INSTAGRAM: UMA PROPOSTA DIGITAL PARA O ENSINO DE QUÍMICA E DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.12957/redoc.2023.66274

Palavras-chave:

Redes sociais virtuais, Tecnologias digitais de informação e comunicação, Tecnologias na educação, Ensino de Química

Resumo

O contexto pandêmico expôs uma necessidade de professores dialogarem mais com as novas tecnologias devido ao ensino remoto. Isso evidenciou ainda mais a importância de uma formação continuada ou de uma formação inicial de professores que se aproprie das tecnologias para potencializar o seu fazer docente. A Base Nacional Comum Curricular (BNCC) ressalta o uso das tecnologias em sala de aula, por ser entendida como ferramenta fundamental para o mundo moderno, influenciando consideravelmente nas formas de trabalho, comunicação, relacionamento e aprendizagem. Em meio as Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação (TDICs), as redes sociais podem surgir como um meio complementar para aproximar o cotidiano dos alunos aos conteúdos de química. O presente trabalho apresenta uma proposta de recursos adicionais de ensino de química em uma página na rede social Instagram, analisando as possibilidades do uso didático de memes da internet associado ao conteúdo de química nas publicações e do uso da ferramenta de “Teste” do Instagram Stories como ferramenta diagnostica adicional de avaliação.

Biografia do Autor

Vinício Francisco Ibiapina, Universidade Federal do Rio de Janeiro/ Bacharel em Química - Atribuições Tecnológicas e Doutorando em Química.

Graduação em Química - Atribuições Tecnológicas pelo Instituto de Química da Universidade Federal do Rio de Janeiro (2017). Atualmente é estudante de Doutorado do Programa de Pós-Graduação em Química (PGQu) do Instituto de Química da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Tem experiência na área de Química Analítica com ênfase na área de Química Analítica Qualitativa como monitor e em separação analítica de elementos presentes em resíduos multimetálicos atuando principalmente nos seguintes temas: tratamento de resíduos, pilhas, escórias de mineração, lixiviação, extração por solvente e reciclagem. Tem experiência na área de Química Inorgânica com ênfase na área de Inorgânica Experimental como monitor e tutor de disciplinas de graduação.

Monique Gonçalves, Docente Estuário da Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Doutoranda em Engenharia de Processos Químicos e Bioquímicos na Escola de Química (EQ) / UFRJ (2018). Mestre em Química (Síntese Orgânica) pelo Departamento de Química Orgânica do Instituto de Química da Universidade Federal do Rio de Janeiro (IQ / UFRJ) (2007). Pós-graduação Lato Sensu em Educação Especial e Inclusiva (2019). Especialização em "Processos de Escolarização de Alunos com Necessidades Educacionais Especiais" (2018). Graduação em Química pelo IQ / UFRJ (2004) e Licenciatura em Química também pelo IQ/UFRJ (2005). Possui experiência na área de Química, com ênfase em Química Orgânica, atuando principalmente nos seguintes temas: Planejamento e desenvolvimento de pesquisa de novos compostos orgânicos, incluindo novos fármacos com potencial atividade biológica. Experiência também em Química Inorgânica, na síntese de Compostos Organo-Metálicos e Química de Coordenação. Atuou por 10 anos na Secretaria de Estado de Educação (SEEDUC-RJ), regime 16h, como professora de química (março de 2008 a junho de 2018). Atualmente é docente em química no Instituto de Aplicação Fernando Rodrigues da Silveira (CAp UERJ), a partir de novembro de 2020. Docente em Química no Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro (ISERJ), rede FAETEC, concursada, a partir de fevereiro de 2014, regime ESTATUTÁRIO. (Coordenadora da equipe de química, a partir de 2018). Docente no Ensino Superior na Fundação Técnico Educacional Souza Marques (FTESM), a partir de setembro de 2010, nas disciplinas Análise Orgânica, Métodos Físicos, Química Orgânica I, III e IV. Professora de química no Colégio Cruzeiro Centro, a partir de fevereiro de 2015. Atualmente também tem se dedicado ao curso de Graduação em Psicologia na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), no Instituto de Psicologia.

Referências

ALMEIDA, Gilvan Jorge de. Emprego do aplicativo Whatsapp no ensino de Química. 2015. 72 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação) - Instituto de Química da Universidade de Brasília, Brasília, 2015.

AMORIM, Douglas Carvalho. Potencial pedagógico do aplicativo whatsapp no ensino de biologia: percepções dos professores. Revista Docência e Cibercultura, [S.L.], v. 4, n. 2, p. 21-42, ago. 2020. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.12957/redoc.2020.49789>. Acesso em: 11 jan. 2022.

ANVISA. AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Higienize as mãos: salve vidas. Disponível em: <https://www.anvisa.gov.br/servicosaude/controle/higienizacaoprepalcool.pdf>. Acesso em: 15 jan. 2022.

ARAÚJO, Robson Victor. O uso de redes sociais como prática no ensino de história. Jamaxi, v. 2, n. 1, 2018. Disponível em: <https://periodicos.ufac.br/index.php/jamaxi/article/view/1721>. Acesso em: 11 jan. 2022.

ARDAGH, E. G. R.; BARBOUR, A. D.; MCCLELLAN, G. E.; MCBRIDE, E. W. Distillation of Acetate of Lime. Industrial & Engineering Chemistry. v. 16, n. 11, p. 1133–1139, 1924. Disponível em: <https://doi.org/10.1021/ie50179a013>. Acesso em 14 jan. 2022.

BÖRZSEI, Linda. Makes a meme instead. The Selected Works of Linda Börzsei, p. 1-28, 2013.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, SEB, CNE, 2018, p. 7-9.

BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica. Brasília: MEC, SEB, DICEI, 2013, p. 25.

BRASIL. Ministério da Saúde. Como se proteger? 2021. Disponível em: https://www.gov.br/saude/pt-br/coronavirus/como-se-proteger. Acesso em: 08 jan. 2022.

CAMARGOS JÚNIOR, Artur Pires. Formação docente e uso de TDICs na educação básica. Brazilian Journal of Development, v. 5, n. 7, p. 9697-9704, 2019. Disponível em:

<https://doi.org/10.34117/bjdv5n7-147>. Acesso em: 12 jan. 2022.

CANDAU, Vera Maria Ferrão. Formação continuada de professores: tendências atuais. In: CANDAU, Vera Maria Ferrão (Org.). Magistério: construção cotidiana. Petrópolis: Vozes, 1997, p. 51-68.

CANDAU, Vera Maria Ferrão. Multiculturalismo e educação: desafios para a prática pedagógica. In: Antônio Flávio Moreira, Vera Maria Candau (Orgs.). Multiculturalismo: diferenças culturais e práticas pedagógicas. Petrópolis: Vozes, 2008, p. 16.

Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação (Cetic.br). Pesquisa sobre o Uso das Tecnologias de Informação e Comunicação nos Brasileiros – TIC Domicílios 2019. Coletiva de Imprensa (26 mai. 2020) Disponível em: <https://www.cetic.br/media/analises/tic_domicilios_2019_coletiva_imprensa.pdf>. Acesso em 08 jan. 2022.

CHIMENTÃO, Lilian Kemmer. O significado da formação continuada docente. In: Congresso Norte Paranaense de Educação Física Escolar, 2009, p. 3.

CORRÊA, Hércules Tolêdo; DIAS, Daniela Rodrigues. Multiletramentos e usos das tecnologias digitais da informação e comunicação com alunos de cursos técnicos. Trabalhos em Linguística Aplicada, v. 55, p. 241-262, 2016. Disponível em: <https://doi.org/10.1590/010318134964176471>. Acesso em: 11 jan. 2022.

COSCARELLI, Carla Viana; RIBEIRO, Ana Elisa. Letramento Digital. In: FRADE, Isabel Cristina Alves da Silva; VAL, Maria da Graça Costa; BREGUNCI, Maria das Graças de Castro (Orgs.). Glossário CEALE*. Termos de Alfabetização, Leitura e Escrita para Educadores. Centro de Alfabetização, Leitura e Escrita - CEALE. Faculdade de Educação da UFMG. Belo Horizonte: 2014.

DIAS-TRINDADE, Sara; FERREIRA, António Gomes. Relação entre formação docente e tecnologias digitais. Revista da FAEEBA-Educação e Contemporaneidade, v. 31, n. 65, p. 302-317, 2022.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. 17ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1986 (digital).

G1. Explosão em Beirute deixa mais de 100 mortos e 4 mil feridos. 2020. Disponível em:<https://g1.globo.com/mundo/noticia/2020/08/04/explosao-em-beirute.ghtml>. Acesso em: 19 jan. 2022.

GAMEZ, Luciano; MARQUES, Viviane Cristina. Premissas para uma proposta metodológica inovadora: psicodrama pedagógico na educação on-line. E-CURRICULUM, São Paulo, v. 19, n. 2, p. 543, 2021. Disponível em: <https://doi.org/10.23925/1809-3876.2021v19i2p543-563>. Acesso em: 12 jan. 2022.

GOHN, Daniel. Tecnofobia na música e na educação: origens e justificativas. OPUS, v. 13, n. 2, p. 161-174, 2007.

HARPER, Douglas. “Etymology of acetone.” Online Etymology Dictionary. Disponível em: <https://www.etymonline.com/word/acetone>. Acesso em: 18 jan. 2022.

INSTITUTO PENÍNSULA. Sentimento e percepção dos professores brasileiros nos diferentes estágios do Coronavírus no Brasil. 2020. Disponível em: <https://institutopeninsula.org.br/wp-content/uploads/2021/05/Diagramação-Pulso.pdf>. Acesso em: 08 jan. 2022.

LEMOS, André; LÉVY, Pierre. O futuro da internet: em direção a uma ciberdemocracia. São Paulo: Paulus, 2010, p. 21-22.

LIBÂNEO, José Carlos. Didática. São Paulo: Cortez, 2010. p. 195-218.

LIBÂNEO, José Carlos. Organização e gestão da escola: teoria e prática. Goiânia: Editora Alternativa, 2001, p. 260.

LIMA, Eduardo Henrique. As Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação (TDICs) na prática docente. 2012. Apresentação PowerPoint. Disponível em: <https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/1619961/modresource/content/1/ ARQUIVO%202.pdf>. Acesso em: 10 jan. 2022.

LOBATO, Flávia Navarro da Silva. Não é aceitável um modelo educacional em que alunos do século XXI são 'ensinados' por professores do século XX, com práticas do século XIX. Disponível em: <https://campusvirtual.fiocruz.br/portal/?q=node/28497>. Acesso em: 07 jan. 2022.

MARTINS, Vivian; ALMEIDA, Joelma. EDUCAÇÃO EM TEMPOS DE PANDEMIA NO BRASIL: saberesfazeres escolares em exposição nas redes. Revista Docência e Cibercultura, [S.L.], v. 4, n. 2, p. 215-224, 18 ago. 2020. Universidade de Estado do Rio de Janeiro. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.12957/redoc.2020.51026>. Acesso em: 14 jan. 2022.

MELLO, Elisângela de Fátima Fernandes de; TEIXEIRA, Adriano Canabarro. A interação social descrita por Vigotski e a sua possível ligação com a aprendizagem colaborativa através das tecnologias em rede. In: Anais do Workshop de Informática na Escola. 2011. p. 1362-1365.

MENDES JÚNIOR, Josino Lucindo; FEITOSA, Claudinéia; CARVALHO, Simone Carvalho Carneiro Souza. A formação continuada: por que professores da rede pública não participam de formação continuada? Algumas reflexões sobre a práxis docente. Revista eletrônica do curso de Pedagogia do Campus Jataí - UFG, Jataí. v. 2, n. 9, p. 1-14. 2010. Disponível: <https://doi.org/10.5216/rir.v2i9.1106>. Acesso em: 12 jan. 2022.

MORAN, José. Metodologias ativas e modelos híbridos na educação. In: YAEGASHI, S. F. R.; et al (Orgs). Novas Tecnologias Digitais: Reflexões sobre mediação, aprendizagem e desenvolvimento. Curitiba: CRV, 2017, p. 23-35. Disponível em: <http://www2.eca.usp.br/moran/wpcontent/uploads/2018/03/Metodologias_Ativas.pdf>.

MORAN, José. Metodologias ativas para uma aprendizagem mais profunda. Metodologias ativas para uma educação inovadora: uma abordagem teórico-prática. Porto Alegre: Penso, 2018, p. 02-25.

NANTES, Eliza Adriana Sheuer; BATTINI, Okçana; MONTEIRO, Edenar Souza; MACIEL, Cilene Maria Lima Antunes. A formação de professores e a questão do letramento digital: imbricamentos entre teoria e práticas no espaço escolar. Revista Educação Pública, v. 19, n. 2, p. 1-3, 2019.

NASCIMENTO, Maria das Graças. A formação continuada dos Professores: modelos, dimensões e problemática. In: CANDAU, Vera M. (org) Magistério: construção cotidiana. Petrópolis: Vozes, p. 69-90, 1997.

NASCIMENTO, Valdriano Ferreira do; FARIAS, Isabel Maria Sabino de; MARTINS, Alexciano de Sousa. Tecnologias da informação e comunicação na escola: apontamentos sobre uma experiência de formação. 2020. Disponível em: <https://seer.dppg.cefetmg.br/index.php/revista-et/article/download/462/878>. Acesso em: 07 jan. 2022.

NELSON, David. L.; COX, Michael. M.; LEHNINGER, Albert. L. Princípios de bioquímica de Lehninger. 6. ed. Porto Alegre: Artmed, 2014, p. 739.

NOVA, João Batista Soares Vila; ANDRADE, Alexandra Nascimento de; MORHY, Priscila Eduarda Dessimoni; GONÇALVES, Carolina Brandão. O uso do facebook nas aulas de química. Revista Labor, v. 2, n. 24, p. 604-616, dez. 2020. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.29148/labor.v2i24.44449>. Acesso em: 15 jan. 2022.

NÓVOA, Antônio. Formação de professores e profissão docente. In: NÓVOA, A. (Org.). Os professores e a sua formação. Lisboa: Dom Quixote, 1992, p. 13-33. Disponível em: <http://hdl.handle.net/10451/4758>. Acesso em 08 jan. 2022.

OLIVEIRA, Julio Lucas de. Ensinar e aprender com as tecnologias digitais em rede: possibilidades, desafios e tensões. Revista Docência e Cibercultura, v. 2, n. 2, p. 161-184, jun. 2018. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.12957/redoc.2018.33476>. Acesso em: 11 jan. 2022.

OLIVEIRA, Marcos Antônio; MALTA, Daniela Paula Lima Nunes; AQUINO, Alisson Arlindo Silva. Práticas de letramento e multimodalidade: uma análise sobre o uso do gênero “meme” na sala de aula. Revista do GELNE, v. 19, n. 2, p. 62-77, 2017. Disponível em: <https://doi.org/10.21680/1517-7874.2017v19n2ID12046>. Acesso em: 08 jan. 2022.

OPAS. Histórico da pandemia de COVID-19. 2020. Disponível em: <https://www.paho.org/pt/covid19/historico-da-pandemia-covid-19>. Acesso em: 07 jan. 2022.

PEREIRA, Jocimario Alves; DA SILVA JUNIOR, Jairo Ferreira; DA SILVA, Everton Vieira. Instagram como Ferramenta de Aprendizagem Colaborativa Aplicada ao Ensino de Química. Revista Debates em Ensino de Química, v. 5, n. 1, p. 119-131, 2019.

PESSOA, Francisco Nunes. Desafios da formação inicial docente para uso das TDIC na educação básica. REGRAD-Revista Eletrônica de Graduação do UNIVEM-ISSN 1984-7866, v. 13, n. 01, p. 31-47, 2020. Disponível em: <https://revista.univem.edu.br/REGRAD/article/view/2996>. Acesso em: 11 jan. 2022.

RAABE, André Luis Alice; RIBEIRO, Mirian Regina Pereira.. A relação mídia-educação e o desafio atual de educar para os meios. Ação Midiática – Estudos em Comunicação, Sociedade e Cultura. v. 1, n. 11, p. 141-158, 29 jun. 2016. Disponível em: < http://dx.doi.org/10.5380/2238-0701.2016n1p141-158>. Acesso em: 08 jan. 2022.

RAUPP, Daniele; EICHLER, Marcelo Leandro. A rede social Facebook e suas aplicações no ensino de química. RENOTE, v. 10, n. 1, 2012. Disponível: < https://doi.org/10.22456/1679-1916.30860>. Acesso em: 12 jan. 2022.

RECUERO, Raquel. Memes em weblogs: proposta de uma taxonomia. Conexões nas redes midiáticas. Revista FAMECOS, Porto Alegre, n. 32, p. 23-31, 2007. Disponível: <https://doi.org/10.15448/1980-3729.2007.32.3411>. Acesso em: 14 jan. 2022.

RECUERO, Raquel. Redes sociais na Internet. Porto Alegre: Sulina, 2009, p. 11.

RIGUE, Fernanda Monteiro; CORRÊA, Guilherme Carlos. Uma genealogia da didática pelo viés da formação inicial de professores de Química no Brasil. Acta Scientiarum. Education, v. 43, p. e57322-e57322, 2021.

ROJO, Roxane; MOURA, Eduardo (Orgs.). Multiletramentos na escola. São Paulo: Parábola Editorial, 2012.

SANTOS, Débora Silva. Tecnologias de Informação e Comunicação (TICs): uma abordagem no ensino remoto de Química e Nanotecnologia nas escolas em tempos de distanciamento social. Revista Latino-Americana de Estudos Científicos, p. 15-25, 2021. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.46375/relaec.33855>. Acesso em: 11 jan. 2022.

SANTOS, Victor. Materiais impressos e outras propostas: os desafios do trabalho remoto com alunos que não têm acesso à internet. 2021. Nova Escola. Disponível em: <https://novaescola.org.br/conteudo/20487/especial-trabalho-docente-na-pandemia-atividades-impressas-e-offline>. Acesso em: 08 jan. 2022.

SILVA, Leo Victorino da. Tecnologias digitais de informação e comunicação na educação: três perspectivas possíveis. Revista de Estudos Universitários-REU, v. 46, n. 1, p. 143-159, 2020. Disponível em: <https://doi.org/10.22484/2177-5788.2020v46n1p143-159>. Acesso em: 11 jan. 2022.

SILVA, Siony da. Redes sociais digitais e educação. Revista Iluminart, v. 1, n. 5, 2010.

SOUSA, Rana Rose Rico Martins Borges de. Potencialidades educacionais do ciberespaço: uma reflexão sobre a utilização das redes sociais virtuais em práticas de ensino. Revista Educação Pública, v. 20, n. 45, 2020.

SOUZA, Carlos Fabiano de. Memes: formações discursivas que ecoam no ciberespaço. VÉRTICES, v.15, p. 127-148, 2013. Disponível em: < https://doi.org/10.5935/1809-2667.20130011>. Acesso em: 11 jan. 2022.

SOUZA, Jaqueline Corrêa Godinho. Integração das TDICs na Educação: Espaços Digitais. Revista Científica FESA, v. 1, n. 2, p. 74-88, 2021.

TODOS PELA EDUCAÇÃO. O que são e para que servem as diretrizes curriculares? 2018. Disponível em: <https://todospelaeducacao.org.br/noticias/o-que-sao-e-para-que-servem-as-diretrizes-curriculares>. Acesso em: 14 jan. 2022.

TORRES, Ton. O fenômeno dos memes. Ciência Cultura, São Paulo, v. 68, n. 3, p. 60-61, 2016. Disponível: <http://dx.doi.org/10.21800/2317-66602016000300018>. Acesso em: 12 jan. 2022.

UNA-SUS. Organização Mundial de Saúde declara pandemia do novo Coronavírus: mudança de classificação obriga países a tomarem atitudes preventivas. 2020. Disponível em: https://www.unasus.gov.br/noticia/organizacao-mundial-de-saude-declara-pandemia-de-coronavirus. Acesso em: 07 jan. 2022.

VALENTE, José Armando. A comunicação e a educação baseada no uso das tecnologias digitais de informação e comunicação. UNIFESO-Humanas e Sociais, v. 1, n. 01, p. 141-166, 2014.

VALENTE, José Armando; DE ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini; GERALDINI, Alexandra Fogli Serpa. Metodologias ativas: das concepções às práticas em distintos níveis de ensino. Revista Diálogo Educacional, v. 17, n. 52, p. 455-478, 2017. Disponível em: <https://doi.org/10.7213/1981-416X.17.052.DS07>. Acesso em: 09 jan. 2022.

VASCONCELOS, Francineide Henrique de; LOPES, Mario Marcos. Facebook: um instrumento auxiliador no processo de ensino e aprendizagem de Língua Portuguesa. Revista Educação Pública, v. 21, n. 20, 2021.

Downloads

Publicado

2023-07-05

Como Citar

IBIAPINA, Vinício Francisco; GONÇALVES, Monique. INSTAGRAM: UMA PROPOSTA DIGITAL PARA O ENSINO DE QUÍMICA E DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA. Revista Docência e Cibercultura, [S. l.], v. 7, n. 1, p. 01–25, 2023. DOI: 10.12957/redoc.2023.66274. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/re-doc/article/view/66274. Acesso em: 17 abr. 2024.