SUSPIROS CURRICULARES EM TEMPOS DE PANDEMIA: ESPAÇOSTEMPOS VIRTUAIS E A FORMAÇÃO DOCENTE

Autores

DOI:

https://doi.org/10.12957/redoc.2023.66592

Palavras-chave:

Ensino remoto, Pandemia, Artefatos culturais tecnológicos, Formação docente, Currículo

Resumo

Objetiva evidenciar as produções curriculares de um grupo de professores do Ensino Fundamental do Município de Vitória/ES durante a pandemia de COVID 19 em 2020 com o isolamento social e o ensino remoto como garantia das aulas. Problematiza como ocorreu a reconfiguração dos espaçostempos escolares como virtuais. Destaca os dados produzidos via pesquisa de mestrado em andamento. Fundamenta-se nas contribuições teóricas de Kastrup (2008), Levy (2003), Gallo (2008) e, metodologicamente, apoia-se na cartografia (KASTRUP, 2008), como pesquisa-intervenção, mobilizando na produção de dados, recursos tecnológicos, como Google Meet, Murais Virtuais e aplicativos para participações coletivas, que possibilitaram conversações virtuais com professores, ampliando o compartilhamento das intensidades do momento. Destaca a relevância espaçostempos virtuais na produção educativa nas escolas, considerando a potência dos usos dos artefatos culturais tecnológicos e a potência da formação docente nesse período. Indica que em meio a um período tão singular e conturbado, foi possível produzir inventividades, currículos outros, de maneira colaborativa com o coletivo de professores e estudantes.

 

Biografia do Autor

Deluzia Daleprane Queiroz Péres, Universidade Federal do Espírito Santo

Cursa Mestrado em Educação pelo PPGMPE/UFES, na linha de Gestão e Processos Educativos. Tem como foco de pesquisa "inventividades curriculares de professores do EF em tempos de Ensino Remoto e Híbrido". Possui graduação em Pedagogia, Especialização em Informática na Educação, Filosofia e Psicanálise e Educação Profissional e Tecnológica. Atualmente é técnica assessora na Gerência de Formação e Desenvolvimento em Educação da SEME/PMV, coordenando processos formativos. É professora de Informática Educativa na Prefeitura Municipal de Vitória, além de atuar como tutora a distância do Centro de Referência em Formação e em Educação a Distância (CEFOR) do Instituto Federal do Espírito Santo (IFES). Trabalha no Ensino Superior, ministrando diversas disciplinas para o Curso de Pedagogia. Tem experiência na área de Educação em todas as modalidades de ensino, com ênfase em Informática na Educação e Educação a Distância, atuando principalmente nos seguintes temas: formação de professores em cursos na modalidade a distância e presencial e processos de ensino e aprendizagem.

Larissa Ferreira Rodrigues Gomes, Universidade Federal do Espírito Santo

Doutora em Educação (Universidade Federal do Espírito Santo/UFES), Mestre em Educação (Universidade Federal do Espírito Santo/UFES) na linha de pesquisa "Cultura, currículo e formação de educadores". Possui Licenciatura Plena em Educação Física (Universidade Federal do Espírito Santo/UFES) e Licenciatura em Pedagogia (ISEAT). Atualmente é professora da Educação Básica Técnica e Tecnológica na UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO, no Centro de Educação Infantil CRIARTE e professora do Programa de Pós Graduação de Mestrado Profissional em Educação (PPGMPE/UFES). Coordenadora do grupo de pesquisa do CNPQ Currículos, culturas juvenis e produção de subjetividades.

Referências

ALVES, Nilda. Currículos em ‘espaçostempos’ não escolares isso existe? – redes educativas como o outro em currículo. In: SANTOS, Lucíola Licínio de Castro Paixão; FAVACHO, André Márcio Picanço. Políticas e práticas curriculares: desafios contemporâneos. Curitiba. PR: CRV, 2012.

CARVALHO, Janete Magalhães; SILVA, Sandra. Kretli. O Uso dos artefatos culturais como movimentos táticos e estratégicos, em espaços lisos e estriados, nos currículos praticados no cotidiano escolar. In: Infância, territórios & temporalidades. Revista Teias, v. 10, n. 20, PROPERJ / UERJ, 2009.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Felix. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. Tradução de Ana Lucia de Oliveira, Aurélio Guerra Neto e Célia Pinto Costa. V. 1. São Paulo: Editora 34, 2011. (Coleção TRANS)

GALLO, Sílvio. Deleuze e a educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

KASTRUP, Virginia. Simpósio 3 — estratégias de resistência e criação. Competência ética e estratégias de resistência. In GUARESCHI, N., org. Estratégias de invenção do presente: a psicologia social no contemporâneo [online]. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais, 2008. p. 120-130. ISBN: 978-85-99662-90-8.

LAZZARATO, Maurizio. As revoluções do capitalismo: a política do império. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 2006. 268 p

LEVY, Pierry (2003). Cibercultura. Tradução Carlos Irineu da Costa. 3ª reimpressão. São Paulo: Editora 34.

PREFEITURA DE VITÓRIA. SECRETARIA DE EDUCAÇÃO. Diretrizes Curriculares do Ensino Fundamental e da Educação de Jovens e Adultos. 2ª ed. Vitória, 2020.

ROLNIK, Suely. Cartografia sentimental: transformações contemporâneas do desejo. São Paulo: Estação Liberdade, 2006.

Downloads

Publicado

2023-07-05

Como Citar

PÉRES, Deluzia Daleprane Queiroz; GOMES, Larissa Ferreira Rodrigues. SUSPIROS CURRICULARES EM TEMPOS DE PANDEMIA: ESPAÇOSTEMPOS VIRTUAIS E A FORMAÇÃO DOCENTE. Revista Docência e Cibercultura, [S. l.], v. 7, n. 1, p. 01–19, 2023. DOI: 10.12957/redoc.2023.66592. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/re-doc/article/view/66592. Acesso em: 17 abr. 2024.