CINEMA DOCUMENTÁRIO: NEM TUDO É VERDADE

Autores

DOI:

https://doi.org/10.12957/redoc.2023.69969

Palavras-chave:

Cinema. Cinema-documentário. Representação. Linguagem cinematográfica. Efeito de realidade

Resumo

O cinema, no formato que conhecemos nos dias de hoje, teve suas primeiras exibições no final do século XIX, e pode-se perceber que o registro das imagens em movimento a partir da realidade conferem aos primeiros filmes um caráter documentário. A verossimilhança entre as imagens registradas e a realidade coloca em questão a “reprodução” e a “representação” dessa realidade. Este artigo traz algumas indagações sobre esse “efeito de realidade” que atravessa o cinema documentário, buscando situar este gênero de cinema no bojo da linguagem cinematográfica como um todo. Ao final traz uma reflexão sobre um dos filmes do documentarista Eduardo Coutinho (1933-2014) exemplificando a pretensão de afirmar que no cinema documentário nem tudo é verdade.

Biografia do Autor

Júlio César dos Santos, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás - Programa de Pós-Graduação em Educação

Graduado em Comunicação Social (UFG), Especialista em Educação Continuada e a Distância (UnB), Mestre em Tecnologia (UTFPR), Doutor em Arte e Cultura Visual (UFG). Professor/orientador no PPGE/IFG. Membro do Kadjót - Grupo insterinstitucional de estudos e pesquisas sobre as relações entre as tecnologias e a educação.

Referências

AUMONT, Jacques; MARIE, Michel. Dicionário teórico e crítico de cinema. Tradução Eloísa Araújo Ribeiro. Campinas, SP: Papirus, 2003.

ALBERA, François; TORTAJADA, Maria. Cine-dispositifs: spectacles, cinema, télévision, littérature. Lausanne, Suisse: Editions L’Age d’Homme, 2011.

BERNARDET, Jean-Claude. O que é cinema? São Paulo: Brasiliense, 2006.

FLUSSER, Vilém. Filosofia da caixa preta: ensaios para uma futura filosofia da fotografia. Tradução do autor. Rio de Janeiro: Sinergia Ledume Dumará, 2009.

ECHALAR, Jhonny David; PEIXOTO, Joana; ALVES Filho, Marcos Antonio (Orgs). Trajetórias: apropriação de tecnologias por professores da educação básica pública. Ijuí: Editora UNIJUÍ, 2020.

GAUDREAULT, André & JOST, François. A narrativa cinematográfica. Tradução de Adalberto Müller et all. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2009.

HALL, Stuart. Cultura e representação. Tradução Daniel Miranda e William Oliveira. Rio de Janeiro: Editora Apicuri e Editora PUC-RIO, 2016.

METZ, Christian; KRISTEVA, Julia; GUATARI, Félix; BARTHES, Roland. Psicanálise e Cinema. Tradução Pierre André Ruprecht. São Paulo: Global Editora, 1980.

METZ, Christian. A significação no cinema. Tradução Jean-Claude Bernardet. São Paulo: Editora Perspectiva, 2006.

RAMOS, Fernão Pessoa. Mas afinal... o que é mesmo documentário? São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2008.

RAMOS, Fernão Pessoa. A imagem-câmera. Campinas, SP: Papirus, 2012.

SANTOS, J.C. “... se eu fosse uma flor...”: o cinema como dispositivo tecnopoético produzindo simbólicos identitários de uma mulher negra. (TESE) Goiânia: UFG, 2014.

VYGOTSKY, L.S. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. Tradução José Cipolla Neto e outros. São Paulo: Martins Fontes, 1984.

WILLIAMS, Raymond. Marxismo e literatura. Tradução Waltensir Dutra. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1979.

Downloads

Publicado

2023-07-05

Como Citar

DOS SANTOS, Júlio César. CINEMA DOCUMENTÁRIO: NEM TUDO É VERDADE. Revista Docência e Cibercultura, [S. l.], v. 7, n. 1, p. 01–25, 2023. DOI: 10.12957/redoc.2023.69969. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/re-doc/article/view/69969. Acesso em: 13 abr. 2024.