OS SONS E AS CRIAÇÕES CURRICULARES COTIDIANAS NOS ‘ESPAÇOSTEMPOS’ DAS ESCOLAS E DAS CIDADES NA PANDEMIA

Autores

  • Noale de Oliveira Toja Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)/ Pesquisadora vinculada ao Grupo de pesquisa "Currículos cotidianos, redes educativas, imagens e sons" coordenado pela Profª Nilda Alves. https://orcid.org/0000-0002-1207-2795
  • Maristela Petry Cerdeira Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)/ Pesquisadora vinculada ao Grupo de pesquisa "Currículos cotidianos, redes educativas, imagens e sons" coordenado pela Profª Nilda Alves. https://orcid.org/0000-0002-1588-0149
  • Rafaela Rodrigues Conceição Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)/ Pesquisadora vinculada ao Grupo de pesquisa "Currículos cotidianos, redes educativas, imagens e sons" coordenado pela Profª Nilda Alves. https://orcid.org/0000-0001-8836-1764
  • Roberta Guimarães Teixeira Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)/ Pesquisadora vinculada ao Grupo de pesquisa "Currículos cotidianos, redes educativas, imagens e sons" coordenado pela Profª Nilda Alves. https://orcid.org/0000-0001-8836-1764
  • Talita dos Santos Malheiros Gregorio Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)/ Pesquisadora vinculada ao Grupo de pesquisa "Currículos cotidianos, redes educativas, imagens e sons" coordenado pela Profª Nilda Alves. https://orcid.org/0000-0001-9672-1862

DOI:

https://doi.org/10.12957/redoc.2023.77370

Palavras-chave:

Sons, Escola, Cidade, Criações, Conversas.

Resumo

O presente trabalho traz aprendizados do período da Covid-19, em que estivemos em isolamento social entre os anos de 2020 e 2021. (Re)descobrimos, nesse período pandêmico, alguns sons e tantos outros ritmos e melodias, nas infinitas criações que amplificaram as escutas em muitas experiências educativas, como a criação de podcasts. Configurações sonoras apresentaram-se na escola e na cidade, assinalando outras maneiras de reverberar nossas práticas de criações e de resistências para além dos muros físicos das escolas. Dessa forma, criam-se distintas possibilidades entre uma tela e outra. Nesses muitos ‘espaçostempos’ educativos, as conversas foram nosso lócus central na tessitura de ‘conhecimentossignificações’ com os cotidianos. Além de trazermos experiências escolares das aulas remotas, com usos de ferramentas vistas como artefatos culturais, passou a ser possível ‘verouvirsentirpensar’ os currículos praticados nas escolas. Dialogamos neste texto com Certeau (2014), Alves (2018, 2019, 2020, 2021, 2022), Oliveira (2012), Pallasmaa (2011), entre outros. Logo, ficou evidente o entrelaçamento de múltiplos caminhos alternativos de artefatos de criação, divulgação e circulação científica necessários às práticas docentes contemporâneas.

 

Biografia do Autor

Noale de Oliveira Toja, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)/ Pesquisadora vinculada ao Grupo de pesquisa "Currículos cotidianos, redes educativas, imagens e sons" coordenado pela Profª Nilda Alves.

Noale de Oliveira Toja
Pós-doutoranda Nota 10 – FAPERJ junto ao Programa de Pós-graduação em Educação - Universidade do Estado do Rio de Janeiro - PPGEDU/FFP-UERJ São Gonçalo. Doutora em Educação - ProPEd/ UERJ. Mestre, Educação, Cultura e Comunicação pela UERJ/FEBF / Faculdade de Educação da Baixada Fluminense. Pedagoga pela Faculdade de Formação de Professores-FFP/UERJ. Atua como professora substituta na Faculdade de Formação de Professores da UERJ campus São Gonçalo.

Maristela Petry Cerdeira, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)/ Pesquisadora vinculada ao Grupo de pesquisa "Currículos cotidianos, redes educativas, imagens e sons" coordenado pela Profª Nilda Alves.

Doutoranda em Educação pelo programa de Pós-Graduação em Educação-Proped da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Mestra em Educação pelo programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Federal do Paraná (UFPR). Graduada em Pedagogia pela Universidade Federal do Paraná. Graduada em Licenciatura Plena em Geografia pela Universidade da Região de Joinville. Possui especialização em Didática e Metodologia de Ensino pelas Faculdades Integradas do Vale do Ribeira. Atualmente, está em licença sem remuneração na rede pública Estadual de Santa Catarina. Membro do grupo de pesquisa “Currículos cotidianos, imagens e sons” coordenado pela professora Nilda Alves/UERJ.

 

Rafaela Rodrigues Conceição, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)/ Pesquisadora vinculada ao Grupo de pesquisa "Currículos cotidianos, redes educativas, imagens e sons" coordenado pela Profª Nilda Alves.

Doutoranda em Educação do Programa de Pós-Graduação em Educação – Processos Formativos e Desigualdades Sociais (PPG-EDU) da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Mestre em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação, Contextos Contemporâneos e Demandas Populares (PPGEduc) da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ). Pedagoga pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ). Atua como docente dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental no Colégio Pedro II.

Roberta Guimarães Teixeira, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)/ Pesquisadora vinculada ao Grupo de pesquisa "Currículos cotidianos, redes educativas, imagens e sons" coordenado pela Profª Nilda Alves.

Doutoranda em Educação pelo programa de Programa de Pós-Graduação em Educação – Processos Formativos e Desigualdades Sociais (PPGedu-FFP/UERJ). Mestre em Educação pela UNIRIO. Graduada em Pedagogia, também pela UNIRO, atua como pedagoga concursada na rede pública de ensino de Nilópolis e professora do Curso de Licenciatura em Pedagogia da UNIRIO.

Talita dos Santos Malheiros Gregorio, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)/ Pesquisadora vinculada ao Grupo de pesquisa "Currículos cotidianos, redes educativas, imagens e sons" coordenado pela Profª Nilda Alves.

Mestra em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da UERJ (ProPEd). Especialista em Arte, Educação e Tecnologias Contemporâneas pela UnB e em Planejamento, Implementação e Gestão da EaD pela UFF. Licenciada em Educação Artística, com habilitação em História da Arte, pela UERJ. Professora de Artes Visuais na Secretaria Municipal de Educação da cidade do Rio de Janeiro.

Referências

ALVES, Nilda; GARCIA, Regina L(Org) O Sentido da escola. Rio de Janeiro: DP&A, 1999, p. 91-100.

ALVES, Nilda. A invenção da escola a cada dia. Rio de Janeiro: DP&A, 2000.

ALVES, Nilda. Sobre as redes educativas que formamos e que nos formam. In Alves, Nilda. Práticas pedagógicas em imagens e narrativas – memórias de processos didáticos e curriculares para pensar as escolas hoje. S. Paulo: Cortez, 2019: 115 – 133.

ALVES, Nilda; OVELHA, Izadora Agueda; MELLO, Fernanda. Pesquisas na pandemia e os artefatos da cibercultura. Revista Espaço do Currículo (online). v. 14, ESPECIAL, p. 01-10, DEZEMBRO, 2021.

ALVES, Nilda; CALDAS, Alessandra Nunes; CHAGAS, Claudia; MENDONÇA, Rosa. Imagens, sons e narrativas: criar conhecimentos e formar docentes. Educação em Foco, Juiz de Fora, v. 25, n. 2, p. 223-246, jan./abr. 2020.

ALVES, Nilda; LIMA, Júlia da S.; CONCEIÇÃO, Rafaela R.; GREGORIO, Talita M. SÓ AS ARTES NOS SALVAM!!!!! – as tantas crianças que há em nós. Revista Digital do LAV, Santa Maria, v. 14, n. 2, p. 158-172, maio/ago. 2021.

ALVES, Nilda; CALDAS, Alessandra Nunes; MELLO, Fernanda Cavalcanti de; OVELHA, Izadora Agueda. A REDESCOBERTA DOS SONS - questão curricular atual. Revista Espaço do Currículo, v. 15, n. 3, p. 1-10, 2022.

ALVES, Nilda; FERRAÇO, Carlos Eduardo. Conversas em redes e pesquisas com os cotidianos: a força das multiplicidades, acasos, encontros, experiências e amizades. In: SAMPAIO, Carmen S.; RIBEIRO, Tiago; SOUZA, Rafael de (Orgs.). Conversa como metodologia de pesquisa – Por que não? Rio de Janeiro: Ayu, 2018.

CALDAS, Alessandra da Costa Barbosa Nunes. Circulação de ideias em pesquisas com os cotidianos: os necessários contatos entre os ‘praticantespensantes’ de currículos. Rio de Janeiro: ProPEd/UERJ, 2015 (tese de doutorado).

CALDAS, Alessandra da Costa Barbosa Nunes. Redes de Conhecimento e significações e a divulgação científica em educação – o caso do Jornal Eletrônico Educação & Imagem. Rio de Janeiro: ProPEd/UERJ, 2010 (dissertação de mestrado).

CARLOS, Ana Fani Alessandri. O lugar no/do mundo. São Paulo: Labur Edições, 2008.

CAVALCANTI, Lana de Souza. A geografia escolar e a cidade: ensaios sobre o ensino de geografia para a vida urbana cotidiana. Campinas: Papirus. 2008.

CAVALCANTI, Lana de Souza. O ensino de geografia na escola. Campinas: Papirus. 2012.

CERTEAU, Michel de. Práticas de Espaço. Caminhadas pela Cidade. In: A Invenção do Cotidiano. Artes de Fazer. 16ª ed. – Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia, v. 5. São Paulo: Ed. 34, 2012. p. 115-118.

GUATTARI, Félix. As três ecologias. Campinas: Papirus, 1990.

MALANSKI, Lawrence Mayer. Os sons do cotidiano: interpretação geográfica das sonoridades do Calçadão de Londrina, Paraná. Geograficidade, v. 8, Número Especial, Primavera 2018.

OLIVEIRA, Inês Barbosa de. Currículos e pesquisas com os cotidianos: o caráter emancipatório dos currículos 'pensadospraticados' pelos 'praticantespensantes' dos cotidianos das escolas. In: FERRAÇO, Carlos Eduardo; CARVALHO, Janete Magalhães (Orgs.). Currículos, pesquisas, conhecimentos e produção de subjetividades. Petrópolis: DP et al., 2012. p. 47-70.

PALLASMAA, Juhani. Os olhos da pele – a arquitetura e os sentidos. Porto Alegra: Bookman, 2011.

RANCIÈRE, Jacques. A partilha do sensível: estética e política. Tradução: Mônica Costa Netto. São Paulo: EXO Experimental / Editora 34, 2005.

SCHAFER, Murray. O ouvido pensante. São Paulo, Editora Unesp, 1991.

Downloads

Publicado

2024-01-12

Como Citar

TOJA, Noale de Oliveira; CERDEIRA, Maristela Petry; CONCEIÇÃO, Rafaela Rodrigues; TEIXEIRA, Roberta Guimarães; GREGORIO, Talita dos Santos Malheiros. OS SONS E AS CRIAÇÕES CURRICULARES COTIDIANAS NOS ‘ESPAÇOSTEMPOS’ DAS ESCOLAS E DAS CIDADES NA PANDEMIA. Revista Docência e Cibercultura, [S. l.], v. 8, n. 1, p. 30–46, 2024. DOI: 10.12957/redoc.2023.77370. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/re-doc/article/view/77370. Acesso em: 17 jul. 2024.