AS PERCEPÇÕES DOS RESIDENTES DO PROGRAMA RESIDÊNCIA PEDAGÓGICA DO IFRJ DURANTE O ENSINO REMOTO EMERGENCIAL

Autores

DOI:

https://doi.org/10.12957/redoc.2023.66300

Palavras-chave:

Formação Docente, Programa Residência Pedagógica, Ensino Remoto Emergencial

Resumo

O Programa Residência Pedagógica (PRP), financiado pela CAPES (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior), objetiva entre outras coisas, incentivar os licenciandos a exercitarem de forma ativa a relação entre teoria e prática profissional docente. O programa encontra-se no seu segundo edital, sendo esse com as atividades ocorrendo exclusivamente no formato remoto emergencial devido a pandemia da COVID-19, logo, se torna de extrema importância compreender como os residentes, bolsistas e voluntários, avaliam diversos aspectos relacionados a sua participação no programa durante esse momento excepcional. A presente pesquisa foi estruturada segundo a abordagem qualitativa, onde se utilizou como pressupostos teórico-metodológicos elementos da pesquisa exploratória sendo realizada por questionário aberto e buscamos registrar a percepção dos residentes do PRP. Foram coletadas ao todo 9 respostas, sendo 6 delas do campus Duque de Caxias e 3 do campus Nilópolis. Cinco dos residentes atuavam no Colégio Estadual Nuta Bartlet James e quatro no CIEP 170. Os dados levaram à conclusão de que o PRP tem grande importância para a prática docente, proporcionando aprendizado com experiências singulares

Biografia do Autor

Evelyn Leal de Carvalho, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio)

Mestranda em Química filiada ao Laboratório de Espectroanalítica e Eletroanalítica Aplicada (LEEA) pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio) e bolsista CNPq.

Graduada em Licenciatura em Química pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro (IFRJ). Foi residente bolsista e voluntária no Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência pomovido pela CAPES, vinculado ao IFRJ - Residencia Pedagógica. 

Formada em Técnico de Química pelo Colégio Casimiro de Abreu em Duque de Caxias.


Beatriz da Silva Esteves dos Santos, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

Mestranda em Ciência e Tecnologia de Polímeros  filiada ao Instituto de Macromoléculas Professora Eloisa Mano (IMA) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e bolsista CAPES.

Graduada em Licenciatura em Química pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro (IFRJ). Foi residente bolsista e voluntária no Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência pomovido pela CAPES, vinculado ao IFRJ - Residencia Pedagógica. 

Priscilla Miguez Sacramento, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro (IFRJ)

Graduada em Licenciatura em Química pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro (IFRJ). Foi residente bolsista e voluntária no Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência pomovido pela CAPES, vinculado ao IFRJ - Residencia Pedagógica. 

Érica Maia Ferreira, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro (IFRJ)

Graduanda em Licenciatura em Química no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro (IFRJ). Foi residente bolsista e voluntária no Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência pomovido pela CAPES, vinculado ao IFRJ - Residencia Pedagógica. 

Monalisa Cristina Gomes da Silva, Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro (Seeduc-RJ)

Mestrado em Química na área de Polímeros pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ); Graduação em Química (licenciatura) pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Atualmente, atua Professora do Estado do Rio de Janeiro nos C.E. Aydano de Almeida e C.E. Nuta Bartlet James e como Professora Preceptora do Programa Residência Pedagógica, vinculado ao IFRJ - Campus Nilópolis

Referências

BARREIRO, Iraíde Marques de Ferreira; GEBRAN, Raimunda Abou. Prática de ensino e estágio supervisionado na formação de professores. São Paulo: Avercamp, 2006.

BIAZOLLI, Caroline Carnielli; GREGOLIN, Isadora Valencise; STASSI-SÉ, Joceli Catarina. Contribuições do Programa Residência Pedagógica à Formação Inicial de Futuros Professores de Línguas: aspectos da parceria colaborativa. Form. Doc., Belo Horizonte, v. 13, n. 26, p. 155-170, jan./abr. 2021.

BRASIL. Lei nº 11.502, de 11 de julho de 2007. Modifica as competências e a estrutura organizacional da fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES, de que trata a Lei no 8.405, de 9 de janeiro de 1992; e altera as Leis nos 8.405, de 9 de janeiro de 1992, e 11.273, de 6 de fevereiro de 2006, que autoriza a concessão de bolsas de estudo e de pesquisa a participantes de programas de formação inicial e continuada de professores para a educação básica.

BRASIL. Decreto nº 8.752, de 9 de maio de 2016. Dispõe sobre a Política Nacional de Formação dos Profissionais da Educação Básica. Poder Executivo. Brasília, DF. 2016.

BRASIL. Decreto nº 8.977, de 30 de janeiro de 2017. Aprova o Estatuto e o Quadro Demonstrativo dos Cargos em Comissão e das Funções de Confiança da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - Capes e substitui cargos em comissão do Grupo-Direção e Assessoramento Superiores - DAS por Funções Comissionadas do Poder Executivo - FCPE. Poder Executivo. Brasília, DF. 2017.

BRASIL. Portaria nº 38, de 28 de fevereiro de 2018. Institui o Programa Residência Pedagógica. CAPES. Brasília, DF. 2018.

BRASIL. Portaria nº 343 de 17 de março de 2020. Dispõe sobre a substituição das aulas presenciais por aulas em meios digitais enquanto durar a situação de pandemia do Novo Coronavírus - COVID-19.

BRASIL. Resolução CNE/CP nº 2 de 10 de dezembro de 2020. Institui Diretrizes Nacionais orientadoras para a implementação dos dispositivos da Lei nº 14.040, de 18 de agosto de 2020, que estabelece normas educacionais excepcionais a serem adotadas pelos sistemas de ensino, instituições e redes escolares, públicas, privadas, comunitárias e confessionais, durante o estado de calamidade reconhecido pelo Decreto Legislativo nº 6, de 20 de março de 2020.

CETIC.BR. Dificuldade dos pais para apoiar alunos e falta de acesso à Internet foram desafios para ensino remoto, aponta pesquisa TIC Educação. Disponível em: <https://cetic.br/pt/noticia/dificuldade-dos-pais-para-apoiar-alunos-e-falta-de-acesso-a-internet-foram-desafios-para-ensino-remoto-aponta-pesquisa-tic-educacao/#:~:text=%E2%80%9COs%20dados%20desta%20edi%C3%A7%C3%A3o%20da,.br%7CNIC.br.>. Acesso em: 31 jan. 2022.

FERREIRA, Pamela Cristina Conde; SIQUEIRA, Miriam Carla Da Silva. Residência Pedagógica: um instrumento enriquecedor no processo de formação docente. Revista Práticas de Linguagem, Minas Gerais, v. 11, n. 1, p. 7-19, 01 out. 2020.

GIL, Antônio Carlos. Como Elaborar Projetos de Pesquisa. 5 Edição, São Paulo. Atlas, 2011.

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de pesquisa: planejamento e execução de pesquisas, amostragens e técnicas de pesquisas, elaboração, análise e interpretação de dados. 3.ed. São Paulo: Atlas, 1996.

RIO DE JANEIRO. Decreto n° 47.801 de 19 de outubro de 2021.Estabelece novas medidas de prevenção e enfrentamento da propagação do novo coronavírus (COVID19), em decorrência da situação de emergência em saúde, e dá outras providências. Rio de Janeiro, RJ. 2021.

RONDINI, Carina Alexandra; PEDRO, Ketilin Mayra; DUARTE, Cláudia dos Santos. Pandemia da Covid-19 e o ensino remoto emergencial: mudanças na prática pedagógica. Interfaces Científicas, v. 10, n. 1, 2020.

SILVESTRE, Magali Aparecida; VALENTE, Wagner Rodrigues. Professores em Residência Pedagógica: estágio para ensinar Matemática. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

SOUZA, Denise Trento Rebello. Formação continuada de professores e fracasso escolar: problematizando o argumento da incompetência. Educ. Pesqui., São Paulo, v. 32, n. 3, p. 477-492, dez. 2006.

Downloads

Publicado

2023-07-05

Como Citar

LEAL DE CARVALHO, Evelyn; DA SILVA ESTEVES DOS SANTOS, Beatriz; MIGUEZ SACRAMENTO, Priscilla; MAIA FERREIRA, Érica; GOMES DA SILVA, Monalisa Cristina. AS PERCEPÇÕES DOS RESIDENTES DO PROGRAMA RESIDÊNCIA PEDAGÓGICA DO IFRJ DURANTE O ENSINO REMOTO EMERGENCIAL. Revista Docência e Cibercultura, [S. l.], v. 7, n. 1, p. 01–12, 2023. DOI: 10.12957/redoc.2023.66300. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/re-doc/article/view/66300. Acesso em: 17 abr. 2024.