O JORNAL DE PESQUISA COMO DISPOSITIVO DAS REDES DA CRIAÇÃO E AUTORIA DE PROFESSORAS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.12957/redoc.2023.78335

Palavras-chave:

Pesquisa-formação – Jornal de pesquisa – Redes da criação

Resumo

O presente artigo é parte de uma pesquisa de pós-doutorado intitulada “Redes da criação e autoria de docentes universitárias em tempos de cibercultura”. O estudo foi conduzido pela bricolagem das concepções e práticas da pesquisa-formação e das redes da criação, com a abordagem da complexidade e os pressupostos da pesquisa nos/dos/com os cotidianos, em diálogo com os estudos da cibercultura e formação de professores e uso de tecnologias digitais em rede. Três praticantes professoras (PP), docentes universitárias de instituições diferentes, nos acompanharam nessa investigação. Analisamos as práticas e artefatos criados por elas em diferentes espaçostempos do ciberespaço, as suas narrativas e os documentos de processo de suas respectivas autorias. Buscamos compreender o movimento da criação das professoras no cotidiano das redes educativas. Para tal, utilizamos diferentes dispositivos de pesquisa, como os microvídeos postados no Instagram, as lives publicadas no YouTube, os livros escolhidos para análise e as nossas conversas. Mas, para este trabalho, decidimos priorizar um dos dispositivos da pesquisa, o Jornal de Pesquisa (JP), pois constatamos que ele oferece pistas sobre as maneiras como se desenvolve o processo da pesquisa-formação/redes da criação, além de apresentar alguns elementos que contribuem para a formação da professora-pesquisadora. 

Referências

ALVES, Nilda. Decifrando o pergaminho: os cotidianos das escolas nas lógicas das redes cotidianas. In: I. B. Oliveira e N. Alves, N. (Org.). Pesquisa nos/dos/com os cotidianos: sobre redes de saberes, p.15-38. Petrópolis: DP, 2008.

ARDOINO, Jacques. Abordagem multirreferencial (plural) das situações educativas e formativas. In: BARBOSA, Joaquim Gonçalves (Coord.). Multirreferencialidade nas ciências e na educação, p.24-41. São Carlos: Editora da UFSCar, 1998.

Bakhtin, Mikhail. Estética da criação verbal. 5.ed. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2010.

BARBIER, René. A pesquisa-ação. Trad. Lucie Didio. Brasília: Plano, 2007.

BARBOSA, Joaquim Gonçalves. O diário de pesquisa: entendimento e prática. In: BARBOSA, Joaquim Gonçalves & HESS, Remi (Orgs.). O diário de pesquisa: o estudante universitário e seu processo formativo. Brasília: LiberLivro, 2010.

Freire, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2011.

JOSSO, Marie Christine. Caminhar para si. Tradução A. Pozzer. Porto Alegre: EDIPUCRS,2010.

MACEDO, Roberto Sidnei. A etonopesquisa crítica e multireferencial nas ciências humanas e na educação. Salvador: EDUFBA, 2000.

______________________. Etnopesquisa crítica, etnopesquisa-formação. Brasília: Liber Livro, 2006.

_____________________. Pesquisar a experiência: compreender/mediar saberes experenciais. 1 ed. Curitiba, PR: CRV, 2015.

Morin, Edgar. Introdução ao pensamento complexo. Porto Alegre: Sulina, 2005.

NÓVOA, Antonio. Formação de professores e trabalho pedagógico. Lisboa: Educa, 2002.

______________. Prefácio. In: JOSSO, Marie Christine. Experiências de vida e formação, p. 11-17. São Paulo: Cortez, 2004.

OLIVEIRA, Rosa Meire Carvalho de. Diários públicos, mundos privados: diário íntimo como gênero discursivo e suas transformações na contemporaneidade. Dissertação (Mestrado) em Comunicação e Cultura Contemporâneas. UFBa, Faculdade de Comunicação. Bahia, 2002.

PALÁCIOS, Marcos e RIBAS, Beatriz. Manual de Laboratório de Jornalismo na internet. Salvador: EDUFBA, 2007.

SALLES, Cecília Almeida. Crítica genética: fundamentos dos estudos genéticos sobre o processo de criação artística. São Paulo: EDUC. 2008a.

___________________ Redes da criação: construção da obra de arte. 2.ed. São Paulo: Horizonte, 2008b.

___________________ Arquivos de criação: arte e curadoria. Vinhedo: Editora Horizonte, 2010.

SANTAELLA, Lúcia. Linguagens líquidas na era da mobilidade. São Paulo: Paulus, 2007.

_________________. Comunicação ubíqua: repercussões na cultura e na educação. São Paulo: Paulus, 2013.

_________________. Humanos e hiper-híbridos: linguagens e cultura na segunda era da internet. São Paulo: Paulus, 2021.

SANTOS, Edméa. Educação online: cibercultura e pesquisa-formação na prática docente. Tese (Doutorado) em Educação. Universidade Federal da Bahia, 2005.

______________Pesquisa-formação na cibercultura. Teresina: EDUFPI, 2019.

SANTOS, Edméa. e WEBER, Aline. Diários online, cibercultura e pesquisa-formação multirreferreferencial. In: E. Santos (Org.). Diários online: dispositivo multirreferencial de pesquisa formação na cibercultura, p.13-31. Coleção estudos Pedagógicos. Santo Tirso: Portugal: Whitebooks, 2014.

SILVA, Marco. Sala de aula interativa, 2ª ed. Rio de Janeiro: Quartet, 2001.

VELOSO, Maristela. Midlej Silva de Araujo e BONILLA, Maria Helena Silveira. O jornal de pesquisa e o diário de campo como dispositivos da pesquisa-formação. Interfaces Científicas – Educação, Aracaju, 6(1), pp. 47-58, 2017.

ZABALZA, Miguel Angel. Diários de aula: contributo para o estudo dos dilemas práticos dos professores. Porto-PT: Porto editora, 1994.

Downloads

Publicado

2023-08-17

Como Citar

ARAUJO VELOSO, Maristela Midlej. O JORNAL DE PESQUISA COMO DISPOSITIVO DAS REDES DA CRIAÇÃO E AUTORIA DE PROFESSORAS. Revista Docência e Cibercultura, [S. l.], v. 7, n. 1, p. 1–16, 2023. DOI: 10.12957/redoc.2023.78335. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/re-doc/article/view/78335. Acesso em: 13 abr. 2024.