Macumba em escola pública no interior sergipano Tranca Rua visita escola de ensino médio em tempo integral

Autores

DOI:

https://doi.org/10.12957/redoc.2021.56720

Palavras-chave:

Exu e Tranca Rua. Clube de Protagonismo. Umbanda e do Candomblé. Pesquisa bibliográfica

Resumo

A pesquisa foi construída pela contestação que um grupo de alunos, praticantes do culto afro-brasileiro da Umbanda e do Candomblé, fizeram sobre a discriminação que sofriam em uma escola pública de EMTI no interior sergipano, após a implantação de um “Clube de Protagonismo”, intitulado “Clube da Bíblia”. Ocorre que a escola, apesar de ser um ambiente democrático e plural, não deve estimular a propagação de manifestações de uma ou outra religião, visto que a opção do país é de ser um Estado Laico (art. 5º da Constituição Federal de 1988, inciso VI). Nesse sentido, apresentamos a comunidade escolar o “Sr. Tranca Rua”, “entidade/divindade” tantas vezes marginalizada e erroneamente associada ao diabo pelos neopentecostais. Para facilitar a abordagem dos fatos e a sua análise, utilizamos Foucault (1979; 2005), Caputo (2012) e Bogdan e Biklen (1994). Perseguimos dois objetivos: o de levar para a comunidade escolar a oportunidade de conhecer – pela ótica não dominante – alguns “atores” do culto afro-brasileiro, como “Tranca Rua”; propor a reflexão da necessidade de se discutir sobre a inclusão/exclusão de seres humanos, que precisaram negar a sua crença religiosa para serem aceitos, tolerados ou ignorados por um grupo social majoritário. Iniciamos a pesquisa com a coleta das impressões que os estudantes traziam de suas interações com a divindade intitulada como “Sr. Tranca Rua”. Após a coleta e análise (abordagem qualitativa), propomos uma pesquisa bibliográfica. Apresentamos o filme Besouro e fizemos diversos encontros para estimular a oralidade dos estudantes. Novas problemáticas surgiram nos encontros, mostrando a necessidade de continuar pesquisando sobre o assunto.

Biografia do Autor

Jaime Rodrigues da Silva, Universidade Federal de Sergipe

Mestre em Química Analítica Ambiental/UFS; Mestre em Ensino de Ciências e Matemática/UFS; Pesquisador sobre Educação dos Povos de Terreiros

Cláudia Regina Cardoso Rodrigues da Silva, Faculdade São Luís de França/Aracaju-SE

Licenciada em Educação Física; Bacharelanda em Fisioterapia; Pesquisadora sobre Educação dos Povos de Terreiros

Bárbara Regina Cardoso Rodrigues da Silva, Universidade Tiradentes – Campus Aracaju

Graduanda em Direito/Universidade Tiradentes; Pesquisadora sobre Educação dos Povos de Terreiros

Referências

AMORIM, Marcos Paulo. Macumba no imaginário brasileiro: a construção de uma palavra. http://www. fespsp. org. br/seminario2013/artigos/IISeminarioPesquisa_MarcosAmorim. pdf. Acesso em, v. 15, p. 12, 2015.

BOGDAN, Robert; BIKLEN, SariKnopp. Investigação qualitativa em educação. [Trad.] ALVARES, M. J.; SANTOS, S. B.; BAPTISTA, T. M. Porto, Portugal: Porto Editora, LDA, 1994.

BASTIDE, Roger. Imagens do Nordeste místico em branco e preto. "Seção de livros" da empresa gráfica" O Cruzeiro", 1945.

CAPUTO, Stela Guedes. Educação nos terreiros: e como a escola se relaciona com crianças de candomblé/ Stela Guedes Caputo. – 1. Ed. – Rio de Janeiro: Pallas, 2012.

CAPUTO, Stela Guedes. REPARAR MIÚDO, NARRAR KÉKERÉ-NOTAS SOBRE NOSSA FOTOETNOPOÉTICA COM CRIANÇAS DE TERREIROS. Revista Teias, v. 19, n. 53, p. 36-63, 2018.

DA COSTA, P. Valdeli Carvalho. Alguns marcos na evolução histórica e situação atual de Exu na Umbanda do Rio Janeiro. Afro-Ásia, n. 13, 1980.

DE LIMA, Alessandro Luís Lopes. Exu: uma divindade africana no Brasil.

