Os discursos inclusivos e seus efeitos sobre o discente normal: estratégias de governamento

Camila Bottero Corrêa, Kamila Lockmann

Resumo


O artigo objetivou analisar os discursos da inclusão escolar, materializados em documentos oficiais, e a forma como operam estratégias de governamento sobre os sujeitos ditos normais. A partir dos estudos foucaultianos, especialmente dos conceitos-ferramentas de discurso e governamento, evidenciou-se um triplo movimento composto pela tríade reflexão – simulação – colaboração. No primeiro eixo observa-se que o discente dito normal é alvo de técnicas de reflexão que visam familiarizá-lo com a deficiência. Num segundo momento, ele passa a ser alvo de técnicas de simulação pautadas na lógica da diversidade. Já no terceiro eixo, observa-se a cultura da colaboração como outra forma de sensibilização à diversidade, visando uma convivência produtiva entre o sujeito normal e anormal.


Palavras-chave


inclusão; normalização; sensibilização; governamento

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Educar na diversidade: material de formação docente. 3. ed. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial, 2006.

BRASIL. Projeto Escola Viva: garantindo o acesso e a permanência de todos os alunos na escola: necessidades educacionais especiais dos alunos. 5 v Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial, 2005.

BRASIL. O Acesso de Alunos com Deficiência às Escolas e Classes Comuns da Rede Regular. 2. ed. Brasília: Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão, 2004.

FERRE, Nuria Pérez de Lara. Identidade, diferença e diversidade: manter viva a pergunta. In: LARROSA, Jorge. SKILAR, Carlos (Org.). Habitantes de Babel: políticas e poéticas da diferença. Belo Horizonte: Autêntica, 2011. p.195-214.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso: aula inaugural no Collège de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970. 23. ed. São Paulo: Edições Loyola, 2013.

FOUCAULT, Michel. Nascimento da biopolítica. São Paulo: Martins Fontes, 2008a.

FOUCAULT, Michel. Segurança, Território, População. São Paulo: Martins Fontes, 2008b.

FOUCAULT, Michel. Do governo dos vivos: curso no Collège de France: 1979-1980: excertos. 2. ed. São Paulo: Centro de Cultura Social; Rio de Janeiro: Achiamé, 2011.

GADELHA, Sylvio. Biopolítica, governamentalidade e educação: introdução e conexões a partir de Michel Foucault. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2013.

KLEIN, Delci Heinle. IDEB e maquinarias: A produção, a quantificação e a expressão da qualidade da educação brasileira. 2017. 171f. Tese (Doutorado em Educação). Programa de Pós-Graduação em Educação. Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2017.

LARROSA, Jorge. Tecnologias do eu e educação. In: Silva, Tomaz Tadeu. O sujeito da educação. Petrópolis: Vozes, 1994, p. 35-86.

LOCKMANN, Kamila. Inclusão Escolar: Saberes que operam para governar a população. 2010. 180f. Dissertação (Mestrado em Educação). Programa de Pós-Graduação em Educação. Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2010.

LOPES, Maura Corcini; FABRIS, Eli Henn. Inclusão & Educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.

LOPES, Maura Corcini et al. Inclusão e biopolítica. Cadernos IHU Ideias, Unisinos, a. 8, n. 144, 2010.

MACHADO, Fernanda Camargo. A racionalidade neoliberal nas práticas de sensibilização para a inclusão escolar de deficientes. 2015. 175f. Tese (Doutorado em Educação). Programa de Pós-Graduação em Educação. Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2015.

RECH, Tatiana Luiza. A emergência da inclusão escolar no governo FHC: movimentos que a tornaram uma “verdade” que permanece. 2010. 186f. Dissertação (Mestrado em Educação). Programa de Pós-Graduação em Educação. Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS), São Leopoldo, 2010.

SILVA, Tomaz Tadeu. Identidade e Diferença: A perspectiva dos Estudos Culturais. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

SKLIAR, Carlos. Pedagogia (improvável) da diferença: e se o outro não estivesse aí? Rio de janeiro: DP&A, 2003.

SKLIAR, Carlos. A invenção e a exclusão da alteridade “deficiente” a partir dos significados da normalidade. Educação & Realidade. n. 24 (1): p. 15-32. jul./dez. 1999.

SOMMER, Luís Henrique. A ordem do discurso escolar. Revista Brasileira de Educação vol. 12, n. 34, p. 57-67, jan./abr. 2007.

VEIGA-NETO, Alfredo; LOPES, Maura Corcini. Rebatimento: a inclusão como dominação do outro pelo mesmo. MUCHAIL, Salma Tannus, FONSECA, Márcio Alves da, VEIGA-NETO, Alfredo. (Org.). O mesmo e o outro: 50 anos de história da loucura, 2013. p. 103-124.

VEIGA-NETO, Alfredo. Foucault & a Educação. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2005a.

VEIGA-NETO, Alfredo. Coisas do governo... In: RAGO, Margareth; ORLANDI, Luiz Benedicto Lacerda Orlandi & VEIGA- NETO, Alfredo. (Org.). Imagens de Foucault e Deleuze: ressonâncias nietzschianas. Rio de Janeiro: DP&A, 2005b. p. 13-34.




DOI: https://doi.org/10.12957/riae.2020.54598

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


e-ISSN: 2359-6856

 


Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

 

 

Indexada em:


 

 

Realização: