FAZER PESQUISA E SE FAZER: A CAMINHADA DE ALUNAS-PESQUISADORAS NA PANDEMIA

Autores

  • Fabrícia Carla Viviani Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso do Sul - campus Ponta Porã
  • Ana Paula Macedo Cartapatti Kaimoti Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso do Sul - campus Ponta Porã

DOI:

https://doi.org/10.12957/redoc.2022.62403

Palavras-chave:

Relato de experiência. Escola. IFMS. Práticas educativas. Desigualdades de gênero. Pandemia.

Resumo

Como elaboração do vivido, o relato de experiência discorre sobre os sentidos possíveis que a participação num projeto de pesquisa tem para suas integrantes, cujas percepções são o ponto de partida desse gênero de texto científico, o qual pode ser considerado uma obra aberta, capaz de propor novos saberes. Este relato foi elaborado com esse objetivo, de forma a narrar a realização do projeto de pesquisa “As desventuras de Deméter: escola e desigualdade de gênero”, do Instituto Federal de Mato Grosso do Sul, campus Ponta Porã, desenvolvido entre 2019 e 2020, com a participação de sete estudantes bolsistas. Nesse sentido, considerando a temática do projeto, foi possível perceber o quanto seu desenvolvimento foi significativo para as integrantes, sobretudo devido à forma coletiva como a pesquisa foi realizada, que levou à participação delas em todas as etapas de execução da pesquisa, cujos contornos tornaram-se particularmente desafiadores, no contexto da pandemia, quando a desigualdade de gênero se agravou e as TIC (Tecnologias de Informação e Comunicação) tornaram-se cruciais para o andamento do trabalho. Nessa caminhada, o fazer científico tornou-se um processo de ensino-aprendizagem e a autonomia e os saberes construídos, nessa vivência, levaram ao enfrentamento dessas desigualdades. Portanto, ao descrever e interpretar essa experiência e seus muitos significados, esse relato pretende também contribuir para que outras iniciativas como essa possam ser tomadas e novos saberes constituídos.

Biografia do Autor

Fabrícia Carla Viviani, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso do Sul - campus Ponta Porã

Bacharel e licenciada em Ciências Sociais (2005-2006) pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP - Campus de Marília, mestre (2009) e doutora (2013) em Ciência Política, pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Atualmente é docente da área de Sociologia no Instituto Federal de Mato Grosso do Sul (IFMS- Campus Ponta Porã), onde leciona nos níveis médio/técnico e superior. Pós-doutoranda em Educação pela Universidade de São Paulo.

Ana Paula Macedo Cartapatti Kaimoti, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso do Sul - campus Ponta Porã

É professora do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico do Instituto Técnico Federal de Mato Grosso do Sul (IFMS). Realizou estágio pós-doutoral (2014-2016) no Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Estadual de Londrina, como bolsista do PNPD/CAPES, na linha de pesquisa Diálogos Culturais. É doutora (2007) e mestre (2003) em Teoria da Literatura pelo programa de pós-graduação em Letras da Universidade Estadual Paulista, Unesp-Ibilce.

Referências

ANTUNES, Fabricio Pupo, DUQUE, Tiago. Agência, gênero e sexualidade dissidentes na escola: experiências de jovens e professores/as em Mato Grosso do Sul. Revista Debates Insubmissos, Caruaru, PE. Brasil, ano 3, v.3, n. 11, set./dez. 2020. Disponível em: <https://periodicos.ufpe.br/revistas/debatesinsubmissos/article/view/246438>. Acesso em: 20 jun. 2021.

ATENEA, PNUD BRASIL, ONU MULHERES, IDEA INTERNACIONAL. Brasil: onde está o compromisso com as mulheres? Um longo caminho para se chegar à paridade. Disponível em: <https://www.onumulheres.org.br/wp-content/uploads/2020/09/ATENEA_Brasil_FINAL.pdf>. Acesso em 20 jun. 2021.

BARROSO, Hayeska Costa e GAMA, Mariah Sá Barreto. A crise tem rosto de mulher: como as desigualdades de gênero particularizam os efeitos da pandemia do COVID-19 para as mulheres no Brasil. Revista do CEAM, v. 6, n. 1, 2020. p. 84–94. Disponível em: <https://periodicos.unb.br/index.php/revistadoceam/article/view/31883>. Acesso em: 20 jun. 2021.

BUENO, Samira, PIMENTEL, Amanda e LAGRECA, Amanda. A cada minuto, oito mulheres agredidas. Disponível em: <https://piaui.folha.uol.com.br/cada-minuto-oito-mulheres-agredidas/>. Acesso em: 20 jun. 2021.

BODART, Cristiano das Neves. O ensino de Sociologia para além do estranhamento e da desnaturalização: por uma percepção figuracional da realidade social. LATITUDE, v. 5, p. 139-160, 2021.

CIAVATTA, Maria. Resistindo aos dogmas do autoritarismo. FRIGOTTO, Gaudêncio (Org.). Escola “sem” partido: esfinge que ameaça a educação e a sociedade brasileira. Rio de Janeiro : UERJ, LPP, 2017.pp. 07-15.

DALTRO, Mônica Ramos e FARIA, Anna Amélia de. Relato de experiência: Uma narrativa científica na pós-modernidade. Estudos e Pesquisas em Psicologia. Rio de Janeiro, v. 19, n. 1, janeiro a abril de 2019, p. 223-237. Disponível em:

< https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/revispsi/article/view/43015/29726 >. Acesso em: 10 nov. 2020.

FERNANDES, Ana G. Caballero; JESUS, Leticia dos Santos de. O lugar da mulher na

agricultura: uma análise da inserção das alunas nos campos de estágio em agricultura. 2017.

f. Trabalho de Conclusão de Curso (Técnico Integrado em Agricultura) – Instituto Federal

de Mato Grosso do Sul, Ponta Porã, 2017.

FRIGOTTO, Gaudêncio. A gênese das teses da escola sem partido: a esfinge e o ovo da serpente que ameaçam a sociedade e a educação. FRIGOTTO, Gaudêncio (Org.). Escola “sem” partido: esfinge que ameaça a educação e a sociedade brasileira. Rio de Janeiro: UERJ, LPP, 2017.pp. 17-34.

GÊNERO E NÚMERO, SEMPREVIVA ORGANIZAÇÃO FEMINISTA. O trabalho e a vida das mulheres na pandemia. Disponível em: <http://mulheresnapandemia.sof.org.br/wp-content/uploads/2020/08/Relatorio_Pesquisa_SemParar.pdf>. Acesso em: 20 jun. 2021.

GENDER AND COVID-19. Como diminuir as desigualdades de gênero na pandemia: plano de resposta à pandemia deve incluir perspectiva crítica de gênero e raça. Disponível em: https://www.ufrgs.br/redecovid19humanidades/_files/post/246/608843c8661ef.pdf. Acesso em: 20 jun. 2021.

JESUS, Paola Rodriguez de. As desventuras de Deméter: escola e desigualdade de gênero. 2021.145f. Trabalho de Conclusão de Curso (Técnico Integrado em Agricultura) – Instituto Federal de Mato Grosso do Sul, Ponta Porã, 2021.

LOURO, Guacira Lopes. Educação e docência: diversidade, gênero e sexualidade. Revista Brasileira de Pesquisa sobre Formação Docente, Belo Horizonte,v. 3, n. 4, p. 62-70, jan./jul. p. 62-70, 2011. Disponível em: <https://revformacaodocente.com.br/index.php/rbpfp> . Acesso em: 14 jun. 2021.

MARCON, Karina. Inclusão e exclusão digital em contextos de pandemia: que educação estamos praticando e para quem? Criar Educação, Criciúma, v. 9, n. 2, Edição Especial 2020. Disponível em: <http://periodicos.unesc.net/criaredu/article/view/6047/5401> . Acesso em: 20 jun. 2021.

MARI, Angelica. Negros e pobres sofrem com exclusão digital durante a pandemia. Disponível em: <https://forbes.com.br/forbes-tech/2020/05/negros-e-pobres-sofrem-com-exclusao-digital-durante-a-pandemia/>. Acesso em: 20 jun. 2021.

OLIVEIRA, Fátima Peres Zago de, CIVIERO, Paula Andrea Grawieski e BAZZO, Walter Antonio. A Iniciação Científica na formação dos estudantes do Ensino Médio. Revista Debates em Educação, v. 11, n. 24, 2019. Disponível em: <https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/6899/pdf> . Acesso em 20 jun. 2021.

PARENT IN SCIENCE. Produtividade acadêmica durante a pandemia: efeitos de gênero, raça e parentalidade. Disponível em: <https://327b604e-5cf4-492b-910b-e35e2bc67511.filesusr.com/ugd/0b341b_81cd8390d0f94bfd8fcd17ee6f29bc0e.pdf?index=true>. Acesso em: 20 jun. 2021.

PINTO, Ana Estela de Sousa. O Brasil despenca em ranking global de igualdade entre gêneros. Disponível em: <https://www1.folha.uol.com.br/mercado/2021/03/brasil-despenca-em-ranking-global-de-igualdade-entre-generos.shtml>. Acesso em: 20 jun. 2021.

POMPERMAYER, Soraya Ferreira e CARVALHO, Letícia Queiroz de. A pesquisa acontecimento e a roda de leitura: caminhos para a formação do leitor literário. Revista Brasileira de Educação, Cultura e Linguagem (RBECL/UEMS), Campo Grande, v.1, n. 2, p. 91-109, 2018. Disponível em: < https://periodicosonline.uems.br/index.php/educacaoculturalinguagem/article/view/2799/2175>. Acesso em: 20 jun. 2021.

PORVIR. Tirar dúvida e qualidade da internet são as maiores dificuldades para estudantes em aulas remotas: conheça os destaques do estudo Painel TIC COVID-19, do Cetic.br, que também mostra como fatores socioeconômicos interferem na maneira com que estudantes acompanham as aulas remotas. Disponível em: <https://porvir.org/tirar-duvida-e-qualidade-da-internet-sao-as-maiores-dificuldades-para-estudantes-em-aulas-remotas/?utm_campaign=reenvio_newsletter_0611_-_b2e_es_moderna_-_outros&utm_medium=email&utm_source=RD+Station>. Acesso em: 20 jun. 2021.

SEMPREVIVA ORGANIZAÇÃO FEMINISTA. Sem parar: o trabalho e a vida das mulheres na pandemia. Disponível em: <http://mulheresnapandemia.sof.org.br/>. Acesso em: 20 jun. 2021.

WAISELFISZ, Julio Jacobo. Mapa da violência 2012: Atualização Homicídio de Mulheres no Brasil. São Paulo: Flacso, 2012.

WORLD ECONOMIC FORUM. Global Gender Gap Report: 2021 insight report. Disponível em: <https://www3.weforum.org/docs/WEF_GGGR_2021.pdf>. Acesso em: 20 jun. 2021.

Downloads

Publicado

2022-04-29

Como Citar

VIVIANI, Fabrícia Carla; KAIMOTI, Ana Paula Macedo Cartapatti. FAZER PESQUISA E SE FAZER: A CAMINHADA DE ALUNAS-PESQUISADORAS NA PANDEMIA. Revista Docência e Cibercultura, [S. l.], v. 6, n. 2, p. 180–197, 2022. DOI: 10.12957/redoc.2022.62403. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/re-doc/article/view/62403. Acesso em: 24 abr. 2024.