Abelha africanizada (“Apis melífera” L.) em áreas urbanas no brasil: necessidade de monitoramento de risco de acidentes

Angela Mingozzi Martins dos Santos, Elisa Cimitan Mendes

Resumo


As abelhas constituem um dos principais grupos de animais associados à polinização de diversasplantas nativas e cultivadas, à regeneração de ecossistemas fragmentados e à apicultura, com destaque para Apis mellifera L., espécie exótica introduzida no Brasil no século XIX.Após o cruzamento das subespécies de Apis mellifera de origem europeia com a subespécie africana Apis m. scutellata, houve a aquisição de características herdadas da abelha africana (maior tolerância ao clima, alta capacidade de enxameação, etc.). Também foi herdado o comportamento de maior “agressividade”, umnovo desafio para a apicultura, que exigiu readaptações no setor. As abelhas africanizadas nidificam em locais variados, tanto em áreas urbanas como rurais, o que favorece a ocorrência de acidentes com a população humana ou animal. Inúmeros casos já foram registrados, tornando-se esta uma importante questão para a saúde pública nacional. Este artigo contribui na reflexão para identificar medidas de planejamento e tomada de decisão, para a redução de acidentes, em tempo oportuno, e propor soluções, contando com instrumentos como o geoprocessamento, ligados a Sistemas de Informações Geográficas, a fim de se incrementar medidas para o monitoramento, prevenção, controle e mitigação dos acidentes com abelhas africanizadas em áreas de risco, obtendo-se assim maior agilidadede informações, tanto para prevenção quanto para ações de primeiros socorros em casos de acidentes já ocorridos.Sugere-se a elaboração de metodologia de notificação e investigação de eventos adversos associados às abelhas, atualizados no tempo e no espaço, para o controle da propagação das mesmas no ambiente urbano e rural.


DOI: 10.12957/sustinere.2016.24635


Palavras-chave


Apis mellifera; Risco de acidentes; Geoprocessamento; Fauna sinantrópica; Animais peçonhentos

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, G. F. Fatores que interferem no comportamento enxameatório de abelhas africanizadas. 2008. 120 f. Tese (Doutorado em Entomologia) – Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo. Ribeirão Preto, SP. 2008. Disponível em . Acesso em 18 de janeiro de 2016.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTUDOS DAS ABELHAS (A.B.E.L.H.A.). Associação civil, sem fins lucrativos e conotação político-partidária ou ideológica, com o objetivo de liderar a criação de uma rede em prol da conservação de abelhas e outros polinizadores. 2015. Disponível em: .Acesso em 18 de janeiro de 2016.

BARCELLOS, C.; BASTOS, F. I. Geoprocessamento, ambiente e saúde: uma união possível?. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro-RJ, v.12, n.3, p.389-397. 1996. Disponível em. Acesso em 12 de abril de 2016.

BARCELLOS, C.; RAMALHO, W. Situação atual do Geoprocessamento e da análise de dados espaciais em saúde no Brasil. Informática Pública, Belo Horizonte-MG, v.4, n.2, p.221–230, 2002. Disponível em. Acesso em 12 de abril de 2016.

BATISTA, C. W. A. Análise dos casos de acidentes causados por abelhas e vespas em um Centro de Controle de Intoxicação em um município paraibano. 2015. 19 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Farmácia) – Departamento de Farmácia, Universidade Estadual da Paraíba. Campina Grande, PB. 2015. Disponível em . Acesso em 18 de janeiro de 2016.

