PERCEPÇÕES, SABERES E FAZERES NA INCLUSÃO ESCOLAR: AÇÕES COTIDIANAS DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

Autores

  • Andrea Borges Monzón Instituto Federal do Rio Grande do Sul - Campus Feliz
  • Maria Fátima Nicodem Instituto Federal do Rio Grande do Sul - Campus Feliz
  • Natália Branchi Oliveira Instituto Federal do Rio Grande do Sul
  • Diolinda Franciele Winterhalter Instituto Federal do Rio Grande do Sul

DOI:

https://doi.org/10.12957/riae.2022.69687

Palavras-chave:

experiências de inclusão, práticas pedagógicas, identidade e diferença.

Resumo

O presente trabalho trata-se de uma breve narrativa da trajetória do Campus Feliz do Instituto Federal do Rio Grande do Sul (IFRS), no que tange às experiências iniciais e subsequentes das atividades do Núcleo de Atendimento a Pessoas com Necessidades Educacionais Específicas (NAPNE), relacionadas às demandas então emergentes – nos anos pandêmicos de 2020 e 2021 – de acompanhamento a alunos com necessidades educacionais específicas, bem como seus desdobramentos para 2022. Desta forma, organiza-se aqui um relato teoricamente fundamentado sobre as práticas, os aprendizados em ação, a sensibilização pela experiência e os caminhos que impeliram à construção de práticas pedagógicas acessíveis e impulsionadoras da inclusão. O trabalho faz ainda uma desconstrução da visão de currículos rígidos, valoriza a diferença e prioriza a construção das identidades no interior da instituição de ensino. Faz-se o entrelaçamento com as problemáticas insurgentes nos últimos anos até o presente momento. Aparecem neste percurso as descobertas, os desafios e as propostas.

Biografia do Autor

Andrea Borges Monzón, Instituto Federal do Rio Grande do Sul - Campus Feliz

Possui graduação em Letras pela UNICAMP (1998), Mestrado em Linguística pela UFSCar (2008) e Doutorado
em Letras pelas UFRGS (2017). Desde 2010, é professora de Inglês e Português no IFRS (Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul) - Campus Feliz. Anteriormente, foi professora de línguas na educação básica e escolas de idiomas. É membro do GELCORP-SUL (Grupo de Estudos em Linguística de Corpus do Sul) e do CELinA (Coletivo de Estudos em Linguagens e Artes). Tem especial interesse por estudos acerca de: ensino-aprendizagem de línguas, ciências do léxico, letramento(s), inglês para propósitos específicos e Linguística de Corpus.

Maria Fátima Nicodem, Instituto Federal do Rio Grande do Sul - Campus Feliz

Pós-doutora em Educação com estágio Pós doutoral realizado em Educação do Campo, sob Supervisão da Professora Doutora Teresa Kazuko Teruya (UEM-2017). Doutora em Educação (UEM 2011-2013). Mestre em Linguística (UFSC 2003-2005). Especialista em Linguística Aplicada (PUC-MG 1994). Tem Licenciatura em Letras pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (1991). Licenciada em Pedagogia (2014). Licenciada em História (2017). Licenciada em Filosofia (2017-2019) e Licencianda em Geografia (em curso até 2022). Bacharelado de Serviço Social em curso. Atualmente é professora aposentada da Universidade Tecnológica Federal do Paraná, atuando somente na Pós Graduação. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Métodos e Técnicas de Ensino, atuando principalmente nos seguintes temas: Concepções Psicopedagógicas do Processo Ensino-Aprendizagem, Metodologia da Pesquisa e Psicologia da Educação, Mídias e Educação e suas Tecnologias, Educação do Campo. Foi professora da Disciplina de Língua Portuguesa e Literatura Brasileira e disciplinas de Ciências Humanas. Foi Coordenadora dos Cursos Técnicos em Segurança do Trabalho do Campus Medianeira da UTFPR (2006-2013). Coordenou, na UTFPR, o Curso Técnico em Química, o Curso de Ensino Médio, o Curso Técnico Pós-Médio em Segurança do Trabalho e o Curso Técnico PROEJA em Segurança do Trabalho. Atua em EaD - Cursos Pós-Graduação Lato Sensu - UAB e em Cursos Técnicos - E-Tec/Brasil .Coordenou e atuou como docente no Programa Especial de Formação Pedagógica em diversas turmas (entre 1998 a 2018). Doutorado em Ciências da Educação-UTCD (2006-2007). Atuando no Instituto Federal do Rio Grande do Sul, campus Feliz/RS, como Professora Visitante e em ação profissional inclusiva no NAPNE institucional desde Maio de 2022.

Natália Branchi Oliveira, Instituto Federal do Rio Grande do Sul

Natália Branchi é estudante do Curso de Licenciatura em Letras - Português e Inglês, do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul, Campus Feliz, e estagiária do Núcleo de Atendimento às Pessoas com Necessidades Educacionais Específicas (NAPNE) na mesma instituição. Atua como bolsista no Projeto de Pesquisa "A formação de alunos leitores no IFRS, campus Feliz: um olhar sobre nossas práticas de mediação", coordenado pela professora doutora Izandra Alves.

Diolinda Franciele Winterhalter, Instituto Federal do Rio Grande do Sul

Licenciada em Pedagogia pela Universidade Federal de Santa Maria - UFSM (2012). Especialista em Gestão Educacional - UFSM (2014). Mestre em Educação - UFSM (2015). Acadêmica no Curso de Pós-Graduação lato sensu Educação Especial e Inclusiva: Atendimento Educacional Especializado (AEE) (UCS 2022/2023). Educadora infantil na Unidade de Educação Infantil Ipê Amarelo (UFSM) - 2009 a 2013. Tutora no curso de Pedagogia EaD - UFSM/UAB (2013-2015). Professora de Anos Iniciais do Ensino Fundamental na rede Estadual de Educação (2014-2016). Professora na rede municipal de Educação Infantil Santa Maria-RS (2016/1). Atua como Pedagoga no Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul (IFRS) desde 2016. Atualmente, coordena as atividades no Núcleo de Atendimento às Pessoas com Necessidades Educacionais Específicas (NAPNE) no Campus Feliz do IFRS.

Referências

AMARAL, Lígia. Histórias da exclusão: e de inclusão na escola pública. In: Conselho Regional de Psicólogos. Educação Especial em debate. SP: Casa do Psicólogo/Conselho Regional de Psicologia, 1997, p. 23-34.

BRASIL. Lei n. 12.976, de 4 de abril de 2013. Altera a lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para dispor sobre a formação dos profissionais da educação e dar outras providências. Brasília, 2013a. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2013/lei/l12796.htm>. Acesso em 20 jun. 2022.

BRASIL. MEC. A inclusão escolar de alunos com necessidades educacionais especiais. 2006. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/deffisica.pdf>. Acesso em 20 jun. 2022>.

BURGSTAHLER, Sheryl. Desenho universal na educação: princípios e aplicações. Seattle: University of Washington, 2009. Disponível em: <http://www.washington.edu/doit/sites/default/files/atoms/files/Universal-Design-Education-Principles-Applications.pdf>. Acesso em: 20 jun. 2022.

CAMARGO, Eder. Inclusão social, educação inclusiva e educação especial: enlaces e desenlaces. Editorial. In: Ciência e Educação. Programa de Pós-Graduação em Educação para a Ciência. UNESP: Bauru, n.23, Jan-Mar 2017.

FREIRE, Madalena et al. Avaliação e planejamento: a prática educativa em questão. Instrumentos Pedagógicos II. São Paulo: s.e., 1997.

IFRS. Instrução Normativa PROEN nº 07, de 04 de setembro de 2020. Bento Gonçalves: Instituto Federal do Rio Grande do Sul, 2020.

MENDES, Rodrigo Hübner. O que é Desenho universal para aprendizagem? In: O Estado de S. Paulo em 24/11/2017. Disponível em <https://diversa.org.br/artigos/o-que-e-desenho-universal-para-aprendizagem/#:~:text=Surgia%2C%20ent%C3%A3o%2C%20o%20Desenho%20universal,Harvard%2C%20liderado%20por%20David%20Rose>. Acesso em 20 jun. 2022.

SANT´ANA, Izabella Mendes. Educação Inclusiva: concepções de professores e diretores. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 10, n. 2, p. 227-234, mai./ago 2005.

SEBATIÁN-HEREDERO, Eladio. Diretrizes para o Desenho Universal para a Aprendizagem (DUA). Revista Brasileira de Educação Especial, v. 26, n. 4, p.733-768, 2020.

TEIXEIRA, Tatiane. Educação Inclusiva no contexto escolar: desafios, possibilidades e proposições de práticas pedagógicas na perspectiva da escola justa. 2020. 108 f. Dissertação (Mestrado Profissional) - Programa de Mestrado Profissional de Sociologia, Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2020.

WINTERHALTER, Diolinda Franciele; MONZÓN, Andrea. A formação de professores para/na a educação inclusiva: capacitação em colaboratividade no contexto do ensino remoto. Cadernos do Aplicação (UFRGS), n. 34, v. 2, jul-dez. 2021a. DOI: http://dx.doi.org/10.22456/2595-4377.114011.

WOORDWARD, Kathryn. Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual. In: SILVA, Tomaz T. (Org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. 12ª ed. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 2010.

MAZZOTA, M. Educação Especial no Brasil: história e políticas públicas. São Paulo: Cortez, 1996.

VASCONCELLOS, Celso. Para onde vai o Professor? Resgate do Professor como sujeito de Transformação. São Paulo: Libertad, 2007.

Downloads

Publicado

07-12-2022

Como Citar

MONZÓN, Andrea Borges; NICODEM, Maria Fátima; OLIVEIRA, Natália Branchi; WINTERHALTER, Diolinda Franciele. PERCEPÇÕES, SABERES E FAZERES NA INCLUSÃO ESCOLAR: AÇÕES COTIDIANAS DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL. Revista Interinstitucional Artes de Educar, [S. l.], v. 8, n. 3, p. 847–864, 2022. DOI: 10.12957/riae.2022.69687. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/riae/article/view/69687. Acesso em: 18 jul. 2024.