Amizade, pedagogia e neoliberalismo: a veridicção neoliberal e suas ressonâncias em uma amizade pedagogizada

Luiz Guilherme Augsburger, Ana Maria Hoepers Preve

Resumo


Neste artigo partimos de dois pontos na relação moderna entre infância e educação para pensar amizade, pedagogia e neoliberalismo. De um lado, o “governo da infância” e suas relações com as práticas pedagógicas sobre indivíduos e populações que, após a segunda guerra, desdobram-se em práticas pedagógicas avaliadas a partir de uma “veridicção neoliberal”. De outro lado, temos a emergência de uma amizade entre crianças e a transformação de sua relação com o campo pedagógico: a amizade infantil passa de desencadeadora de problemas a ferramenta pedagógica. A partir disto, mostramos as ressonâncias dessa veridicção neoliberal nessa amizade pedagogizada, lançando mão, sobretudo, de pesquisas na área de educação, infância, neoliberalismo e amizade.


Palavras-chave


Amizade; Educação; Neoliberalismo; Pedagogia

Texto completo:

PDF

Referências


ARENDT, Hannah. Between Past and Future: eight execises in political thought. New York/US: Penguin Books, 2006.

ARIÈS, Philippe. História Social da Criança e da Família. 2. ed. Rio de Janeiro: LTC, 1981.

ARISTÓTELES. The Nicomachean Ethics. London: William Heinemann Ltd., 1934

AUGSBURGER, Luiz Guilherme. Que pode a amizade?: movimentos cartográficos e educação em terras de clausura. 2017. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Ciências Humanas e da Educação, Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, 2017.

AYMARD, Maurice. Amizade e convivialidade. In: CHARTIER, Roger (org.). História da

vida privada, 3: da Renascença ao Século das Luzes. Tradução de Hildegar Feist. São Paulo:

Companhia das Letras, 2009. p.439-81.

BALL, Stephen. J. Profissionalismo, Gerencialismo. Performatividades e fabricações na economia educacional: rumo a uma sociedade performativa. Educação e realidade, v. 35, n. 2, 2010, p. 37-55.

BARON, Gerald R. Friendship marketing: growing your business by cultivating strategic relationships. Grant Pass, OR: The Oasis Press/PSI Research, 1997.

BELTRÃO, Ierecê Rego. Corpos dóceis, mentes vazias, corações frios. Didática: o discurso científico do disciplinamento. São Paulo: Imaginário, 2000.

BIESTA, Gert. Para além da aprendizagem: educação democrática para um futuro humano. 1. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2017.

BUJES, Maria Isabel Edelweiss. Infância e maquinarias. 2001. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, RS, 2001.

BUJES, Maria Isabel Edelweiss. A invenção do eu infantil: dispositivos pedagógicos em ação. Rev. Bras. Educ., Rio de Janeiro, n. 21, p. 17-39, dez. 2002. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-24782002000300003&lng=en&nrm=iso. Acesso em 20 jun. 2019.

BUJES, Maria Isabel Edelweiss. Artes de governar a infância: linguagem e naturalização da criança na abordagem de educação infantil da Reggio Emília. Educ. rev., Belo Horizonte, n. 48, p. 101-123, dez. 2008. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-46982008000200006&lng=en&nrm=iso. Acesso em 20 jun. 2019.

CORRÊA, Mirele. O que pode um corpo na escola? Uma cartografia das potencialidades do corpo em espaço de escolarização. 2017. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Centro de Ciências de Educação, Artes e Letras, Universidade Regional de Blumenau, SC, 2017.

DARDOT, Pierre; LAVAL, Christian. La nouvelle raison du monde: Essai sur la société néolibérale. Paris: La Découverte, 2009.

FADERMAN, Lilian. Surpassing the love of men: Romantic Friendship and Love Between Women from the Renaissance to the Present. New York, United States: Perennial, 2001.

FOUCAULT, Michel. Surveiller et punir. Paris: Éditions Gallimard, 1975.

FOUCAULT, Michel. Histoire de la sexualité 1: la volonté de savoir. Paris: Éditions Gallimard, 1976.

FOUCAULT, Michel. Les Anormaux: cours au Collège de France (1974-1975). Paris: Éditions Gallimard; Éditions Seuil, 1999.

FOUCAULT, Michel. Sécurité, territoire, population: cours au Collège de France (1977-1978). Paris: Éditions Gallimard; Éditions Seuil, 2004a.

FOUCAULT, Michel. La naissance de la biopolitique: cours au Collège de France (1978-1979). Paris: Éditions Gallimard; Éditions Seuil, 2004b.

FRAISSE, Jean-Claude. Philia : la notion d’amitié dans la philosophie antique. Paris: Librairie Philosophique J. Vrin, 2016.

GADELHA, Sylvio de Souza. Governamentalidade neoliberal e instituição de uma infância empreendedora. In. KOHAN, Walter Omar. Devir-criança da filosofia: infância da educação. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2010. p. 123-138.

GADELHA, Sylvio de Souza. Empresariamento da sociedade e governo da infância pobre. In. RESENDE, Haroldo (org.). Michel Foucault: o governo das infâncias. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2015. p. 345-366.

HARTUP, Willard W.; MOORE, Shirley G. Early Peer Relations: Developmental

Significance and Prognostic Implications. Early Childhood Research Quarterly, n. 5, p. 1-17, mar. 1990.

HARTUP, Willard W. Having friends, making friends and keeping friends: Relationships as Educational Contexts. ERIC Digest, [s. l.], 1992. Disponível em: https://eric.ed.gov/?id=ED345854. Acesso em: 05 abr. 2018.

HEYWOOD, Colin. Uma história da infância: Da Idade Média à Época Contemporânea no Ocidente. Porto Alegre: Artmed, 2004

KATZ, Lilian G.; MCCLELLAN, Diane E. The teacher's role in the social development of young children. Urbana, IL: ERIC/EECE, 1991.

KOHAN, Walter Omar. Infância: Entre Educação e Filosofia. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2005.

KONSTAN, David. Friendship in the classical world. New York, United States: Cambridge University Press, 1997.

LADD, Gary W. Having Friends, Keeping Friends, Making Friends and Being Liked by

Peers in the Classroom: Predictors of Children's Early School Adjustment?. Child

Development, n. 61, p. 1081-110, aug., 1990.

LARROSA, Jorge. Tremores: escritos sobre experiência. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2016.

LARROSA, Jorge. Esperando não se sabe o quê: sobre o ofício de professor. 1. ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2018.

LAVAL, Christian. A Escola não é uma empresa: o neo-liberalismo em ataque ao ensino público. Londrina: Editora Planta, 2004.

LES QUATRE Cents Coups. Direção: François Truffaut. Produção: Les Films du Carrosse;

SEDIF Productions. France, 1959. 99 min. Son., P/B

LOPONTE, Luciana Gruppelli. Amizades: o doce sabor dos outros na docência. Cad. Pesqui., São Paulo, v.39, n.138, p.919-938, dez. 2009.

LOS OLVIDADOS. Direção: Luis Buñuel. Produção: Óscar Dancigers; Sergio Kogan; Jaime A. Menasce. Mexico, 1950. 88 min. Son., P/B.

LUQUE PARRA, Diego Jesús; LUQUE ROJAS, María Jesús. Relaciones de amistad y solidaridad en el aula: Un acercamiento psicoeducativo a la discapacidad en un marco inclusivo. Revista Mexicana de Investigación Educativa, v.20, n.65, p.369-392, jun. 2015.

MASSCHELEIN, Jan; SIMONS, Maarten. Defensa de la Escula: una cuestión pública. Buenos Aires: Miño y Dávila Editores, 2014.

MIZOGUCHI, Daniel Hausen. Amizades contemporâneas: inconclusas modulações de nós. Porto Alegre: Sulina; Editora da UFRGS, 2016.

MUÑOZ, Nuria Malajovich. Do amor à amizade na psicose: contribuições da psicanálise ao campo da saúde mental. Rev. latinoam. psicopatol. fundam., São Paulo, v.13, n.1, p. 87-101, mar. 2010.

NARODOWSKI, Mariano. Infância e Poder: a conformação da Pedagogia Moderna. Bragança Paulista: Editora da Universidade São Francisco, 2001.

Ó, Jorge Ramos do. O governo de si mesmo: modernidade pedagógica e encenações disciplinares do aluno liceal (último quartel do século XIX - meados do século XX). Lisboa: Educa, 2003.

ORTEGA, Francisco. Genealogias da amizade. Rio de Janeiro: Iluminuras, 2002.

PLATÃO. Lysis; Symposium; Gorgias. London: Harvard University Press: 1925.

RESENDE, Haroldo (org.). Michel Foucault: o governo das infâncias. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2015. p. 259-280.

ROUSSEAU, Jean-Jacques. La nouvelle Héloïse. Paris: Librairie de Firmin Didot Frères, 1843.

ROUSSEAU, Jean-Jacques. Émile, ou de l’éducation. Paris: Éditions Flammarion, 1966.

SAMPAIO, Helena Almeida e Silva. Olhei uma infância a desabar sobre uma criança:

fotografei o sobre. 2019. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Centro de Ciências de Educação, Artes e Letras, Universidade Regional de Blumenau, SC, 2019.

SCHÉRER, René. Enfantines. Paris: Economica, 2002.

SCHÉRER, René. Émile perverti: ou des rapportes entre l’éducation et la sexualité. Paris: Éditions du Rocher, 2006.

SOUZA, Eloisio Moulin de; GARCIA, Agnaldo. Amigos, amigos: negócios à parte? Revista de Administração, [S.I.], v. 43, n. 3, p. 238-249, Sep. 2008.

SOUZA, Luciana Karine de; SEDIYAMA, Cristina Yumi Nogueira. Amizades internacionais: panorama da literatura empírica e um estudo descritivo. Barbaroi, Santa Cruz do Sul, n.36, p.6-28, jun. 2012.

VESENTINI, J. William; MARTINS, Dora; PÉCORA, Marlene. Ápis: história. São Paulo: Ática, 2011.

ZÉRO de conduite : Jeunes diables au collège. Direção: Jean Vigo. Produção: Jean Vigo. France, 1933. 42 min. Son., P/B.




DOI: https://doi.org/10.12957/riae.2020.54584

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


e-ISSN: 2359-6856

 


Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

 

 

Indexada em:


 

 

Realização: