DIAGNÓSTICOS BENEVOLENTES NA INFÂNCIA: CRIANÇAS TRANS E A SUPOSTA NECESSIDADE DE UM TRATAMENTO PRECOCE

Autores

DOI:

https://doi.org/10.12957/redoc.2019.40481

Palavras-chave:

Diagnóstico, Crianças, Travestis, Pessoas trans.

Resumo

O objetivo deste trabalho é analisar a repercussão que o diagnóstico de Incongruência de Gênero tem na infância, situando os manuais de transtornos mentais como eixos centrais da discussão. Para tanto, reconhece-se o uso estratégico da patologização das identidades trans e travestis na adolescência e vida adulta, mas ressalta os desafios quando essa mesma patologização destina-se a crianças. Diferente de quando ocorre com pessoas adultas, compreende-se que o diagnóstico de gênero na infância se justifica a partir de uma concepção de cuidado e benevolência. Em conclusão, propõe-se abandonar o pensamento em saúde que se baseia na preocupação e tutela para pensar em um compromisso ético e político com a diferença.

Biografia do Autor

Sofia Ricardo Favero, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Mestranda em Psicologia Social e Institucional pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). 

Paula Sandrine Machado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Professora do Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social e Institucional (UFRGS).

Referências

ARÁN, Márcia; MURTA, Daniela; LIONÇO, Tatiana. Transexualidade e saúde pública no Brasil. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 14, n. 4, p. 1141-1149, Aug. 2009.

ARÁN, Márcia; MURTA, Daniela. Do diagnóstico de transtorno de identidade de gênero às redescrições da experiência da transexualidade: uma reflexão sobre gênero, tecnologia e saúde. Physis, Rio de Janeiro, v.19, n.1, p. 15-41, 2009.

ASSOCIAÇÃO AMERICANA DE PSIQUIATRIA. Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais. DSM-VI. 4.ed. Washington, DC: APA, 1994.

______. Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais. DSM-5. 5.ed. Washington, DC: APA, 2013.

______. Guidelines for psychological practice with transgender and gender nonconforming people. American Psychologist, 70(9), 832-864, 2015.

BENJAMIN, Harry. The Transsexual Phenomenon. New York: Julian Press, 1966.

BENTO, Berenice; PELUCIO, Larissa. Despatologização do gênero: a politização das identidades abjetas. Rev. Estud. Fem., Florianópolis, v. 20, n. 2, p. 559-568, Aug. 2012.

BENTO, Berenice. Nome social para pessoas trans: Cidadania precária e gambiarra legal. Contemporânea, 4(1), 165¬182, 2014.

BENTO, Berenice. A reinvenção do corpo: sexualidade e gênero na experiência transexual. Rio de Janeiro, Garamond, 2006.

BRASIL. Estatuto da Criança e Adolescente. Lei n.º 8.069, de 13 de julho de 1990. Brasília, 1990.

______. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Humanização da Atenção e Gestão do SUS. Humaniza SUS: clínica ampliada e compartilhada. Brasília, DF, 2009.

______. Portaria n.º 2.803 de 19 de novembro de 2013 que redefine e amplia o Processo Transexualizador no Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União, Brasília, DF, 20 de novembro de 2013. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2013/prt2803_19_11_2013.html>. Acesso em: 30 de jan. de 2019.

BUTLER, Judith. Desdiagnosticando o gênero. Physis, Rio de Janeiro, v. 19, n. 1, p. 95-126, 2009.

______. Problemas de gênero: feminismo e subversão de identidade. 8 ed. Tradução de Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.

CANGUILHEM, Georges. O normal e o patológico. Rio de Janeiro: Forense-Universitária, 1995.

______. Aspectos do Vitalismo. In: O Conhecimento da Vida. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2012. (P. 85-105).

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA. Resolução nº 1.955/2010. Dispõe sobre a cirurgia de transgenitalismo e revoga a Resolução n. 1.652/2002, de 03 de setembro de 2010. Disponível em: <http://www.portalmedico.org.br/resolucoes/cfm/2010/1955_2010.htm>. Acesso em: 03 de fev. de 2019.

HEMESATH, Tatiana; DE PAULA, Leila; CARVALHO, Clarissa; LEITE, Julio; GUARAGNA-FILHO, Guilherme; COSTA, Eduardo. Controversies on Timing of Sex Assignment and Surgery in Individuals With Disorders of Sex Development: A Perspective. Front. Pediatr. 6:419, 2019.

JESUS, Jaqueline. Homofobia: identificar e prevenir. 1 ed. Rio de Janeiro: Metanoia, 2015.

LEITE Jr, Jorge. Nossos corpos também mudam: a invenção das categorias "travesti" e "transexual" no discurso científico. São Paulo: Annablume, 2011.

LIONÇO, Tatiana. Atenção integral à saúde e diversidade sexual no Processo Transexualizador do SUS: avanços, impasses, desafios. Physis, Rio de Janeiro, v. 19, n. 1, p. 43-63, 2009.

LOBATO, Maria; SAADEH, Alexandre; CORDEIRO, Desiree; et al. Arch Sex Behav 46: 2511, 2017. Disponível em: https://doi.org/10.1007/s10508-016-0864-6>. Acesso em: 30 de jan. de 2019.

MACHADO, Paula Sandrine. O sexo dos anjos: um olhar sobre a anatomia e a produção do sexo (como se fosse) natural. Cad. Pagu, Campinas, n. 24, p. 249-281, June, 2005.

MISKOLCI, Richard; CAMPANA, Maximiliano. “Ideologia de gênero”: notas para a genealogia de um pânico moral contemporâneo. Soc. estado., Brasília , v. 32, n. 3, p. 725-748, Dec. 2017.

MOIRA, Amara. De onde vêm nossas disforias?. Transfeminismo. Disponível em: <https://transfeminismo.com/de-onde-vem-nossas-disforias/>. Acesso em: 03 de fev. de 2019.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE. Manual de classificação internacional de doenças, lesões e morte. Nona revisão, 1975. São Paulo: Centro Colaborador da OMS para a Classificação de Doenças em Português; 1978.

______. Classificação internacional de doenças e problemas relacionados à saúde. Décima revisão. São Paulo: Centro Colaborador da OMS para a Classificação de Doenças em Português; 1993.

PRADO, Marco Aurélio Máximo. Ambulare. Belo Horizonte (MG): PPGCOM UFMG, 2018.

TEIXEIRA, Flavia do Bonsucesso. Histórias que não têm era uma vez: as (in)certezas da transexualidade. Rev. Estud. Fem., Florianópolis, v. 20, n. 2, p. 501-512, Aug. 2012.

v., viviane. Por inflexões decoloniais de corpos e identidades de gênero inconformes: uma análise autoetnográfica da cisgeneridade como normatividade. Salvador, 2016. Dissertação de mestrado. Programa Multidisciplinar de Pós-Graduação em Cultura e Sociedade, Universidade Federal da Bahia.

Downloads

Publicado

2019-06-02

Como Citar

FAVERO, Sofia Ricardo; MACHADO, Paula Sandrine. DIAGNÓSTICOS BENEVOLENTES NA INFÂNCIA: CRIANÇAS TRANS E A SUPOSTA NECESSIDADE DE UM TRATAMENTO PRECOCE. Revista Docência e Cibercultura, [S. l.], v. 3, n. 1, p. 102–126, 2019. DOI: 10.12957/redoc.2019.40481. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/re-doc/article/view/40481. Acesso em: 17 abr. 2024.