DE MORAIS, Mariana Ramos. Não chute, é macumba! Ou melhor, uma oferenda! – notas sobre as religiões afro-brasileiras no contexto da lei 10.639. Revista Educação e Políticas em Debate, v. 2, n. 1, 2013.

DE SOUZA CAMPOS, Ana Paula. A incorporação como arte: uma análise das festas de exu em terreiros de umbanda na zona oeste da cidade do Rio de Janeiro. PROA Revista De Antropologia E Arte, v. 1, n. 8, p. 8-31, 2018.

FARES, Josebel Akel. Oralidade e educação. Poéticas orais em sala de aula: relatos e retratos.

In: Seminário Brasileiro de Poéticas Orais: vozes, performances, sonoridades I, 2010, Londrina. Anais. Londrina: Universidade Estadual de Londrina – UEL, 2010, p. 264 - 279.

FAVERO, Ivie. A Religião e as religiões africanas no Brasil, 2010. Texto utilizado no curso

Presença Africano nas Matrizes Culturais Brasileiras, Secretaria Municipal de Educação de

Santos. Disponível em: <https://www.egov.santos.sp.gov.br/ead/cursos/aplic/index.php?cod_curso=7> Acesso em: 14

de dez. de 2019

FERREIRA DIAS, J. “Chuta que é macumba”: o percurso histórico-legal da perseguição às religiões afro-brasileiras. “Chuta que é macumba”: o percurso histórico-legal da perseguição às religiões afro-brasileiras, n. 22, p. 39-62, 2019.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do Poder. [Trad.] MACHADO, R. Rio de Janeiro: Graal, 1979.

FOUCAULT, Michel. Em defesa da Sociedade: curso no Collége de France. [Trad.] GALVÃO, M. E. A. P. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2005.

GEERTZ, Cliford. A interpretação das Culturas. Rio de Janeiro: Ed. LTC; 2008.

GIL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5 ed. São Paulo: Atlas, p. 128-

, 1999.

IMAGENS NO TERREIRO, As. ESCULTURAS DA UMBANDA: A OUTRA ARTE SACRA BRASILEIRA. Projeto Estudos comparados dos saberes e das artes nos circuitos da cultura popular Coordenação geral, p. 185.

MANUAL OPERACIONAL DO ICE: protagonismo juvenil suas vivências e práticas. Recife: ICE, 2010.

PRANDI, Reginaldo. Exu, de mensageiro a diabo. Sincretismo católico e demonização do orixá Exu. Revista USP, n. 50, p. 46-63, 2001.

RAMOS, Arthur. Aculturação Negra no Brasil. São Paulo; Rio de Janeiro; Recife; Porto Alegre: Companhia da Editora Nacional, 1942.

RAMOS, Arthur. O Negro brasileiro: etnografia religiosa. 3. Ed. São Paulo: Editora Nacional, 1951.

RAMOS, Arthur. O Negro na civilização brasileira. Rio de Janeiro: Livraria-Editora Casa do Estudante, 1971a. Col. Arthur Ramos. v. I.

ROHDE, Bruno Faria. Umbanda, uma Religião que não Nasceu: Breves Considerações sobre uma Tendência Dominante na Interpretação do Universo Umbandista. REVER: Revista de Estudos da Religião, v. 9, 2009.

RODRIGUES, Raymundo Nina; VELHO, Yvonne Maggie Alves; FRY, Peter. O animismo fetichista dos negros baianos. Ministério da Cultura, Fundação Biblioteca Nacional, 2006.

OLIVEIRA, José Henrique Motta de. Entre a Macumba e o Espiritismo: uma análise do discurso dos intelectuais de umbanda durante o Estado Novo. CAOS-Revista Eletrônica de Ciências Sociais, nº, p. 60-85, 2009.

Downloads

Publicado

2021-07-12

Como Citar

SILVA, Jaime Rodrigues da; SILVA, Cláudia Regina Cardoso Rodrigues da; SILVA, Bárbara Regina Cardoso Rodrigues da. Macumba em escola pública no interior sergipano Tranca Rua visita escola de ensino médio em tempo integral. Revista Docência e Cibercultura, [S. l.], v. 5, n. 2, p. 199–216, 2021. DOI: 10.12957/redoc.2021.56720. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/re-doc/article/view/56720. Acesso em: 13 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigo Seção Temática