REFLEXÕES SOBRE O PARADIGMA MILITANTE NUMA ESCOLA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

Ligia Caroline Pereira Pimenta, Ana Paula Figueiredo Louzada, Fernando Hiromi Yonezawa

Resumo


Este artigo é fruto de pesquisa qualitativa de mestrado em Psicologia Institucional e teve como campo de intervenção uma escola municipal de modalidade Educação de Jovens e Adultos, na cidade de Vitória, estado do Espírito Santo. Fez parte também de um conjunto integrados de pesquisas realizadas na mesma EMEF. O objetivo geral foi analisar como os educadores participantes estabeleciam conexões com o paradigma militante presente no cotidiano de trabalho na escola. O método utilizado foi o cartográfico e a metodologia se deu por levantamento bibliográfico, utilização de diário de campo, entrevistas e gravações de áudio. O material produzido subsidiou a realização das entrevistas semiestruturadas, além da qualificação de informações coletadas acerca da militância. Para resguardar o sigilo, tanto a escola quanto os participantes não foram identificados. Concluímos que a urgência por outros modos militantes foi demonstrada naquela escola através de um plano ético de subjetivação, cuja existência foi demonstrada em ações micropolíticas que constituíram no plano hermenêutico o seu êthos, conforme a teoria foucaultiana.


Palavras-chave


psicologia institucional; militância; educação; êthos

Texto completo:

PDF

Referências


ARDOINO, Jacques; LOURAU, René. As Pedagogias Institucionais. São Carlos: Rima, 2003.

ARENDT, Hannah. A condição humana. Roberto Raposo. (Tradução), 12ª Edição. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2015.

ATIVISMO. In: HOLLANDA FERREIRA, A. B. Dicionário Online. Disponível em: . Acesso em: 17 set. 2016.

BATISTA, Jandré Corrêa. Apropriações ativistas em sites de redes sociais: cartografia das ações coletivas no twitter. Dissertação (Mestrado em Comunicação Social). Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, RS, 2012.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Organização de Alexandre de Moraes. 16.ed. São Paulo: Atlas, 2000.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Felix. 1874 – Três novelas ou o que se passou? In: G. Deleuze & F. Guattari. Mil Platôs: Capitalismo e Esquizofrenia. (A. Guerra Neto e cols. Trads.). v.3, Rio de Janeiro: Editora 34, p. 58-75.

FOUCAULT, Michel. A coragem da verdade: o governo de si e dos outros II. Eduardo Brandão (Tradução); São Paulo. Martins Fontes, 2011.

KASTRUP, Virgínia. O funcionamento da atenção no trabalho do cartógrafo. In: PASSOS, E.; KASTRUP, V.; ESCOSSIA, L. (Orgs.). Pistas do Método da Cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2012, p. 32-51.

LEMOS, Cássio Fernandes; OLIVEIRA, Andreia Machado. Mapeamento, Processo, Conexões: a cartografia como metodologia de pesquisa. Paralelo 31, v. 1, n. 8, 2017, p. 40-51.

MACHADO, Jorge Alberto. Ativismo em rede e conexões identitárias: novas perspectivas para os movimentos sociais. In: Sociologias, Porto Alegre, ano 9, nº 18, jul./dez. 2007, p. 248-285.

NEVES DA SILVA; Rosane. Ética e paradigmas: desafios da psicologia social contemporânea. In: PLONER, KS., et al., (org). Ética e paradigmas na psicologia social [online]. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais, 2008. 313 p. ISBN: 978-85-99662-85-4. Disponível em: . Acesso em: 10/01/2017.

PASSOS, Eduardo; BARROS, Regina Benevides de. A cartografia como método de pesquisa-intervenção. In: PASSOS, E.; KASTRUP, V.; ESCOSSIA, L. (Orgs.). Pistas do Método da Cartogradia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2012, p. 17-31.

SCHUBERT, Fernando Pinheiro. Práticas de militância nômade: experimentações rebeldes e novas estéticas de luta no contemporâneo. Dissertação (Mestrado em Psicologia Institucional). Programa de Pós-Graduação em Psicologia Institucional, Universidade Federal do Espírito Santo, ES, 2015.

SOUZA, Janice Tirelli P. Os jovens contemporâneos e a política contra o instituído. In: GROPPO, L. A.; FILHO, M. Z.; MACHADO, O. L. (Orgs). Movimentos juvenis da contemporaneidade. Recife: Universitária da UFPE, 2008, p. 117-156.




DOI: https://doi.org/10.12957/riae.2021.53805

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


e-ISSN: 2359-6856

 


Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

 

 

Indexada em:


 

 

Realização: