MEMETIZANDO A CIÊNCIA: #FRIDACONSELHEIRA COMO POSSIBILIDADE DE RESISTÊNCIA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.12957/redoc.2024.74571

Palavras-chave:

Memes. Redes sociais. Cibercultura. Gênero. Educação

Resumo

Este texto aborda a criação e divulgação de memes como problematização e resistência criativa às normas estruturais socialmente preestabelecidas em relação a questões que articulam gênero, infâncias, docência e educação. Inferimos que as redes sociais digitais impulsionam a circulação desses conteúdos, com a possibilidade de coautoria, em que praticantes da cibercultura, curtem, salvam, compartilham, editam, baixam e comentam as postagens. Para entender como ocorre essa dinâmica, analisamos alguns memes do quadro #fridaconselheira da página do Instagram @fridavaiaescola. Consideramos que os memes, como textos que operam pretextos para falar do vivido com ironia e inventividade são como outras formas de narrativas, escritas (verbais, imagéticas e/ou audiovisuais) do cotidiano e dão forma à matéria do vivido. Sugerimos que os memes que problematizam as opressões e discriminações praticados nos múltiplos espaços-tempos em que aprendemos, ensinamos e vivemos podem abrir espaços para outros modos de perceber e se relacionar no/com o mundo e para o engendramento de processos de subjetivação e modos de existência mais comprometidos com a justiça social. Defendemos, portanto, que essa forma de narrar a vida, memetizando a ciência, pode se constituir em uma forma de salvar a nossa própria pele.

Biografia do Autor

Isabela Pereira Vique, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (PROPED/UERJ) /SME-RJ

Professora de Educação Infantil da Rede Municipal de Educação da Cidade do Rio de Janeiro. Graduação em Pedagogia UERJ- Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Possui Mestrado pelo Programa de Pós-Graduação em Educação - Proped/ UERJ.Doutoranda em Educação pelo PROPED/UERJ. Integrante do Grupo de Pesquisa Currículos, Narrativas Audiovisuais e Diferença. Criadora de conteúdo da página do instagram @fridavaiaescola.

Maria da Conceição Silva Soares, Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Proped/UERJ

Maria da Conceição Silva Soares – Professora Associada da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), atuando na Faculdade de Educação e no Programa de Pós-Graduação em Educação (PROPED). Possui graduação em Jornalismo, (PUC-Rio), licenciatura em Ciências Sociais (UFRJ), mestrado e doutorado em Educação (PPGE-UFES) e pós-doutorado em Educação (UERJ). Coordenadora do Grupo de Pesquisa/CNPQ Currículos, Narrativas Audiovisuais e Diferença.

Maíra Mello Silva, Universidade do Estado do Rio de Janeiro. (Proped/UERJ)

Doutoranda e Mestre em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Proped/Uerj), 2020; bacharel em Comunicação Social/Jornalismo pela Faesa/ES, 2006. Foi repórter do jornal impresso O Fluminense, em Niterói/RJ, e assessora de comunicação em agências de comunicação em Vitória/ES, além de fotógrafa em instituições de ensino também de Vitória/ES. Atualmente, é Analista de Mídias Sociais e integrante do grupo de pesquisa Currículos, Narrativas Audiovisuais e Diferença - CUNADI/UERJ. Tem interesse em pesquisas sobre corpos dissidentes e imagem, na interseccionalidade entre gênero, raça e sexualidade.

Referências

ADICHE, Chimamanda Ngozi. Sejamos todas feministas. Tradução: Christina Baum. 1 ed. – São Paulo: Companhia das letras, 2015.

ADICHE, Chimamanda Ngozi. Para educar crianças feministas: um manifesto. Tradução: Denise Bottmann – 1 ed. – São Paulo: Companhia das letras,2017.

ALVES, Nilda; GARCIA, Regina Leite (orgs.). O sentido da escola. 5. Ed. Petrópolis: DP, 2008.

ALVES, Nilda. Decifrando o pergaminho: o cotidiano das escolas nas lógicas das redes cotidianas. In: OLIVEIRA, Inês Barbosa de; ALVES, Nilda. Pesquisa no/do cotidiano das escolas: sobre redes de saberes. Rio de Janeiro: DP&A, 2008, p.13-38.

BHABHA, Homi. O bazar global e o clube dos cavalheiros ingleses: textos seletos de Homi Bhabha/ organização: Eduardo F. Coutinho; tradução: Teresa Dias Carneiro. – Rio de Janeiro: Rocco, 2011.

BUTLER, Judith. Quadros de guerra: Quando a vida é passível de luto? 4ªe.d.. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 20018.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano: 1. Artes de fazer. Petrópolis, RJ: Vozes, 1994.

CERTEU, Michel. A cultura no plural. Campinas, SP: Papirus, 2012.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Os personagens conceituais. In: DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. O que é filosofia? Rio de Janeiro: Ed. 34, 1992. p . 81-109.

COUTO, Dilton Ribeiro. POCAHY, Fernando. CARVALHHO, Felipe S.P. ENSINAR-APRENDER COM OS MEMES: QUANDO AS ESTRATÉGIAS DE SUBVERSÃO E RESISTÊNCIA VIRALIZAM NA INTERNET. Educação – Periódicos. 2. Comunicação e Cultura – Periódicos. I. Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Faculdade de Educação da Baixada Fluminense. Programa de Pós-Graduação em Educação, Cultura e Comunicação. II. Revista Periferia CDU 37(05). Disponível Online: Ensinar-aprender com os memes: quando as estratégias de subversão e resistência viralizam na internet | Couto Junior | Periferia (uerj.br)

FRANÇA, Vera. Sujeito da comunicação, sujeitos em comunicação. In. GUIMARÃES, César; FRANÇA, Vera (orgs.) . Na mídia, na rua: narrativas do cotidiano. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

FERRAÇO, Carlos Eduardo; SOARES, Maria da Conceição Silva; ALVES, Nilda. Michel de Certeau e as pesquisas nos/dos/com os cotidianos em Educação no Brasil. Pedagogia y Saberes. Nº46. Universidad Pedagógica Nacional. Facultad de Educación, 2017, pp.7-17.

LEMOS, André. Os sentidos da tecnologia: cibercultura e ciberdemocracia. In: LEMOS, André; LÉVY, Pierre (Org). O futuro da internet: em direção a uma democracia planetária. São Paulo: Paulus, 2010.

NOLASCO-SILVA, Leonardo; SOARES, Maria da Conceição da Silva; LO BIANCO, Vittorio. Os memes e o golpe. Educação – Periódicos. 2. Comunicação e Cultura – Periódicos. I. Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Faculdade de Educação da Baixada Fluminense. Programa de Pós-Graduação em Educação, Cultura e Comunicação. II. Revista Periferia CDU 37(05). Disponível Online: OS MEMES E O GOLPE | Nolasco-Silva | Periferia (uerj.br)

NOLASCO-SILVA, Leonardo; SOARES, Maria da Conceição Silva; COSTA, Simone Gomes da. A invenção de si, do outro e da diferença sexual nas telas do YouTube: sexo e gênero como práticas sexuais. In: FILHO, Aldo Victorio; BERINO, Aristóteles; SOARES. Maria da Conceição Silva (org.) Educação e audiovisualidades. Curitiba: Appris, 2018.

NOLASCO-SILVA, Leonardo; Costa, Simone. E desde quando escola é lugar para falar de gênero? In. Vidal, Haroldo; UCELLI, Marcelo Loureiro. Educação, comunicação e diferença. – Vitória: Pedregulho, 2018.

REIS, Vinicius Leite. A produção de narrativas audiovisuais sobre e contra a homofobia em processos de formação e autoformação para docência. Dissertação (Mestrado). Universidade do Estado do Rio de Janeiro: Faculdade de Educação, 2018.

SANTAELLA, Lucia. Intersubjetividade nas redes digitais: repercussões na educação. In: PRIMO, Alex. (Org.). Interações em rede. Porto Alegre: Editora Sulina, 2013, p. 33-47.

SANTOS, Rosemary; RIBEIRO, Mayra R.F.; CARVALHO, Felipe S.P. Educação Online: aprenderensinar em rede. In: SANTOS, Edméa O.; SAMPAIO, Fábio F.; PIMENTEL, Mariano (Org.). Informática na Educação: fundamentos e práticas. Porto Alegre: Sociedade Brasileira de Computação, 2021. (Série Informática na Educação CEIE-SBC, v.1). Disponível online: https://ieducacao.ceie-br.org/educacaoonline

SILVA, Juremir Machado. Tecnologias do imaginário. Porto Alegre, Sulina, 2006.

SOARES, Conceição. Sabedoria e ética para “salvar a própria pele”. Educação & Sociedade, Campinas, v. 31, n. 110, p. 57-71, jan.-mar. 2010. Disponível em: <http://cedes.preface.com.br/>. Acesso em: 11 ago. 2021.

SOARES, Conceição. O audiovisual como dispositivo de pesquisas nos/com os cotidianos das escolas.Visualidades, Goiânia v. 14, n.1 p. 80-103, jan.-jun. 2016.Disponívelem:<https://www.revistas.ufg.br/VISUAL/article/view/43033>. Acesso em: 07 ago. 2021.

Downloads

Publicado

2024-04-19

Como Citar

PEREIRA VIQUE, Isabela; SILVA SOARES, Maria da Conceição; MELLO SILVA, Maíra. MEMETIZANDO A CIÊNCIA: #FRIDACONSELHEIRA COMO POSSIBILIDADE DE RESISTÊNCIA. Revista Docência e Cibercultura, [S. l.], v. 8, n. 3, p. 01–19, 2024. DOI: 10.12957/redoc.2024.74571. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/re-doc/article/view/74571. Acesso em: 20 jul. 2024.