Instituições contemporâneas de educação formal: uma análise da arquitetura escolar

Victória Louise de Paula Santos Carminatti, Patrícia Gräff

Resumo


O artigo se propõe a analisar a arquitetura de diferentes espaços escolares (Educação Básica e Educação Superior). Metodologicamente, utilizou-se da fotografia como instrumento para a produção de dados, na organização de um estudo qualitativo que teve nos Estudos Foucaultianos seu ancoradouro teórico. Partindo das imagens capturadas de seis instituições escolares, foram identificadas as características principais que compõem a arquitetura em cada nível escolar. Os resultados mostraram que a arquitetura escolar está constituída em um modelo pensado no século XVII, com políticas que se voltam para a segurança, mas também para a vigilância, produzindo, através da hierarquia, da economia do tempo, da organização, da observação e do silêncio, uma sociedade disciplinar.


Palavras-chave


Educação; Instituições de ensino; Políticas Educacionais

Texto completo:

PDF

Referências


BÁNOVČANOVÁ, Z.; MASARYKOVÁ, D. The Docile Body – Reflecting the School. Journal of pedagogy, v. 5, n. 2, p. 251-264, nov. 2014. Disponível em: https://www.degruyter.com/downloadpdf/j/jped.2014.5.issue-2/jped-2014-0012/jped-2014-0012.pdf. Acesso em: 18 dez. 2019.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Casa civil, 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm. Acesso em: 19 out. 2019.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996 – estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília: Casa civil, 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9394.htm. Acesso em: 17 out. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Indicadores da Qualidade na Educação Infantil. Brasília: MEC/SEB, 2009a. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/indic_qualit_educ_infantil.pdf. Acesso em: 26 ago. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Subsídios para credenciamento e funcionamento de instituições de educação infantil. Brasília: MEC, 1998. v. 2. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/volume_II.pdf. Acesso em: 28 ago. 2019.

BRASIL. Resolução nº 4, de 13 de julho de 2010 – define Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais para a Educação Básica. Diário Oficial da União, Brasília: MEC, 2010. p. 824-828. Disponível em: https://www.jusbrasil.com.br/diarios/DOU/2010/07/14. Acesso em: 06 out. 2019.

BRASIL. Resolução nº 5, de 17 de dezembro de 2009 – fixa as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Brasília: Conselho Nacional de Educação, 2009b. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=2298-rceb005-09&category_slug=dezembro-2009-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 25 ago. 2019.

CAMPOS, M. M. Critérios para um atendimento em creches que respeite os direitos fundamentais das crianças. 6. ed. Brasília: MEC, SEB, 2009. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/direitosfundamentais.pdf. Acesso em 27 ago. 2019.

COMENIUS. Didática Magna. Tradução Ivone Castilho Benedetti. 4. ed. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2011.

ESCOLANO, A. A arquitetura como programa. In: FRAGO, A. V.; ESCOLANO, A. Currículo, espaço e subjetividade: arquitetura como programa. 2. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2001. p. 26-47.

FARIA, A. B. G. Por outras referências no diálogo arquitetura e educação: na pesquisa, no ensino e na produção de espaços educativos escolares e urbanos. Em Aberto, v. 25, n. 88, p. 99-111, 2012. Disponível em: http://emaberto.inep.gov.br/index.php/emaberto/article/view/2588/0. Acesso em: 22 set. 2019.

FERARREZI JR., Celso. Pedagogia do silenciamento: a escola brasileira e o ensino de língua materna. 1. ed. São Paulo: Parábola Editorial, 2014.

FOUCAULT. História da sexualidade I: A vontade de saber. Tradução Maria Thereza da Costa Albuquerque e J. A. Guilhon Albuquerque. 23. ed. Rio de Janeiro, Edições Graal, 2013.

FOUCAULT. História da sexualidade III: o cuidado de si. Tradução Maria Thereza da Costa Albuquerque. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1985.

FOUCAULT. Microfísica do poder. 28. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2014.

FOUCAULT. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Tradução Raquel Ramalhete. 30. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1987.

GALLO, Sílvio. Repensar a educação: Foucault. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 29, n.1, p.79-97, jan/jun. 2004. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/educacaoerealidade/article/view/25420. Acesso em: 02 maio 2019.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA. Cartilha Saeb 2019. Brasília: Inep/MEC, 2019a. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/informacao-da-publicacao/-/asset_publisher/6JYIsGMAMkW1/document/id/6734620. Acesso em: 16 out. 2019.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA. Instrumento de avaliação institucional externa: Presencial e a distância – Credenciamento. Brasília: Inep/MEC, out. 2017a. Disponível em: http://download.inep.gov.br/educacao_superior/avaliacao_institucional/instrumentos/2017/IES_credenciamento.pdf. Acesso em: 15 out. 2019.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA. Prova Brasil: questionário da escola, 2017b. Disponível em: http://download.inep.gov.br/educacao_basica/saeb/aneb_anresc/quest_contextuais/2017/questionario_escola_2017.pdf. Acesso em: 16 out. 2019.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA. Sistema de Avaliação da Educação Básica. Portal Inep: 2019b. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/web/guest/educacao-basica/saeb. Acesso em: 16 out. 2019.

KÜNZLE, M. R. C. Os espaços escolares e a construção de um programa antidisciplinar. Roteiro, v. 32, n. 2, p. 221-244, 2007. Disponível em: https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/roteiro/article/view/349. Acesso em: 30 set. 2019.

NARODOWSKI, M. Comenius & a educação. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

PASTORIZA, Bruno dos Santos; PINO, José Claudino Del. Para Falar de Disciplina, Corpos e Conhecimentos Entre os Muros da Escola. Revista Eletrônica de Educação, v. 9, n. 1, p. 301-317, 2015. Disponível em: http://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/viewFile/1178/396. Acesso em: 17 out. 2019.

RIBEIRO, S. L. Espaço escolar: um elemento (in)visível no currículo. Sitientibus, n. 31, p. 103-118, 2004. Disponível em: http://www2.uefs.br/sitientibus/pdf/31/espaco_escolar.pdf. Acesso em: 18 out. 2019.




DOI: https://doi.org/10.12957/riae.2020.54599

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


e-ISSN: 2359-6856

 


Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

 

 

Indexada em:


 

 

Realização: