A DOCÊNCIA EM CIÊNCIAS DA NATUREZA E A EDUCAÇÃO ESPECIAL NUMA PERSPECTIVA INCLUSIVA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.12957/riae.2022.68560

Palavras-chave:

Educação Especial, Formação de professores, Ensino de Ciências.

Resumo

Este estudo buscou conhecer e analisar a formação de professores de Biologia, Física e Química e como eles têm trabalhado o ensino dessas ciências com os seus alunos da Educação Especial numa perspectiva inclusiva. Os dados foram gerados a partir do uso de um questionário semiestruturado com 25 professores da área de Ciências da Natureza de escolas públicas de ensino médio no interior e na capital do Ceará, os quais resultaram em três categorias de análise referentes à formação docente, à aproximação profissional e ao ensino-aprendizagem de Ciências no contexto da Educação Especial. Os professores indicaram que não estudaram sobre Educação Especial na graduação, resultando em dificuldades nas suas práticas pedagógicas para ensinar aos alunos dessa modalidade de ensino. As escolas nem o sistema de ensino ofertam formação continuada para os professores relacionada à Educação Especial, havendo maior presença de alunos surdos e com deficiência intelectual nas turmas que os professores lecionam. Defende-se, portanto, a necessidade de que os cursos de licenciatura em Biologia, Física e Química passem a contemplar em seus currículos discussões sobre Educação Especial de forma articulada à essas ciências, permitindo que os professores possam, de fato, trabalhar o ensino de Ciências em uma perspectiva inclusiva junto a esses alunos.

Biografia do Autor

Rafael Soares Silva, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ)

Pós-Doutor em Educação, Contextos Contemporâneos e Demandas Populares (UFRRJ); Pós-Doutor em Química pelo IQSC-USP; Doutor em Ensino de Ciências e Matemática (UNICSUL), Mestre em Engenharia e Ciências dos Materiais (MACKENZIE); Especialista em Ensino de Química, Atendimento Educacional Especializado (AEE) e Salas de Recursos Multifuncionais e Educação Especial e Inclusiva. Licenciado em Química (UESPI) e Pedagogia (UNINOVE). Membro do Observatório de Educação Especial e Inclusão Educacional (ObEE/UFRRJ). Coordenador de Disciplinas e Professor no Curso de Especialização lato sensu EDUCAÇÃO ESPECIAL E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA - UFRRJ/CECIERJ.

  

Wanderson Diogo Andrade da Silva, Universidade Regional do Cariri (URCA)

Professor do Departamento de Química Biológica da Universidade Regional do Cariri (DQB/URCA). Doutorando em Educação (UFMG), Mestre em Educação (UFC) e Licenciado em Química (IFCE - Iguatu).

Referências

ARAÚJO, José Douglas de Abreu et al. “Nada sobre nós, sem nós”: a oferta do Atendimento Educacional Especializado no ensino médio a partir da percepção de estudantes público-alvo da Educação Especial. Research, Society and Development, Vargem Grande Paulista, v. 9, n. 3, p. 1-19, 2020.

ARAÚJO, José Douglas de Abreu; SILVA, Maria Aurinólia Barreto; SILVA, Wanderson Diogo Andrade da. (In)acessibilidade arquitetônica e suas implicações para a permanência da pessoa com deficiência visual no ensino superior. Scientia Plena, Aracajú, v. 15, n. 8, p. 1-9, 2019.

BRASIL. Decreto n° 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras, e o art. 18 da Lei nº 10.098, de 19 de dezembro de 2000.

BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. Brasília: MEC, 2001.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo escolar da Educação Básica 2021. Brasília: INEP, 2022.

BRASIL. Lei n° 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional.

BRASIL. Lei n° 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras e dá outras providências.

BRASIL. Resolução CNE/CP 1, de 18 de fevereiro de 2002. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena.

BRASIL. Resolução n° 2, de 1º de julho de 2015. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada.

BRASIL. Resolução n° 2, de 20 de dezembro de 2019. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial de Professores para a Educação Básica e institui a Base Nacional Comum para a Formação Inicial de Professores da Educação Básica (BNC-Formação).

CRUZ, Gilmar de Carvalho; GLAT, Rosana. Educação inclusiva: desafio, descuido e responsabilidade de cursos de licenciatura. Educar em Revista, Curitiba, n. 53, p. 257-273, 2014.

CUNHA, Camila; PAGAN, Alice Alexandre; WARTHA, Edson José. Diversidade e preconceito no ensino de Ciências: elementos para a formação de professores. Vitruvian Cogitationes, Maringá, v. 1, n. 1, p. 50-64, 2020.

HUBERMAN, Michael. O ciclo de vida profissional dos professores. In: NÓVOA, António. (org.). Vida de professores. Porto: Porto Editora, 1992. p. 31-62.

IPECE informe. Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará. Evolução da inclusão do aluno com deficiência na educação básica no Ceará. Fortaleza: Ipece, 2022.

KASSAR, Mônica de Carvalho Magalhães. A formação de professores para a educação inclusiva e os possíveis impactos na escolarização de alunos com deficiências. Cadernos Cedes, Campinas, v. 34, n. 93, p. 207-224, 2014.

LUSTOSA, Ana Valéria Marques Fortes; MENDES, Enicéia Gonçalves. A formação inicial de professores para a Educação Especial na perspectiva da teoria da subjetividade. EccoS – Revista Científica, São Paulo, n. 54, p. 1-16, 2020.

MAINARDES, Jefferson; CARVALHO, Isabel Cristina de Moura. Autodeclaração de princípios e de procedimentos éticos na pesquisa em Educação. In: Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação. (org.). Ética e pesquisa em Educação: subsídios. São Paulo: ANPED, 2019. p. 205-211.

MATOS, Selma Norberto; MENDES, Enicéia Gonçalves. Demandas de professores decorrentes da inclusão escolar. Revista Brasileira de Educação Especial, Marília, v. 21, n. 1, p. 9-22, 2015.

MORAES, Roque; GALIAZZI, Maria do Carmo. Análise Textual Discursiva. 3. ed. Ijuí: Ed. Unijuí, 2016.

OLIVEIRA, Roberto Dalmo Varallo Lima de; QUEIROZ, Gloria Regina Pessôa Campello. A formação de professores de ciências a partir de uma perspectiva de Educação em Direitos Humanos: uma pesquisa-ação. Ciência & Educação, Bauru, v. 24, n. 2, p. 355-373, 2018.

PLETSCH, Márcia Denise. A formação de professores para a educação inclusiva: legislação, diretrizes políticas e resultados de pesquisas. Educar, Curitiba, n. 33, p. 143-156, 2009.

PLETSCH, Márcia Denise. O que há de especial na Educação Especial brasileira? Momento – Diálogos em Educação, Rio Grande, v. 29, n. 1, p. 57-50, 2020.

PLETSCH, Márcia Denise; SOUZA, Flávia Faissal de. Educação comum ou especial? Análise das diretrizes políticas de Educação Especial brasileiras. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 16, n. esp. 2, p. 1286–1306, 2021.

SILVA, Larissa Vendramini da; BEGO, Amadeu Moura. Levantamento bibliográfico sobre Educação Especial e Ensino de Ciências no Brasil. Revista Brasileira de Educação Especial, Marília, v. 24, n. 3, p. 343-358, 2018.

SILVA, Virginia Roters da; LORENZETTI, Leonir. A alfabetização científica nos anos iniciais: os indicadores evidenciados por meio de uma sequência didática. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 46, e222995, 2020.

SILVA, Wanderson Diogo Andrade da; COSTA, Elisângela André da Silva; PINHEIRO, Bárbara Carine Soares. Educação para relações étnico-raciais na constituição curricular da Licenciatura em Química no Ceará: que cor tem a formação de professores(as)? Revista Cocar, Belém, v. 15, n. 33, p. 1-21, 2021.

SILVA, Wanderson Diogo Andrade da; TORRES, Cícero Magérbio Gomes; CARNEIRO, Claudia Christina Bravo e Sá. Formação e atuação de professores de Biologia/Ciências para a diversidade na escola: diálogos, interações e movimentos insurgentes. In: CARNEIRO, Claudia Christina Bravo e Sá et al. (org). Ensino de Biologia: entre a formação e a prática docente. São Paulo: Livraria da Física, 2022. p. 63-84.

TORRES, Josiane Pereira; MENDES, Enicéia Gonçalves. Formação de professores de ciências exatas numa perspectiva inclusiva. Revista Insignare Scientia, Cerro Largo, v. 1, n. 3, p. 1-21, 2018.

Downloads

Publicado

07-12-2022

Como Citar

SILVA, Rafael Soares; SILVA, Wanderson Diogo Andrade da. A DOCÊNCIA EM CIÊNCIAS DA NATUREZA E A EDUCAÇÃO ESPECIAL NUMA PERSPECTIVA INCLUSIVA. Revista Interinstitucional Artes de Educar, [S. l.], v. 8, n. 3, p. 797–812, 2022. DOI: 10.12957/riae.2022.68560. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/riae/article/view/68560. Acesso em: 13 abr. 2024.