BRASIL. Ministério da Saúde. Esclarecimento sobre a Portaria nº 1.138/GM/MS, de 23 de maio de 2014. Define [esclarecimento sobre] as ações e os serviços de saúde voltados para vigilância, prevenção e controle de zoonoses e de acidentes causados por animais peçonhentos e venenosos, de relevância para a saúde pública. 30 de set. de 2014a. Disponível em . Acesso em 29 de dezembro de 2015.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 1.138/GM/MS, de 23 de maio de 2014. Define as ações e os serviços de saúde voltados para vigilância, prevenção e controle de zoonoses e de acidentes causados por animais peçonhentos e venenosos, de relevância para a saúde pública. 2014b. Disponível em . Acesso em 29 de dezembro de 2015.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Espécies exóticas invasoras. Brasília, DF: Ministério do Meio Ambiente (MMA), 2012. Disponível em. Acesso em 19 de janeiro de 2016.

BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego. Prevenção de acidentes com animais peçonhentos. FUNDACENTRO (Fundação Jorge Duprat Figueiredo de Segurança e Medicina do Trabalho). (Manual). 1 ed. São Paulo, SP, 2001. 46p. Disponível em. Acesso em 29 de dezembro de 2015.

BRITO, R. L. Sistema de informação geográfica aplicado ao diagnóstico do ácaro Varroa destructor em apiários na região nordeste do Brasil. 2014. 63 f. Dissertação (Mestrado em Ciência Animal nos Trópicos) – Escola de Medicina Veterinária e Zootecnia, Universidade Federal da Bahia. Salvador, BA. 2014. Disponível em.Acesso em 29 de dezembro de 2015.

CÂMARA, G.; MEDEIROS, J. S. Princípios básicos em geoprocessamento. In: ASSAD, E.D.; SANO, E. E. (Ed.). Sistema de informações geográficas: aplicações na agricultura. 2. ed. Brasília: Serviço de Produção de Informação, 1998. cap.1, p.1–29.

CAMARGO, R. C. R.; PEREIRA, F. M.; LOPES, M. T. R. Sistema de Produção de Mel. Teresina: EMBRAPA Meio Norte, 2002.

CAMARGO, S. C. Aplicação de um Sistema de informações geográficas (SIG) no estudo da apicultura na região oeste do Paraná. 2011. [71 f.]. Dissertação (Mestrado em Zootecnia) Universidade Estadual do Oeste do Paraná. Marechal Cândido Rondon, PR. 2011. Disponível emAcesso em 29 de dezembro de 2015.

CARNEIRO, W. M. A. (Coord.). Produção e venda dos produtos da apicultura no Nordeste. Informe Rural ETENE.Fortaleza: Banco do Nordeste do Brasil, 2010. [7 p]. (Ano 4, n.10). Disponível em . Acesso em 18 de janeiro de 2016.

CEAMA. Centro de Apoio Operacional do Meio Ambiente e Urbanismo. Nota técnica sobre manejo de abelhas africanizadas. Instruções para a criação de regulamentação visando o controle e manejo ambiental como atividade de rotina no combate aos acidentes com abelhas africanizadas nos centros urbanos do Estado da Bahia. Bahia,[2016]. [5 p.]. Disponível em . Acesso em 02 de fevereiro de 2016.

CONABIO. Comissão Nacional de Biodiversidade. Resolução nº 05, de 21 de outubro de 2009. Dispõe sobre a Estratégia Nacional sobre Espécies Exóticas Invasoras. Brasília, DF: Ministério do Meio Ambiente e Secretaria de Biodiversidade e Florestas (MMA/SBF), 2009. 23 p. Disponível em e . Acesso em 29 de dezembro de 2015.

CORREIA-OLIVIEIRA, M. E.; NUNES, L. A.; SILVEIRA, T. A.; MARCHINI, L. C.; SILVA, J. W. P. Manejo da agressividade de abelhas africanizadas. Piracicaba: ESALQ – Divisão de Bibliotecas, 2012. 38 p. (Série Produtor Rural, n. 53). Disponível em . Acessoem 02 de fevereiro de 2016.

DE JONG, D. Africanized honey bees in Brazil, forty years of adaptation and success. Bee World, UK,v.77, n.2, p.67-70, 1996. Disponível em . Acesso em 18 de janeiro de 2016.

EMBRAPA. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Produção de mel. 2002. Disponível em . Acesso em 19 de janeiro de 2016.

FAQUINELLO, P. Avaliação genética em abelhas Apis mellifera africanizadas para produção de geleia real. 2007. 54 f. Dissertação (Mestrado em Zootecnia) – Centro de Ciências Agrárias, Universidade Estadual de Maringá. Maringá, PR. 2007. Disponível em . Acesso em 29 de dezembro de 2015.

FRANCESCHINELLI, E. V.; ALMEIDA, E. A. B.; ANTONINI, Y.; CABRAL, B. C.; CARMO, R. M.; DAMASCENO, A.; FONTENELLE, J. C. R.; GARCIA, V. L. A.; GUILHERME, M. S.; LAPS, R. R.; LEITÃO, G. G.; LEITÃO, S. G.; MIKICH, S. B.; MOREIRA, D. L.; NASCIMENTO, M. T.; NEMÉSIO, A.; RIBON, R.; SILVEIRA, F. A.; VIDIGAL, T. H. D. A. Interações entre animais e plantas, p. 275-296. In: RAMBALDI, D. M.; OLIVEIRA, D. A. S. (Orgs.). Fragmentação de ecossistemas: causas e efeitos sobre a biodiversidade e recomendações de políticas públicas. Brasília, DF: Ministério do Meio Ambiente e Secretaria de Biodiversidade e Florestas (MMA/SBF) [Dupligráfica], 2003. 508 p.

IBAMA. Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis. Instrução Normativa nº 141, de 19 de dezembro de 2006 (D.O.U. de 20/12/06). Regulamenta o controle e o manejo ambiental da fauna sinantrópica nociva. Disponível em . Acesso em 29 de dezembro de 2015.

MANGABEIRA, J. A. C. Tipificação de produtores rurais apoiada em imagens de alta resolução espacial, geoprocessamento e estatística multivariada: uma proposta metodológica. 2002. Dissertação (Mestrado em Engenharia Agrícola) - Faculdade de Engenharia Agrícola, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2002. Disponível em. Acesso em 12 de abril de 2016.

MELLO, M. H. S. H.; SILVA, E. A.; NATAL, D. Abelhas africanizadas em área metropolitana do Brasil: abrigos e influências climáticas. Revista de Saúde Pública, São Paulo-SP, v.37, n.2, p.237-241, 2003. Disponível em . Acesso em 29 de dezembro de 2015.

MISTRO, D. C.; RODRIGUES, L. A. D.; FERREIRA JÚNIOR, W. C. The Africanized honey bee dispersal: a mathematical zoom.Bulletin of Mathematical Biology, Claremont-CA-USA, v.67, n.2, p.281-312, 2005. Disponível em . Acesso em 18 de janeiro de 2016.

PAULA NETO, F. L.; ALMEIDA NETO, R. M. Apicultura nordestina: principais mercados, riscos e oportunidades. Fortaleza: Banco do Nordeste do Brasil, 2006. 78 p. (Série Documentos do ETENE, n. 12). Disponível em . Acesso em 18 de janeiro de 2016.

PAULA, R. V. Sistemas de informações geográficas destinado ao planejamento da atividade apícola no assentamento de “Padre Josimo Tavares”- PA. 2009. 84 f. Dissertação (Mestrado em Geografia Física) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo. São Paulo, SP, 2009. Disponível em. Acesso em 20 de fevereiro de 2016.

PEDROSO, L. G.; FEITOSA, C. O. Contrastes da produção de mel de abelhas na região Sul e Nordeste do Brasil: possibilidade de expansão da atividade no Nordeste. In: SOCIEDADE BRASILEIRA DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA RURAL - SOBER NORDESTE, 8., 2013, Parnaíba. Anais...Parnaíba: UFPI, nov. 2013. 20 p. Disponível em . Acesso em 29 de dezembro de 2015.

PEREIRA, S. A. N.; SOUSA, C. S. Levantamento da fauna de abelhas no município de Monte Carmelo-MG. Getec, Monte Carmelo-MG, v.4, n.7, p.11-24, 2015. Disponível em . Acesso em 19 de janeiro de 2016.

RAMBALDI, D. M.; OLIVEIRA, D. A. S. (Orgs.). Fragmentação de ecossistemas: causas, efeitos sobre a biodiversidade e recomendações de políticas públicas. Brasília, DF: Ministério do Meio Ambiente e Secretaria de Biodiversidade e Florestas (MMA/SBF) [Dupligráfica], 2003. 510 p. Disponível em . Acesso em 29 de dezembro de 2015.

SANDES JÚNIOR, R. L. Estudo de ocorrências de enxames migratórios do gênero Apis na cidade do Salvador no período de 2000 a 2004. 2007. 80 f. Dissertação (Mestrado em Ciência Animal nos Trópicos) – Escola de Medicina Veterinária, Universidade Federal da Bahia. Salvador, BA. 2007. Disponível em . Acesso em 18 de janeiro de 2016.

SANTOS, M. F. Relação entre diversidade polínica e a produção de mel de Apis mellifera L. frente as atividades antrópicas no sudoeste de Mato Grosso. 2011. 111 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Ambientais) – Universidade do Estado de Mato Grosso. Cáceres, MT. 2011. Disponível em. Acesso em 29 de dezembro de 2015.

SANTOS, R. F; CARVALHAIS, H. B.; PIRES, F. Planejamento ambiental e sistemas de informações geográficas. Cadernos de Informações Georreferenciadas,FEC/UNICAMP, v.1, n.2, 1997. Disponível em . Acesso em 22 de novembro de 2005.

SEBRAE. Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas. (PE). Boletim setorial do agronegócio: Apicultura. Recife, PE. Maio de 2011. 24 p. Disponível em . Acesso em 19 de janeiro de 2016.

SEBRAE. Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas; SIS. Sistema de Inteligência Setorial. (SC). Acidentes com abelhas: compreensão para a prevenção. Relatório de Inteligência Analítico [sobre] Apicultura. Florianópolis, SC: Junho de 2013. 10 p. Disponível em . Acesso em 18 de janeiro de 2016.

SILVA, C. I.; ALEIXO, K. P.; NUNES-SILVA, B.; FREITAS, B. M.; IMPERATRIZ-FONSECA, V .L. Guia ilustrado de abelhas polinizadoras no Brasil. 1. ed. São Paulo, SP: [s.n.], 2014. Disponível em . Acesso em 18 de janeiro de 2016.

SILVA, R. C. P. A.; PEIXE, B. C. S. Estudo da cadeia produtiva do mel no contexto da apicultura paranaense: uma contribuição para a identificação de políticas públicas prioritárias. In: SEMINÁRIO DE POLÍTICAS PÚBLICAS NO PARANÁ: ESCOLA DE GOVERNO E UNIVERSIDADES ESTADUAIS, 1., 2008. Curitiba, Anais... Curitiba: UFPR, 31 de julho e 1 de agosto de 2008. [29 p.].Disponível em . Acesso em 18 de janeiro de 2016.

SOARES, A. E. E. Abelhas africanizadas no Brasil: do impacto inicial às grandes transformações. In: REUNIÃO ANUAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA PARA O PROGRESSO DA CIÊNCIA, 64, 2012, São Luís. Anais...São Luís: UFMA, jul. 2012. n.p. Disponível em . Acesso em 29 de dezembro de 2015.

WINSTON, M.L. 2003. A biologia da abelha. Porto Alegre: Magister, 2003.




DOI: https://doi.org/10.12957/sustinere.2016.24635

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


   Resultado de imagem para blogger icon   

 

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

ISSN 2359-0424

A Revista SUSTINERE está indexada/cadastrada em: