Reflexões acerca da conceituação de saúde e construção de um conceito de saúde: implicações para os profissionais da saúde

Ana Cláudia Schuab Faria de Paula, Romario Daniel Jantara, Daiane Porto Gautério Abreu, Marlise Capa Verde Almeida de Mello

Resumo


O debate sobre o conceito de saúde é extenso, envolvendo convergências e divergências recorrentes entre autores. Este estudo trata-se de um ensaio teórico-reflexivo que descreve a elaboração de um conceito de saúde por uma estudante de mestrado, embasado no plano de estudo da disciplina “Conceitos de saúde e seus nexos no trabalho da Enfermagem/Saúde”, pertencente ao Curso de Mestrado em Enfermagem do programa de Pós-Graduação stricto sensu de uma Universidade Federal do extremo Sul do Brasil. O objetivo é estimular uma reflexão plural e edificadora no meio acadêmico e profissional sobre saúde, a partir da apresentação de uma construção conceitual fundamentada em diferentes saberes, teorias e nexos. As reflexões apresentadas ao longo deste estudo oportunizaram a construção de um conceito de saúde ampliado, compreendido como o estado subjetivo de bem-estar, satisfação, autonomia e funcionalidade, independente da dimensão, para realizar atividades propostas ou esperadas por um do indivíduo em relação à ele mesmo, frente à aspectos multidimensionais e multifatoriais intrínsecos/extrínsecos, considerando fatores limitantes não modificáveis, condições de vida/trabalho, e capacidade de adaptação e interação com o meio, transmudando assim o próprio ser. Considera-se que as discussões sobre saúde são infindáveis e seu entendimento constantemente ressignificado, seja de forma individual ou coletiva, social ou intelectual.

Palavras-chave


Saúde. Promoção da Saúde. Conceito de Saúde. Formação de Conceito

Texto completo:

PDF

Referências


AVILA, A. J. Funcionalidade da pessoa idosa institucionalizada com risco de queda: proposta de cuidado de enfermagem. (Dissertação). Mestrado em Enfermagem. Universidade Federal de Rio Grande. Rio Grande, 2012. Disponível em:. Acesso em: 12 jul, 2019.

BEZERRA, M.P; SORPRESO, I.C.E. Conceitos de saúde e movimentos de promoção da saúde em busca da reorientação de práticas Conceptsandmovements in healthpromotiontoguideeducationalpracticesItalla. J Hum Growth. v.26, n.1, p. 11-16, Dez. 2016. Disponivel em:. Acesso em: 02 fev 2020. DOI: http://dx.doi.org/10.7322/jhgd.113709

BRASIL. Ministério da Saúde. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Presidência da República, Brasília, 2016. Disponível em: . Acesso em: 08 jul 2019.

BRASIL. Comissão Nacional Sobre os Determinantes Sociais da Saúde (CNDSS). As causas sociais das iniquidades em saúde no Brasil: Relatório final. Rio de Janeiro. Editora Fiocruz, 2008.

BRASIL. Ministério da Saúde. Oitava Conferência Nacional de Saúde-Relatório Final. Brasília,1986. Disponível em: . Acesso em 28 Jun. 2019.

CAMARGO, J.J. Do que você precisa para ser feliz? 2015. 240 p.

CANGUILHEM, G. O normal e o patológico. (Segunda Parte: Existem Ciências do Normal e do Patológico? I Introdução ao Problema; II Exame crítico de alguns conceitos: do normal, da anomalia e da doença, do normal ao experimental; III Norma e Média). 7ª ed. Rio de Janeiro; Forense-Universitária, 2012.

CARRAPATO, P; CORREIA, P; GARCIA, B. Health determinants in Brasil: searching for healthequity. Saúde Soc. São Paulo, v.26, n.3, p.676-689, 2017. Disponível em:. Acesso em: 05 jun 2020. DOI 10.1590/S0104-12902017170304.

COSTA, N.C.G. O corpo ideal e a cultura fitness: configurações de um estilo de vida. Tese (Doutorado). Programa de pós graduação em cultura contemporânea. Universidade Federal de Mato Grosso. Cuiabá, 2019. 190f. Disponível em: . Acesso em 03 mar 2020.

FERREIRA, C.F. Guia de Estudos: Organização Mundial da Saúde (OMS) 2014.Disponível em: . Acesso em: 10 abr. 2009.

GALLO, E. D. A. Integração regional da saúde na América do Sul: desafios e prioridades. In: SOUZA, Maria de Lourdes de et al. A saúde e a inclusão social nas fronteiras. 2008. P. 63-92.

