“ENFRENTAR O VÍRUS COMO HOMEM E NÃO COMO MOLEQUE”: QUANDO A MASCULINIDADE TÓXICA SE TORNA GENOCIDA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.12957/redoc.2022.62923

Palavras-chave:

Masculinidades. Discurso. Performatividade. Pandemia. Bolsonaro.

Resumo

Este artigo buscou problematizar sentidos da masculinidade em discursos enunciados pelo presidente Jair Bolsonaro sobre a pandemia da COVID-19 no Brasil, destacando os efeitos performativos que contribuíram com o agravamento da pandemia no país e pela legitimação da (re)produção da masculinidade tóxica na sociedade. Para isso, o texto fundamenta-se nos estudos pós-estruturalistas por autores como Michel Foucault, Jacques Derrida, Judith Butler, entre outros na discussão sobre as categorias discurso, linguagem e masculinidade. Finaliza-se o texto com uma breve reflexão sobre a importância do campo educacional nas disputas por significações em torno das masculinidades, problematizando as possibilidades de tensionamento da masculinidade tóxica.

Biografia do Autor

Leandro Teofilo de Brito, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Professor Adjunto da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Doutor e Pós-doutor em Educação pelo Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (ProPEd-UERJ)

Referências

ARTES, Amélia Cristina Abreu; CARVALHO, Marília Pinto de. O trabalho como fator determinante da defasagem escolar dos meninos no Brasil: mito ou realidade? Cadernos Pagu, Campinas, v. 34, p. 41-74, jan./jun. 2010. Disponível em: https://bit.ly/3xP5Wjm. Acesso em: 17 ago. 2021.

BORRILLO, Daniel. Homofobia: história e crítica de um preconceito. Belo Horizonte: Autêntica, 2010.

BRITO, Leandro Teofilo de. Performances de masculinidades na História da Educação Física em fins do século XIX. Revista Dia-Logos, Rio de Janeiro, v. 10, 2, p. 41-51, jul./dez. 2016. Disponível em: https://bit.ly/37PBnj1. Acesso em: 17 ago. 2021.

BRITO, Leandro Teofilo de; COUTO JUNIOR, Dilton Ribeiro. Performatizações dissidentes na escola: masculinidades precárias em discussão. Periódicus, Salvador, v. 1, n. 11, p. 284-302, maio/out. 2019. Disponível em: https://bit.ly/2O8Pdn6. Acesso em: 17 ago. 2021.

BRITO, Leandro Teofilo de; FREITAS, José Guilherme Oliveira; SANTOS, Mônica Pereira dos. “Não, isso não é coisa pra homem” – Masculinidades e os processos de inclusão/exclusão em uma escola da Baixada Fluminense-RJ. Revista Latino-Americana de Geografia e Gênero, Ponta Grossa, v. 5, n. 2, p. 114-125, jan./jun. 2014. Disponível em: https://bit.ly/3xWesgz. Acesso em: 17 ago. 2021.

BUTLER, Judith. Corpos que importam: os limites discursivos do “sexo”. São Paulo: n-1 Edições, 2019.

BUTLER, Judith. Lenguaje, poder e identidad. Madrid: Síntesis, 2009.

CAETANO, Marcio Rodrigo Vale; SILVA JUNIOR, Paulo Melgaço da; HERNANDEZ, Jimena de Garay. Ninguém nasce homem, torna-se homem: as masculinidades no corpo e o corpo nas práticas curriculares das masculinidades. Revista Periódicus, Salvador, v. 1, n. 2, p. 8-18, nov. 2015. Disponível em: https://bit.ly/3sxgeDF. Acesso em: 17 ago. 2021.

CAETANO, Marcio Rodrigo Vale; SILVA JUNIOR, Paulo Melgaço; GOULART, Treyce Ellen Silva. Masculinidades hegemônicas e dissidências: tensões curriculares em cotidianos de escolas da periferia. Reflexão e Ação, Santa Cruz do Sul, v. 24, n. 1, p. 214-232, jan./abr. 2016. Disponível em: https://bit.ly/3CYkZLa. Acesso em: 17 ago. 2021.

CARVALHO, Aline Paixão Miranda. Espaço de meninos: reflexões sobre a construção das masculinidades por adolescentes de uma escola pública do município do Rio de Janeiro. Revista Crítica Histórica, Alagoas, v. 11, n. 22, p. 153-169, 2020. Disponível em: https://bit.ly/2XvjZxX. Acesso em: 17 ago. 2021.

CASTRO, Susana de. O papel das escolas no combate às masculinidades tóxicas. Revista Aprender, Vitória da Conquista, n. 20, p. 75-82, jul./dez. 2018. Disponível em: https://bit.ly/3iV4tnl. Acesso em: 17 ago. 2021.

COSTA, Ana; SANTOS, Beatriz; SANTOS, Suzy dos. Não foi só o WhatsApp: a construção identitária de Jair Bolsonaro como política de comunicação. In: VII ULEPICC, Ilhéus-BA. Anais... Ilhéus-BA, 2020. Disponível em: https://bit.ly/385KmNf. Acesso em: 17 ago. 2021.

DERRIDA, Jacques. Limited inc. Campinas: Papirus, 1991.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. 7ª ed. 3ª reimpr. Rio de Janeiro: Forense, 2008.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso. 1ª ed. digital. São Paulo: Loyola, 2019.

LOURO, Guacira. Heteronormatividade e homofobia. In: JUNQUEIRA, Rogério (Org.). Diversidade sexual na Educação: problematizações sobre a homofobia nas escolas. Brasília: Ministério da Educação - Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade/Unesco, 2009. p. 85-93.

MEDRADO, Benedito et al. Homens e masculinidades e o novo coronavírus: compartilhando questões de gênero na primeira fase da pandemia. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 26, p. 179-183, 2021. Disponível em: https://bit.ly/3m9hXhd. Acesso em: 17 ago. 2021.

MELO, Victor Andrade de. Novas performances públicas masculinas: o esporte, a ginástica, a educação física (século XIX). In: DEL PRIORE, Mary; AMANTINO, Marcia (Orgs.). História dos homens no Brasil. São Paulo: Editora Unesp, 2013. p. 119-152.

MISKOLCI, Richard. O desejo da nação: masculinidade e branquitude no Brasil de fins do XIX. São Paulo: Annablume/Fapesp, 2012.

OLIVEIRA, Francis Fonseca; FONTES, Ramon Victor Belmonte. “O cara é pegador!”: rodas de conversa sobre masculinidades tóxicas em uma escola pública baiana. Interfaces Científicas: Educação, Aracaju, v. 11, n. 1, p. 40-53, 2021. Disponível em: https://bit.ly/37QAPt9. Acesso em: 17 ago. 2021.

OLIVEIRA. Pedro Paulo. A construção social da masculinidade. Belo Horizonte: Editora UFMG; Rio de Janeiro: Iuperj, 2004.

RODRIGUES, Carla. Três tempos da performatividade em Butler. In: OLIVEIRA, Marcelo Andrade Cattoni de; VIANA, Igor Campos (Orgs.). Políticas da performatividade: conferências. Belo Horizonte: Conhecimento, 2019. p. 29-42.

SEFFNER, Fernando. Derivas da masculinidade. Jundiaí: Paco, 2016.

SEFFNER, Fernando; SILVA, Luciano Ferreira da. “Mind the trap”: o menino, a escola e a folha de alface. Educação, Porto Alegre, v. 39, n. 3, set./dez. 2016. Disponível em: https://bit.ly/3mbyi52. Acesso em: 17 ago. 2021.

SILVA, Mayra Goulart da; RODRIGUES, Theófilo Codeço Machado. O populismo de direita no Brasil: neoliberalismo e autoritarismo no governo Bolsonaro. Mediações - Revista de Ciências Sociais, Londrina, v. 26, n. 1, p. 86-107, jan./abr. 2021. Disponível em: https://bit.ly/3iWux1z. Acesso em: 17 ago. 2021.

TEIXEIRA, Marcelle Medeiros; COUTO JUNIOR, Dilton Ribeiro; BRITO, Leandro Teofilo de. Nem tudo que reluz é ouro: discutindo memes e fake news em tempos de pandemia. Comunicologia, Brasília, v. 14, n. 1, jan./jun. 2021. Disponível em: https://bit.ly/3nQP2iS. Acesso em: 19 set. 2021.

WARNER, Michael. Fear of a queer planet: queer politics and social theory. Minnesota: Minnesota Press, 1991.

Downloads

Publicado

2022-04-29

Como Citar

BRITO, Leandro Teofilo de. “ENFRENTAR O VÍRUS COMO HOMEM E NÃO COMO MOLEQUE”: QUANDO A MASCULINIDADE TÓXICA SE TORNA GENOCIDA. Revista Docência e Cibercultura, [S. l.], v. 6, n. 2, p. 150–162, 2022. DOI: 10.12957/redoc.2022.62923. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/re-doc/article/view/62923. Acesso em: 23 maio. 2024.