O conforto que veio do traçado das crianças de terreiro

Autores

DOI:

https://doi.org/10.12957/redoc.2021.60617

Palavras-chave:

Pandemia, Criança de Terreiro,

Resumo

A pandemia da COVID-19 que assolou nosso planeta, trouxe consequências drásticas para as famílias e uma delas foi o isolamento social. Vários foram as estratégias ao redor do mundo de fazer com que esse afastamento não virasse patologia, músicas na janela, “chuva” de lives, recebidos e muitas vídeo-chamadas. O presente trabalho tem por objetivo dialogar com os desenhos que as crianças do terreiro Omi Larè Iya [1]Sagbá fizeram nesse período. A ideia era que as crianças fizessem desenhos dos seus respectivos orixás e compartilhassem no grupo de Watsap do asé, seria um afago para as pessoas do terreiro ver imagens produzidas pelas crianças com mensagens de que ficaria tudo bem.  Segundo Beniste o “orixá são divindades representadas pela energia da natureza, forças que alimentam a vida a terra, agindo de forma intermediária entre Deus e as pessoas”. Logo o acolhimento vai vir das matas, das águas doces e salgadas, da terra, da chuva, dos raios e trovões. Para Sarmento “o desenho infantil comunica, as imagens são evocativas e referências de modo distinto e para além do que a linguagem verbal pode fazer”. Assim vai seguir este trabalho além do verbal.


[1] Nome do terreiro onde foi feito o trabalho que quer dizer “Casa da força vital do herdeiro das águas de mãe Sagba”

Biografia do Autor

Janaína Viana Corrêa, Universidade Estadual do Rio de Janeiro

Graduação em Letras Monolínguepela Puc-Rio, Mestranda em Educação UERJ Maracanã. Professora regente na Secretaria de Educação.

Referências

BENISTE, José. Dicionário Yorubá - Português. Betrand Brasil. 2° edição. Rio de Janeiro, 2014

BORGES, Luzineide Maria E SILVA, Marta Ferreira (2019) Redes Educativas no Contexto da Cibercltura: Crianças de/no/ de/no terreiro traçando os seus saberes. Argumentos Pró-Educação, Pouso Alegre, Dossiê - Infâncias e crianças indígenas, quilombolas e de outros povos tradicionais: (re) existências e agenciamentos, 2020 ISSN: 2448-2803 http://dx.doi.org/10.24280/ape.v5: e63

SANT’ANNA, Cristiano (2019). A força ancestral feminina no mar de Iemanjá – um fotoartigo. Redoc Rio de Janeiro v. 3 n.3 p. 271 Set/Dez 2019

SARMENTO, Manuel Jacinto (2011). “Conhecer a infância: os desenhos das crianças como produções simbólicas”, in A.J. Martins Filho & P.D. Prado (orgs), Das Pesquisas com Crianças à Complexidade da Infância. Campinas, Autores Associados; pp.: 27-60. ISBN 978-85-7496-201-6

Downloads

Publicado

2021-07-12

Como Citar

CORRÊA, Janaína Viana. O conforto que veio do traçado das crianças de terreiro. Revista Docência e Cibercultura, [S. l.], v. 5, n. 2, p. 317–326, 2021. DOI: 10.12957/redoc.2021.60617. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/re-doc/article/view/60617. Acesso em: 29 maio. 2024.

Edição

Seção

Produções Artísticas, Literárias e Culturais