GUATTARI, F; ROLNIK, S. Micropolítica - cartografias do desejo. 7ª ed. Revisitada. Petrópolis: Editora Vozes; 2005.

IPSUN. L. Dolor Sit Amet, Consectetur Adipiscing Elit. Praesent Convallis Tincidunt, v.1, p.11-111, Donec, 2014. Disponível em . Acesso em 16 de agosto de 2014.

LAUGIER (H.). O homem normal. Em: enciclopédia francesa. IV, 1937.

LEFF, Enrique. Saber Ambiental - Sustentabilidade, Racionalidade, Complexidade, Poder. Ed. VOZES. Ed 9. Petrópolis. RJ: Vozes, 2012.

MARINS, N.F.F. Pessoa idosa na Estratégia Saúde da Família: relação entre adesão à medicação e letramento funcional em saúde.Dissertação (mestrado) – Universidade Federal do Rio Grande – FURG, Programa de Pós-graduação em Enfermagem, Rio Grande/RS, 2018. 139 p.

MARTINS, N.F.F. Pessoa idosa na Estratégia Saúde da Família: relação entre adesão à medicação e letramento funcional em saúde / Nidia Farias Fernandes Martins. – 2018.

MARX, K. O capital. Crítica da economia política. 31ª Ed. São Paulo: Difel. Liv. I, v.1, 2017. Capítulo 5 – Processo de Trabalho e Processo de produzir mais-valia, p. 211-223.

MENEZES, A.H.N. et al. [Livro digital]. Metodologia científica: teoria e aplicação na educação a distância. Petrolina-PE, 2019. 83 p.

MICHAELIS. Dicionário Escolar: Língua Portuguesa. Nova ortografia conforme o acordo ortográfico da língua portuguesa. São Paulo, Editora Melhoramentos. n.4, 992f, 2016.

NEC, S. B.. Eros Non Hendrerit. 2013. 214 f. Tese (Doutorado) - Curso de Pellentesque, Viverra Risus, Blandit, 2014. Disponível em . Acesso em 14 de agosto de 2014.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS.=). Constituição da Organização Mundial da Saúde. Documentos básicos, suplemento da 45ª edição, outubro de 2006. Disponível em: . Acesso em: 22 mar 2020.

PORTA, M. ED. A dictionaryofepidemiology. 6th ed.; 2014.

PRADO, SD., et al. Estudos socioculturais em alimentação e saúde: saberes em rede. Rio de Janeiro: EDUERJ, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 2016. Sabor metrópole series, vol. 5. Disponível em: . Acesso em: 22 mar 2020.

ROZA, M. Uma relação entre conceito de saúde, normatividade e biopolitica. In: BAGRICHEVSKY, M.; ESTEVÃO, A. Saúde Coletiva: dialogando sobre interfaces temáticas. Ilhéus- BA: Editus, 2015. P. 91-119.

SAPIEN, I. E. O.; ODIO, N. V. C.. Suspendisse vitae neque sagittis. Praesent Tincidunt, Loren Ipsun, v. 6, n. 3, p.856-869, 2015. Disponível em: . Acesso em: 11 abr. 2016.

SIGERIST, H.-E. Introduction à lamédecine. Trad. fr. Paris: Payot, 1932.

SILVA, C.C; BORGES, F.T. Análise Temática Dialógica como método de análise de dados verbais em pesquisas qualitativas. Linhas Críticas, Brasília, DF, v.23, n.51, p.245-267, jun. 2017 a set. 2017.Disponível em: . Acesso em: 22 mar 2020.

SILVA, E.S; LINS, G.A; CASTRO, E.M.N.F. Historicidade e olhares sobre o processo saúde-doença: uma nova percepção. Revista SUSTINERE, Rio de Janeiro, v. 4, n. 2, p. 171-186, jul-dez, 2016. Disponível em:. Acesso em: 05 fev 2020. http://dx.doi.org/10.12957/sustinere.2016.25976

SORRE, M. Os fundamentos biológicos da geografia humana. Paris: Colin, 1943.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. International Classification of Functioning, Disability, and Health: Children & Youth Version: ICF-CY. World Health Organization, 2007.




DOI: https://doi.org/10.12957/sustinere.2021.54440

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


   Resultado de imagem para blogger icon   

 

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

ISSN 2359-0424

IBI Factor: 2.2

 

A Revista SUSTINERE está indexada/cadastrada em: