O papel do estado no combate aos entorpecentes: análise do programa Saúde na Escola

Marcio Rodrigues Silveira, Rosangela Esméria Campos

Resumo


O presente trabalho tem como foco demonstrar a importância do Programa Saúde na Escola enquanto componente estratégico dos Projetos Políticos Pedagógicos das Unidades de Ensino, que em conjunto com as Secretarias de Saúde dos diversos estados e municípios, visam articular ações que promovam a cidadania e consecução do desenvolvimento pleno do discente em seus vários estágios acadêmicos. Adotando uma metodologia interdisciplinar buscam através de diversos atores da esfera educacional e de saúde, implementar políticas públicas, articulando ações que contribuam para combater, diagnosticar, dirimir, conscientizar e prevenir acerca do uso de substâncias psicoativas lícitas e ilícitas no interior das escolas e também do seu entorno. Outros pontos que são abordados se referem à gravidez não planejada de adolescentes e às doenças sexualmente transmissíveis, haja visto que ambas se constituem num problema de saúde pública e fator preponderante da evasão escolar na atualidade. Por fim, os esforços empregados por todos os integrantes, tanto das áreas gerencial e operacional visam atingir uma maior eficiência possível das ações adotadas e que possam serem observadas quantitativamente e qualitativamente através do estudo dos resultados obtidos, e principalmente, e não menos importante, que possam serem constatadas uma real “metanoia” na vida das crianças e jovens que permeiam o mundo escolar.

 

 

DOI: 10.12957/sustinere.2016.21636


Palavras-chave


Escola; Saúde; Entorpecentes

Texto completo:

PDF

Referências


BESSA, M. A. Adolescência e drogas .2004 São Paulo: Ed. Contexto.

BRASIL. Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia para Políticas Públicas do Álcool e outras Drogas (INPAD). Dados sobre o uso de álcool e outras drogas no Brasil. 2012. Disponível em: cuide-semais>alcooleoutrasdrogas>. Acesso em: 14/02/15.

BRASIL. Ministério da Educação. PROJETO SAÚDE E PREVENÇÃO NAS ESCOLAS. 2009. Disponível em < http://portal.mec.gov.br/projeto-saude-e-prevencao-nas-escolas-spe/apresentacao> Acesso em 12/01/15

BRASIL. Ministério da Saúde. CADERNOS DE ATENÇÃO BÁSICA. 2009.Disponível em: Acesso em 10/01/15.

CARLINI E.A; GALDURÓZ F.C.J; NAPPO A.N; NOTO A.R. I Levantamento domiciliar sobre o uso de drogas no Brasil: estudo envolvendo as 107 maiores cidades do país. 2002.São Paulo: Cromoste Gráfica e Editora

CASTRO, R. B. de. Eficácia, Eficiência e Efetividade na Administração Pública. 30º Encontro da ANPAD. Salvador (BA). 2006. Disponível em: Acesso em 08/12/2015.

MICHELI, D; SILVA,E. A.; Adolescência, Uso e Abuso de Drogas: Uma Visão Integrativa. 2010. São Paulo: Fap. Unifesp Editora.

OLIVEIRA, E. B ; BITTENCOURT, L.P.;CARMO DO C.A. A importância da família na prevenção do uso de drogas entre crianças e adolescentes: papel materno. 2008. SMAD, Rev. Eletrônica Saúde Mental Álcool Drog.(Ed. port.) [online],vol.4,n.2 Disponível em: Acesso em 12/01/15

PILLON, S.C, LUIS, M.A.V. Modelos explicativos para o uso de álcool e drogas e a prática da enfermagem. 2004. Revista Latino Americana de Enfermagem, v.12, n.4, p. 676-82.

TIBA, I. Juventude e Drogas: Anjos Caídos. 2007. São Paulo: Ed. Integrare.

SUDBRACK, M. F. O. E CESTARI, D.M. O modelo sistêmico e da educação para a saúde na prevenção da droga no contexto da escola: proposta do Projeto Piloto SENAD / MEC e UNB. 2005. Disponível em:

Acesso em: 14 /02/15.




DOI: https://doi.org/10.12957/sustinere.2016.21636

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


   Resultado de imagem para blogger icon   

 

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

ISSN 2359-0424

A Revista SUSTINERE está indexada/cadastrada em: