v. 21. 1996.

GOMES, Nilma Lino. Sem perder a raiz – Corpo e cabelo como símbolos da identidade negra. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

_______“Alguns termos e conceitos presentes no embate sobre relações raciais no Brasil: uma breve discussão”. In: Educação anti-racista: caminhos abertos pela Lei Federal nº10.639/03. Secretaria de Educação continuada. Alfabetização e diversidade. – Brasília: Ministério da Educação, 2006.

GUSMÃO, Neusa Maria Mendes de. A Lei nº 10.639/2003 e a Formação Docente: Desafios e Conquistas. In: JESUS, Regina de Fatima de, ARAÚJO, Mairce da Silva, CUNHA Jr. Henrique. (orgs.) Dez Anos da Lei Nº 10.639/03 – Memórias e Perspectivas. Fortaleza: Edições UFC, 2013. (Coleção Diálogos intempestivos)

JESUS, Regina de Fatima de. Micro-ações afirmativas – possibilidades de superação da desigualdade étnico-racial nos cotidianos escolares In: VI Congresso Brasileiro de História da Educação, Vitória - ES. Invenção, Tradição e Escritas da História da Educação no Brasil. Vitória - ES: SBHE, 2011. v.001. p.001 – 014. 2011,

JOSSO, Marie-Christine. Experiências de vida e formação. São Paulo: Cortez. 2004.

KAERCHER, Gládis E. P. Silva e ZEN, Maria I Dalla. Leituras de crianças sobre a diferença étnico-racial. 2010. http://www.anped.org.br/app/webroot/34reuniao/images/trabalhos/GT13/GT13-560%20int.pdf Acessado em junho de 2013.

MÜLLER, Tânia Mara Pedroso. Branca cor: a criança idealizada pela imprensa. In: ________; OLIVEIRA (orgs.). O negro na contemporaneidade e suas demandas. Cadernos Penesbe – Periódico do Programa de Educação sobre o Negro na Sociedade Brasileira – FEUFF Rio de Janeiro/Niterói (n.10) (janeiro/junho 2008/2010)

MUNANGA, Kabengele. Rediscutindo a mestiçagem no Brasil: identidade nacional versus identidade negra. Petrópolis, RJ: Vozes, 1999.

NÓVOA, António. Os Professores e as Histórias da sua Vida. (p. 11-30). In: _______. (org.) Vidas de Professores. Porto: Porto, 1992.

ROCHA, Margarida de Carvalho. Pedagogia da diferença: a tradição oral africana como subsídio para a prática pedagógica brasileira. Belo Horizonte: Nandyala, 2009 .

SANTOS, Boaventura de Sousa. Para além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia dos saberes. In: _______; MENESES, M. P. (org). Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez, 2010.

SILVA, Petronilha Beatriz Gonçalves e. Estudos Afro-Brasileiros: africanidades e cidadania. In: ABRAMOWICS, Anete; GOMES, Nilma Lino. (orgs.). (p 37-54). Educação e raça – perspectivas políticas, pedagógicas e estéticas. Belo Horizonte: Autêntica. 2010.

SOUZA, Elizeu Clementino. Memoriais (auto)biográficos, profissionalização docente e identidade: histórias de vida e formação na pós-graduação. In: PASSEGGI, Maria da Conceição, BARBOSA, Tatyana Mabel Nobre (orgs.) Memórias, memoriais: pesquisa e formação docente. São Paulo: Paulus, 2008.

Downloads

Publicado

26-08-2015

Como Citar

DE JESUS, Regina de fatima; ARAÚJO, Mairce da Silva; DA SILVA, Luciana Santiago. MICROAÇÕES AFIRMATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL – DIÁLOGOS COM PRÁTICAS PEDAGÓGICAS. Revista Interinstitucional Artes de Educar, [S. l.], v. 1, n. 2, p. 212–228, 2015. DOI: 10.12957/riae.2015.14140. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/riae/article/view/14140. Acesso em: 24 jul. 2024.