Um ensaio de ego-história

Eliana Almeida de Souza Rezende

Resumo


Deste universo de informação farta, mas com obsolescência galopante, atuo de forma a encontrar alternativas que conciliem passado, presente e futuro. Afinal, é preciso se colocar diante destes tempos de imediaticidade, produção em massa e, ao mesmo tempo, obsolescências e transitoriedade de suportes.Gosto sempre de incentivar as pessoas interdisciplinarmente. Não creio num mundo compartimentado, creio num mundo que integre vários modos de pensar! É este novo mundo que se descortina para nós. Buscar conexões possíveis entre áreas e manter o espírito aberto para dialogar, e se surpreender, é o que nos deve manter ativos e atuantes.Num mundo de tantos excessos, a importância maior não está em apenas produzir informações, mas essencialmente em distribuir criativamente o que se tem e manter uma inquietação necessária aos acréscimos.Em verdade, minha proposição aqui é muito mais expor uma inquietação provocativa e lançar aos futuros historiadores e demais profissionais das áreas de Ciências Humanas e Aplicadas que lidam com a informação questões em relação ao seu trabalho de investigação e lida com as fontes produzidas na contemporaneidade de princípios do século XXI, suas opções e formas de atuação.

 

 

DOI: 10.12957/sustinere.2016.24636


Palavras-chave


Historiador; Bibliotecário; Arquivista; Perfil Profissional; Interdisciplinaridade

Texto completo:

PDF

Referências


BURKE, Peter. A escrita da história. São Paulo, Editora da UNESP, 1992.

CHARTIER, Roger. A ordem dos livros – leitores, autores e bibliotecas na Europa entre os séculos XIV e XVIII. 2 ed. Brasília: Editora UNB, 1998.

CHARTIER. Robert (Org). Práticas de Leitura. São Paulo, Estação Liberdade, 1996.

CUNHA, Maria Teresa. Territórios abertos para a História. In: O historiador e suas fontes. São Paulo, Contexto, 2011.

DUQUE, Cláudio Gottschalg (Org.). Comunicação Científica Contemporânea e de Vanguarda. Ciência da Informação Estudos e Práticas. Brasília: Centro Editorial, 2011.

FARGE, Arlete. O Sabor do Arquivo. Tradução de Fátima Murad. São Paulo, Editora da Universidade de São Paulo (EDUSP), 2009.

FURET, François. A oficina da história. Lisboa, Gradiva, 1985.

HUNT, Lynn. A Nova História Cultural. São Paulo: Martins Fontes. 1992

LÉVY, Pierre. A Revolução contemporânea em matéria de comunicação. Revista FAMECOS, Porto Alegre, n. 9, dez. 1998.

LE GOFF, Jacques. Memória/História. Enciclopédia Einaudi, vol. 1, Lisboa, Imprensa Nacional/Casa da Moeda.

LE GOFF, Jacques. CHARTIER, Roger; REVELL, Jacques. A Nova História. Coimbra, Almedina, 1990.

LE GOFF, Jacques; Nora, Pierre. Histórias: novos problemas, novas abordagens, novos objetos. Rio de Janeiro, Francisco Alves, 1976.

NORA, Pierre. Ensaios de ego história. Lisboa, Edições 70 Ltda., 1989.

PINSKY, CarlaBassanezi; LUCA, Tania Regina (Org.). Apresentação. O historiador e suas fontes. São Paulo: Contexto, 2011.

REZENDE, Eliana A. de Souza. Em tempos de tintas digitais: escritos e leitores. In: Anais do II Seminário Internacional História do Tempo Presente, Programa de Pós-Graduação em História (PPGH), Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), Florianópolis, 2014

REZENDE, Eliana A. de Souza. Desafios da contemporaneidade: as tecnologias como política de preservação de patrimônio cultural – documental. Disponível em . Acessado em 23/05/2016.

REZENDE, Eliana A. de Souza. Blog Pensados a Tinta. Disponível em . Acessado em 23/05/2016.




DOI: https://doi.org/10.12957/sustinere.2016.24636

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


   Resultado de imagem para blogger icon   

 

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

ISSN 2359-0424

IBI Factor: 2.2

 

A Revista SUSTINERE está indexada/cadastrada em: