Agentes comunitários de saúde do município de Mari-PB e suas percepções como educadores em saúde

Francikely da Cunha Bandeira, Luiz Gonzaga Gonçalves

Resumo


Este estudo tem como objetivo verificar a percepção que os Agentes Comunitários de Saúde do município de Mari – PB têm sobre o próprio trabalho. Trata-se de um estudo qualitativo, exploratório, realizado por meio de questionários e grupos focais, com Agentes Comunitários de Saúde do referido município. Os questionários foram aplicados com participação de todos os cinquenta e três Agentes atuantes locais, e os grupos focais foram realizados em dois momentos, com quatro agentes de saúde e depois com sete. Os dados provenientes dos questionários foram organizados, a partir dos quais foi possível traçar um perfil da categoria. Dos dados provenientes dos grupos focais, surgiram três núcleos argumentativos: o Agente Comunitário como transmissor de informações, percepção do desempenho individual das atividades e burocratização da função. Observou-se que os Agentes têm se compreendido como transmissores de informações, algumas vezes “usados” para atender demandas entendidas como alheias à função, o que tem contribuído para que seja gerada certa sobrecarga de atividades. Percebem também que o trabalho tem se tornado mais individual e burocrático uma vez que novas atribuições têm sido agregadas à função dificultando atividades de caráter mais coletivo. A superação destas dificuldades é possível a partir de um olhar mais cuidadoso para a categoria, entendendo que as atribuições dos Agentes devem convergir, sempre e primeiramente, com as necessidades da população local.


Palavras-chave


Prática educativa, trabalho, agentes comunitários de saúde, Mari

Texto completo:

PDF

Referências


BRANDÃO, Carlos Rodrigues. O que é educação? São Paulo, Brasiliense, 1981.

BRASIL. Glossário temático: gestão do trabalho e da educação na saúde Ministério da Saúde. Secretaria-Executiva. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. 2. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2012. (Série A. Normas e Manuais Técnicos). Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/glossario_tematico_gestao_trabalho_educacao_saude_2ed.pdf. Acesso em: 30 de julho de 2019.

BRASIL. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde, 2012. Disponível em: . Acesso em: 03 de agosto de 2019

BRASIL. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde, 2017. Disponível em:

Acesso em: 04 de agosto de 2019

BRASIL. Lei Nº 11.350 de 05 de outubro de 2006. Revoga a Lei nº 10.507 de 10 de julho de 2002 e regulamenta o § 5o do art. 198 da Constituição, dispõe sobre o aproveitamento de pessoal amparado pelo parágrafo único do art. 2o da Emenda Constitucional no 51, de 14 de fevereiro de 2006, e dá outras providências. Disponível em . Acesso em: 05 de agosto de 2019

BRASIL. Lei Nº 13.595 de 05 de janeiro de 2018. Altera a Lei nº 11.350, de 5 de outubro de 2006, para dispor sobre a reformulação das atribuições, a jornada e as condições de trabalho, o grau de formação profissional, os cursos de formação técnica e continuada e a indenização de transporte dos profissionais Agentes Comunitários de Saúde e Agentes de Combate às Endemias. Disponível em . Acesso em: 08 de agosto 2019.

BRASIL. O trabalho do Agente Comunitário de Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2000.

BRASIL. Programa de Agentes Comunitários de Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2001.

BRASIL. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde, 2006. Disponível em: .

Acesso em: 08 de agosto de 2019

BRASIL. Programa de Agentes Comunitários de Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2001.

BONSRSTEIN, Vera Joana. História e contexto de atuação dos agentes comunitários de saúde no Brasil. In: BORNSTEIN, Vera Joana (org.). Formação em educação popular para trabalhadores da saúde. Rio de Janeiro: EPSJV, 2017.

CARDOSO, L.; GALERA, S. A. F; VIEIRA, M. V. O cuidador e a sobrecarga do cuidado à saúde de pacientes egressos de internação psiquiátrica. Acta paul. enferm., v.25, n.4, pp.517-523, 2012. Disponível em: < https://www2.unifesp.br/acta/pdf/v25/n4/v25n4a6.pdf> Acesso em 09 de Agosto de 2019.

COULON, Alain. Etnometodologia. Petrópolis, Vozes, 1995.

GATTI, Bernadete Angelina. Grupo Focal na pesquisa em ciências sociais e humanas. Brasília. Cyber Livro, 2005.

LOTTA, Gabriela Spanghero. Implementação de Políticas Públicas: o impacto dos fatores relacionais e organizacionais sobre a atuação dos Burocratas de Nível de Rua no Programa Saúde da Família. 2010, 295 f. Tese (Doutorado em Ciência Política) Universidade de São Paulo. São Paulo. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8131/tde-20102010-120342/pt-br.php> Acesso em 12 de Agosto de 2019.

MAMEDE, Marcia Mendes. Atendimento integrado à saúde e desenvolvimento da criança: módulo II: roteiro de visita domiciliar. Brasília, Ministério da Saúde, 1995.

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos de Metodologia científica. São Paulo: Atlas, 2003. Disponível em: < https://docente.ifrn.edu.br/olivianeta/disciplinas/copy_of_historia-i/historia-ii/china-e-india> Acesso em 12 de Agosto de 2019.

NESPOLI, Gisele. Da educação sanitária à educação popular em saúde. In: BORSTEIN, Vera Joana (org.). Formação em educação popular para trabalhadores da saúde. Rio de Janeiro: EPSJV, 2017.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 10. Ed. São Paulo, Hucitec, 2007.

MINAYO, M. C. de S.; D’ELIA, J. C.; SVITONE, E. O Programa Agentes de Saúde do Ceará. Fortaleza: UNICEF, 1990.

MORAES, I. H. S; SANTOS, S. F. R. Informação em Saúde: Os Desafios Continuam. Revista Ciência e Saúde Coletiva. Jan./jun. 1998. Disponível em: Acesso em: 09 de setembro de 2021.

NOGUEIRA, R. P.; SILVA, F B. da; RAMOS, Z. V. O. A vinculação institucional de um trabalhador sui generis – o Agente Comunitário de saúde. Brasília, Ministério do Planejamento, 2000.

SILVA, J. A. da; DALMASO, A. S. W. Agente Comunitário de saúde: o ser, o saber, o fazer. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2002.

VASCONCELOS, E. M. Educação Popular nos serviços de saúde. São Paulo. Hucitec, 1989.

VASCONCELOS, E. M. Redefinindo as práticas de saúde a partir da educação popular nos serviços de saúde. In: VASCONCELOS, E. M; PRADO, E. V. (Orgs). A saúde nas palavras e nos gestos: reflexões da rede de educação popular em saúde. São Paulo: Hucitec, 2017.

VASCONCELOS, Eymard Mourão. Educação Popular em saúde: de uma prática subversiva a uma estratégia de gestão participativa das políticas de saúde. In: STRECK, Danilo R, ESTEBAN, Maria Tereza (orgs.). Educação Popular: lugar de construção social e coletiva. Petrópolis: Vozes, 2013

WEBER, Max. Ensaios em Sociologia. Oxford university press. Tradução: Galax Book. 1982




DOI: https://doi.org/10.12957/sustinere.2021.46225

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


   Resultado de imagem para blogger icon   

 

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

ISSN 2359-0424

IBI Factor: 2.2

 

A Revista SUSTINERE está indexada/cadastrada em: