DIFICULDADE NO ACESSO E USO DAS REDES DE APOIO E ATENDIMENTO À MULHER DURANTE A PANDEMIA DA COVID-19

Autores

  • Carolina da Silva Santos Mestranda na Universidade do Estado do Rio de Janeiro
  • Gabriel Siqueira Corrêa Professor Adjunto vinculado ao Departamento de Geografia da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Faculdade de Formação de Professores)

DOI:

https://doi.org/10.12957/redoc.2022.62399

Resumo

A violência cometida sobre corpos de mulheres se constitui como um problema que deve ser discutido e enfrentado pela sociedade ao longo dos tempos. Esta questão é agravada pelo atual contexto da COVID-19, enfrentada desde o ano de 2019 no mundo. Nesse sentido, o presente artigo tem como objetivo identificar a espacialidade vivida por mulheres que sofrem violência de gênero no município de São Gonçalo. A opção teórica apreende o corpo como escala geográfica de forma a problematizar as condições atuais, em tempos de pandemia, sobre o desafio que se impõe no deslocamento e acesso aos centros de apoio e atendimento à mulher em situação de violência. No campo metodológico foram realizados levantamentos de dados de violência contra a mulher do Instituto de Segurança Pública do Rio de Janeiro – ISP, além de mapeamento das redes de atendimento e apoio a mulher em situação de violência no município. Como resultado, percebeu-se que a distância e falta de articulação entre os locais de atendimento e apoio, dificultam o acesso e uso destes, e consequentemente influencia as denúncias. No campo teórico, as reflexões são guiadas por referências como SANTOS, (2018, 2021), ao especializar os dados da violência e pensar o corpo como um recorte espacial em disputa; FEDERECI (2017), por outro lado, fornece categorias importantes para compreender o processo-histórico de subordinação feminina. Estes e mais alguns trabalhos estão aqui contidos dialogando com os dados apresentados trazendo questões que podem contribuir com a reflexão sobre a mulher na sociedade.

Biografia do Autor

Carolina da Silva Santos, Mestranda na Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Mestranda no programa de pós-graduação em Geografia: Produção Social do Espaço: Natureza, Política e Processos Formativos em Geografia - na linha Relações de Poder na Faculdade de Formação de Professores da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Possui graduação - Licenciatura em Geografia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2018). E graduação - bacharel em Produção Cultural pela Universidade Federal Fluminense (2019). Com carreira em desenvolvimento na área de direitos humanos. Competência acadêmica para atuar na docência de turmas de Ensino Fundamental, Médio e EJA. Membra do Grupo de Pesquisa Gênero, Sexualidades e Diversidades nos Vários Espaços Tempos Cotidianos da UERJ/FFP coordenado pela Profa. Dra. Denize Sepulveda. E do Grupo de Estudos Espaço, Diferença e Identidade da Universidade do Estado do Rio de Janeiro/Faculdade de Formação de Professores coordenado pela Profa. Dra. Mariane de Oliveira Biteti e pelo Prof. Dr. Matheus da Silveira Grandi, Desenvolvendo pesquisas na área dos estudos de gênero, violência contra mulher, violência de gênero, sexualidades, educação e direitos humanos.

Gabriel Siqueira Corrêa, Professor Adjunto vinculado ao Departamento de Geografia da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Faculdade de Formação de Professores)

Graduado em Geografia pela Faculdade de Formação de Professores da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Realizou seu mestrado e doutorado em Geografia na Universidade Federal Fluminense. É Professor Adjunto vinculado ao Departamento de Geografia da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Faculdade de Formação de Professores), ministrando disciplinas relacionadas ao ensino de Geografia e Formação do espaço mundial. Atua como pesquisador do NEGRAM (Núcleo de estudos em Geografia, Relações Raciais e Movimentos Sociais) debatendo os seguintes temas: Relações Raciais e Geografia; Lei 10.639/03; lutas quilombolas no Brasil e o Branqueamento do Território. Também é coordenador da disciplina de Mundo Contemporâneo da graduação a distância em Geografia pelo CERDERJ.

 

Referências

BARROS, Nivia Valença. Violência intrafamiliar contra criança e adolescente. Trajetória histórica, políticas sociais, práticas e proteção social. Rio de Janeiro: PUC-Rio, Departamento de Psicologia, 2005. Disponível em <http://www.uff.br/maishumana/acervo/publicacoes/teses/viol_intraf1.pdf>

BEVILACQUA, Paula Dias. Mulheres, violência e pandemia de novo coronavírus. Agência Fiocruz. 2020. Acesso: 11 de setembro de 2021. Disponível em <https://www.arca.fiocruz.br/bitstream/icict/41000/2/Mulheres%2c%20viol%C3%AAncia%20e%20pandemia%20de%20novo%20coronav%C3%ADrus.pdf

FEDERICI, Silvia. Calibã e a Bruxa: mulheres, corpo e acumulação primitiva/ Silvia Federici. Tradução ColetivoSycorax. São Paulo: Elefante, 2017

FIO CRUZ. Saúde mental e atenção psicossocial na Pandemia da COVID-19: VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR NA COVID-19. Acesso : 11 de semtembro de 2021. disponivel em: <https://www.arca.fiocruz.br/bitstream/icict/41121/2/Sa%C3%BAde-Mental-e-Aten%C3%A7%C3%A3o-Psicossocial-na-Pandemia-Covid-19-viol%C3%AAncia-dom%C3%A9stica-e-familiar-na-Covid-19.pdf

Hooks, Bell, 1952 - O feminismo é para todo mundo: políticas arrebatadoras/ bellhooks; tradução Ana Luiza libânio - 4° ed. - Rio de Janeiro: Rosa dos tempos, 2019.

INSTITUTO DE SEGURANÇA PÚBLICA (Rio de Janeiro). Dossiê Mulher. Acesso: 11 de setembro de 2021. Disponível em: <http://www.isp.rj.gov.br/Conteudo.asp?ident=212>

INSTITUTO DE SEGURANÇA PÚBLICA (Rio de Janeiro). Dossiê Mulher. Acesso: 11 de setembro de 2021. Disponível em: <http://www.ispvisualizacao.rj.gov.br/monitor/>

LOURO, Guacira Lopes. Um corpo estranho – ensaios sobre sexualidades e teoria queer/ Guacira Lopes Louro. – Belo Horizonte: Autêntica, 2004.

OPAS BRASIL. Folha informativa - Violência contra as mulheres. Disponível em: <https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=5669:folha-informativa-violencia-contra-as-mulheres&Itemid=820>. Acesso: 22 de agosto de 2020

SANTOS, Roseli Alves; SANTOS, Luiz César Teixeira dos. Gênero e Corporeidade. Revista Latino Americana de Geografia e Gênero, v. 8, n. 1, p. 177-193, 2017. ISSN 21772886.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 20, n. 2, jul./dez., 1995

SEPULVEDA, Denize; SEPULVEDA, José Antonio. Trabalhando questões de gênero: criando e recriando currículos para a valorização do feminino. Periferia, Duque de Caxias, v. 11, n.4, p 58-80, set/dez, 2019.

SILVA, Joseli Maria. Gênero e Espaço. In: AZEVEDO, Abreu de; MORAIS, Marcelo Alonso de (orgs). Ensino de geografia: novos temas para a geografia escolar. EDIÇÃO/ANO: 1a – 2014.

SOUZA, Marisa Chaves de, SANTOS, Douglas Bianchi dos. Fortalecendo a rede de proteção à criança e ao adolescente: desafios e possibilidades para a equipe do NEACA de São Gonçalo - RJ/São Paulo: all Print Editora, 2015.

Downloads

Publicado

2022-04-29

Como Citar

SANTOS, Carolina da Silva; CORRÊA, Gabriel Siqueira. DIFICULDADE NO ACESSO E USO DAS REDES DE APOIO E ATENDIMENTO À MULHER DURANTE A PANDEMIA DA COVID-19. Revista Docência e Cibercultura, [S. l.], v. 6, n. 2, p. 86–101, 2022. DOI: 10.12957/redoc.2022.62399. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/re-doc/article/view/62399. Acesso em: 12 abr. 2024.