NAS BRECHAS DO SISTEMA: DECOLONIALIDADE, COMUNICAÇÃO, MÍDIAS E IDENTIDADE NEGRA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.12957/redoc.2023.74431

Palavras-chave:

Decolonialidade, Comunicação, Mídia, Identidade

Resumo

A possibilidade de acesso às redes é um traço importante de democratização da comunicação e o ciberespaço é ocupado por inúmeras vozes que até então eram excluídas e invisibilizadas. No mundo físico, o controle dos meios de produção e divulgação de seus produtos ainda se concentra nas mãos de grupos muito bem caracterizados: homens brancos e cisgênero. Conceitos como o colonialismo e a colonialidade do Poder, do Ser e do Saber têm sido importantes aliados nos estudos acadêmicos para explicar essa realidade de inferiorização e de desumanização de pessoas, em especial, os negros. O pacto narcisístico da branquitude perpetua os valores e ideologias de seu grupo e impede os subalternizados de acessar as melhores posições na sociedade. Contudo as transformações políticas, econômicas e educacionais, principalmente as ocorridas nas últimas duas décadas (2000-2020), têm mudado esse cenário.  A emancipação pelo acesso à educação e o maior poder aquisitivo da população negra tem modificado o perfil das universidades e tensionando esses espaços pelo questionamento decolonial e ampliando as pesquisas que tratam das especificidades da população negra tendo as vivências desta mesma população. Neste ensaio teórico considera-se que, se no ciberespaço a presença dos corpos negros é uma realidade tangível, já nas emissoras de Tv aberta a presença de protagonistas negros que fujam dos estereótipos que desumanizam e subalternizam seus corpos tem se constituído em mais um dos desafios deste grupo contra o racismo e na direção de uma sociedade mais justa e menos desigual. Daí a importância da convergência das mídias, que, ao inserir programas televisivos nas redes sociais digitais, amplia o escopo dos interlocutores, para além da comunicação síncrona e em tempo real, e para além do território nacional, promovendo, assim, a ampliação da perspectiva de alteridade.

 

Biografia do Autor

Shirlei Alexandra da Cunha, Unifesp

Doutoranda na área de Educação

Referências

ADICHIE, Chimamanda Ngozi. O perigo de uma história única. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

BAKHTIN, Mikhail M. (1920-1974). Estética da Criação Verbal. 6. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

BENTO, Maria Aparecida Silva. Pactos narcísicos no racismo: Branquitude e poder nas organizações empresariais e no poder público. São Paulo, 2002 169p. Tese (doutorado) Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo.

BERNARDINO-Costa, Joaze; MALDONADO-Torres, Nelson; GROSFOGUEL, Ramón. (orgs.). Decolonialidade e pensamento afrodiaspórico. Belo Horizonte: Autêntica, 2018.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988.

CHAUÍ, Marilena. O que é ideologia? São Paulo: Brasiliense, 1984 – (coleção Primeiros Passos).

DIEESE – Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos. As dificuldades das mulheres chefes de família no mercado de trabalho, 2023. Disponível em: https://www.dieese.org.br/boletimespecial/2023/mulheres2023.html Acesso em: 14 mar. 2023.

EBC - Empresa Brasil de Comunicação. Entenda o que é regulamentação da mídia. Portal EBC, 2023. Disponível em: http://memoria.ebc.com.br/regulacaodamidia Acesso em: 14 mar. 2023.

EVARISTO, Conceição. A gente combinamos de não morrer. In: Evaristo, C. Olhos d’água. Rio de Janeiro: Pallas: Fundação Biblioteca Nacional. 2016.

FANON, Frantz. Pele negra, máscaras brancas. Salvador: EdUfba, 2008.

FERNANDES, Florestan. Significado do protesto negro. São Paulo: Cortez, 1989.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD Contínua) 2021. IBGE educa. Disponível em: https://educa.ibge.gov.br/jovens/conheca-o-brasil/populacao/18319-cor-ou-raca.html#:~:text=O%20IBGE%20pesquisa%20a%20cor,9%2C1%25%20como%20pretos. Acesso em 14 mar. 2023.

INEP – Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Anísio Teixeira. Censo da Educação superior. Sinopse Estatística da Educação Superior 2021. Ministério da Educação, INEP, 2021. Disponível em: https://download.inep.gov.br/informacoes_estatisticas/sinopses_estatisticas/sinopses_educacao_superior/sinopse_educacao_superior_2021.zip Acesso em 14 mar. 2023.

JENKINS, Henry. Convergence culture. New York University Press, 2006.

KELLNER, Douglas. A cultura da mídia. São Paulo: EDUSC, 2001.

LÉVY, Pierre. Cibercultura. (C. I. da Costa, Trad.). São Paulo: Ed. 34, 1999.

MALCHER, Maria Ataide; VIDAL, Marly Camargo de Barros; MOTTER, Maria Lourdes. Cidade dos Homens e Turma do Gueto: oportunidades de inovações a partir das brechas. In: Anais do VI Lusocom - Ciências da Comunicação em Congresso na Covilhã, Covilhã, 2004. Disponível em: https://www.bocc.ubi.pt/pag/malcher-maria-vidal-marly-motter-maria-cidade-dos-homens-e-turma-do-gueto.pdf Acesso em 15 mar. 2023.

OLIVEIRA, Otair Fernandes de. Intelectualidade Negra e produção do conhecimento na Educação Brasileira. In: Revista ensaios e pesquisa em Educação. Vol. 01. Segundo semestre. 2016. P. 106 – 118.

PEREIRA, Amauri Mendes. Escola-Espaço privilegiado para a construção da cultura de consciência negra. In: História da Educação do Negro e outras histórias/Organização: Jeruse Romão. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade. – Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade. 2005.

QUIJANO, Anibal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. Enlibro: A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Edgardo Lander (org). Colección Sur Sur, CLACSO, Ciudad Autónoma de Buenos Aires, Argentina.setembro 2005. pp.227-278. Disponível em: http://biblioteca.clacso.edu.ar/clacso/sur-sur/20100624103322/12_Quijano.pdf. Acesso em 14 mar. 2023.

SANTOS, Boaventura de Souza. A gramática do tempo: para uma nova cultura política. São Paulo: Cortez, 2006.

SILVA, Tatiana Dias. Ação afirmativa e população negra na educação superior: Acesso e perfil discente. Texto para Discussão, No. 2569, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), Brasília, 2020. Disponível em: https://www.econstor.eu/bitstream/10419/240764/1/td-2569.pdf Acesso em 15 mar. 2023.

Downloads

Publicado

2024-04-19

Como Citar

CUNHA, Shirlei Alexandra da. NAS BRECHAS DO SISTEMA: DECOLONIALIDADE, COMUNICAÇÃO, MÍDIAS E IDENTIDADE NEGRA. Revista Docência e Cibercultura, [S. l.], v. 8, n. 3, p. 01–17, 2024. DOI: 10.12957/redoc.2023.74431. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/re-doc/article/view/74431. Acesso em: 20 jul. 2024.